Pular para o conteúdo principal

Código da Vinci



Este fim de semana fui ao cinema com minha amiga assistir ao tão esperado "O Código da Vinci". Ao chegar no Boubon Country, mais precisamente no segundo andar, me deparei com uma fila quilométrica que mais parecia a fila de espera para entrar em uma festa no fim de semana. Juro que não imaginava que o filme ia ser tão assistido assim naquele dia. Se bem que devo levar em consideração a polêmica que o filme trás e o fato de o Iguatemi não possiur mais cinemas devido aos fatos abafados pela mídia, tais como sequestros.

Chegando ao guichê de ingressos, imploramos ao balconista para que transformasse um dos dois últimos ingressos, que era de meia entrada, em entrada inteira. Ok. Com os dois últimos ingressos na mão seguimos para a nossa longa espera na fila quilométrica.

Tic Tac, Tic Tac...

Após duas horas e meia de filme completamente hipnotizante, sai do cinema arrependida de não ter lido o fim do livro, e ao mesmo tempo, surpreendida com o final inesperado. Porém ao contrário de muitas pessoas não saí com dúvidas em relação à minha fé, e sim com dúvidas em relação a minha religião de batismo, já que não à pratico, com dúvidas em relação à igreja e suas mil frescuras sem sentido.

No churrasco que teve no dia seguinte na casa da minha tia, eu e minha família começamos a debater religião. Minha tia ficou revoltada dizendo que eu e minha prima somos muito descrentes pelo simples fato de que concordamos com a mesma questão: "Nós acreditamos que a história de que Jesus teria se casado com Maria Madalena e que esta teria concebido filhos seus com a possibilidade de existirem descendentes vivos aqui na terra ainda hoje, pode sim ser verdadeira. E assim como é mostrado no filme, acreditamos que Jesus pode ter sido sim um homem normal como qualquer outro que fazia o bem, e não um superpoderoso. Tanto que essa história de ressurreição aí é muito estranha." E outra, páscoa mesmo eu só não contesto o coelho e os ovos de chocolate, pois o resto pra mim é duvidoso".

Na boa, por que as pessoas rezam pra santos se eles são pessoas normais? E se eram pessoas normais como então podiam fazer milagres? É de se repensar isso heim! Não seria muito injusto exigir tal perfeiçãio de um cara normal com Jesus. Tudo bem que caras como ele hoje em dia não se vê mais, mas um dia esse cara perfeito existiu.

No final no filme Langdon questiona Neveu com uma frase maravilhosa. Ela questiona ela se ela preferia manter a fé que as pessoas tem, ou se ela renovaria a fé? O que você faria? A minha fé já está sendo renovada pelo livro e pelo filme, só espero que possa realmente se provar algo a partir dos estudos que certamente virão em cima deste polêmico tema que reconstruiria ou reconstruirá a história da humanidade.

Vai ai uma frase que li esses dias nuns rabiscos do meu irmão: JAMAIS CRUZE OS BRAÇOS, POIS O MAIOR HOMEM DO MUNDO MORREU DE BRAÇOS ABERTOS.

E uma do meu pai: JAMAIS CONTE A DEUS O TAMANHO DE SEUS PROBLEMAS, MAS CONTE AOS SEUS PROBLEMAS OP TAMANHO DO SEU DEUS.

PS: Com essas frases quero provar que minha fé continua viva, porém renovada como já falei.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…
Infância roubada

Crianças. Será que ainda existem? Em que momento a infância termina, nos dias de hoje? Eu deixei de ser criança parcialmente aos 12 anos, quando achei que as festinhas com a turma eram bem mais divertidas que as bonecas. Mas eu senti a chegada da adolescência normalmente. Percebi que meus interesses estavam mudando, assim como os da maioria dos meus amigos. Foi um processo natural e saudável. Mesmo virando adolescente nunca deixei de agir feito uma criança boba de vez em quando pra me divertir. O ideal é nunca deixarmos de ser crianças, nem que seja um pouquinho só. Mas esse foi o meu jeito de crescer. A maneira como as crianças crescem agora, é muito diferente.

As meninas largam as bonecas bem antes dos 12. Descobrem que é mais interessante maquiar a si mesmas do que maquiar rostos de plástico; As músicas que escutam não são mais ao estilo Chiquititas, Xuxa ou Balão Mágico. Agora a moda é ouvir Rebeldes (que não são órfãs vestidas de forma comportada, mas sim meninas q…

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…