Pular para o conteúdo principal

O egoísta

Durval nunca dividia nada. Ele era extremamente egoísta. Durval era um egoísta fora do comum, ele não dividia nem mesmo o banco do ônibus. Pois é, quando o ônibus estava lotado ele nunca entrava. Nos horários de pico ele nem se quer cogitava a idéia de pegar um coletivo. Por sinal, a palavra coletivo causava uma certa náusea em Durval. Quando ele avistava um banco de dois lugares vazio ele logo ocupava o acento do lado com uma mochila, um casaco ou seja lá o que for que ele estivesse carregando consigo.


Em casa todos já haviam se acostumado com as manias de Durval, apesar de excêntricas. Mas um dia, Durval recebeu uma notícia avassaladora que iria mudar para sempre sua vida. Ele ia ser pai. E de uma menina.


A partir daquele momento ele passou a visualisar cada momento de sua vida. Ele imaginava o bebê chorando e a mãe acordando para cuidar dele. Primeiro ponto: ele ia ter que dividir a atenção da sua esposa com bendito fruto do ventre dela. Segundo ponto: até uns nove anos de idade a criança acordaria durante a noite e iria dormir com os pais por algum motivo especial, tipo medo do bicho-papão. Dividir a cama com a mulher já tinha sido uma vitória incálculável para ele, mas dividir com a filha seria muito mais do que ele poderia suportar. Ponto três: depois a menina se tornaria uma aborrecente e iria namorar. Daí seria o fim, ele teria que dividir sua doce e pura meninha com um marmanjo que provavelmente teria tatuagens, piercings e que dizia se comunicar usando palavras como "Pô", "Meu", "E aí", "Tá Ligado" e ainda por cima o chamaria de "Coroa", ou de uma forma mais gentil de "Sogrão". Ponto Final. Ele resolveu radicalizar, mudar sua vida!


Já que não poderia evitar a vinda da criança tão desejada pela mãe, ele teria que criar uma estratégia para administrar seu egoísmo. Ficou dias a fio procurando uma saída que conseguisse fazê-lo mudar aos poucos. Não achou. Ou melhor, não achou uma solução que o mudasse aos poucos. Somente uma. Uma única solução que não o mudaria aos poucos, e sim rapidamente e pra sempre. Durval prometeu para si e para Deus que jamais seria egoísta como um dia foi.


Passados alguns dias, Durval passou a pegar ônibus e não colocar nenhum objeto no acento ao seu lado. Depois passou a dormir tranquilamente ao lado da bela esposa. Um dia quando ela havia esquecido a escova na casa da irmã, ele até dividiu a escova de dentes. A ESCOVA DE DENTES. Depois dividiu a cueca com um amigo que passou por apuros. A CUECA. Seu progresso mais evidente foi quando emprestou para um colega de trabalho seus CDs favoritos, o do Sydney Magal (o sangue dele ferve por esse cara), o do Roberto Carlos, o cara doido que fala com as plantas e o do Wando, o tarado das calcinhas. Até que um dia ele demostrou total cura de sua doença egocêntrica. Foi quando em uma visita de seu vizinho à sua casa, percebeu o quanto ele admirava sua esposa. Contente por possuir mulher tão formosa e ao mesmo tempo tão sensual, Durval olhou para o vizinho Roberval e dirigiu a palavra a sua amada esposa:


- Tá bom amor pode ir. Eu te divido com o Rob...


Uma lágrima escorreu por seu rosto, mas ele estava feliz. Ele havia vencido a sua doença.

Comentários

  1. mazaaa tem outra cronista na rádio-escuta!!! tô dando uma banda na internet, sábado de manhã, na rádio-escuta... bom, pelo menos no meu trabalho dá pra ver o jogo né, nesse momento, a inglaterra tá ganhando de 1x0 do paraguai...
    bah, mas esse durval hein... me racha a cara. ser egoísta demais não era, mas dividir a mulher... o que que é melhor? ser corno ou egoísta??? eis a questão

    ResponderExcluir
  2. Oie, olha eu aqui de novo. Tô vendo que voltou a fase, Ponto de vista nada radical, afinal, ou o cara é egoísta ao extremo ou prestativo demais né. Mas infelizmente é mais fácil encontrar o durval da primeira fase pelas ruas. hehehe

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…