Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2006

Uma pechada inesquecível

Luizinha tava na fossa. Ah, se tava! Ela já tava há um tempão sem dar um beijinho se quer. Imagina o resto então. Coitada! Depois de muita seca decidiu que precisava sair daquela. Não falou nada pra ninguém. Nem pra sua melhor amiga. Então adotou uma estratégia para "atrair machos", como ela mesma dizia. Se arrumava o máximo que podia todos os dias e saia à caça. Até no ônibus a menina caçava. Sua estratégia era simplesmente: esbarrar. Ela saia esbarrando em tudo que é guri que via. Minto. Ela selecionava o alvo. O guri a ser esbarrado deveria corresponder ao seu perfil. Bonito, aparentemente meigo e inteligente. Ela estava de saco cheio de caras idiotas sem nada no cérebro, exceto festa, mulher e futebol. Tava na hora de achar o homem da sua vida. Assim, se Deus quisesse, Luizinha teria muitos beijinhos e se o cara não fosse froxo ainda teria sexo a hora que bem entendesse.

Era faculdade, ônibus, trabalho, festa, restaurante, até oficina mecânica se duvidar. Ela pechava em q…

Pra tudo há uma resposta

Lixo sem lixo

Fui abordada na rua por um guardinha de uma escola. Ele me disse para que eu não jogasse o meu chiclete na calçada. Eu respondi: - Tudo bem, desde que você coloque lixeiras nas ruas, eu não colocarei meu chiclete nas calçadas, porque na minha bolsa é que não vou guardar ele. E saí. Essa função não é dele. Muito menos minha, foi mal.

Agradecendo à gentiliza!

Eram 23 h. Eu estava na parada de ônibus próxima à minha faculdade. A parada estava lotada. Normal. Em horário de saída das aulas é assim mesmo, um ônibus de 20 em minutos se duvidar.

O ônibus finalmente chega. Vai lotar. Lombas? Pra subir é brabo eim?! Como de costume, eu tento ir mais pra frente pra tentar subir no ônibus antes de algumas pessoas que possivelmente possam sentar-se em um lugar onde minha bunda estaria bem acomodada. Uma moça um pouco grande para os lados começa a me xingar: " Quer passar na frente? Passa. Tem gente que não pode esperar." Eu olhei pra trás e falei: "Obrigada". Ela me q…
Ps: Não sei de quem é esse poema, mas só postei porque achei interessante...Calma, Tia Márcia, não fui eu que escrevi, não precisa me internar...hehehe


Sim, porque eu já fui eu ...
Mas cheguei à triste conclusão de que não sou mais eu.
Meu nome, que por isso mesmo, já esqueci, não interessa mais a ninguém.
Para um médico, sou apenas cliente.
Num restaurante, sou freguês.
Quando alugo uma casa, viro inquilino.
Na condução sou passageiro.
Nos correios, sou remetente.
No supermercado sou consumidor.
Para o Imposto de Renda sou contribuinte,
Com o prazo vencido sou inadimplente
e se não pago sou sonegador. Para votar, sou eleitor;
mas no comício sou massa.
Viajar? Viro turista.
Na rua, caminhando, sou pedestre;
e se me atropelam sou acidentado;
No hospital viro paciente
e para os jornais sou vítima.
Se compro um livro, viro leitor;
para o rádio sou ouvinte;
para o Ibope, espectador e,
para o futebol, eu, que já fui torcedor, virei galera.
Para acabar com esse complexo... sim, porque estou co…