Pular para o conteúdo principal
Brooke

Ontem, quando cheguei em casa, após o trabalho, pra variar, a TV estava ligada em um filme que minha mãe dizia assistir enquanto preparava o almoço na COZINHA! Não sei por quê decidi sentar e assistir o filme, algo que nunca faço. Pelo contrário, sempre me aposso do controle e coloco no telejornal. Não sei qual o nome do filme, nem como foi seu início, mas confesso que dessa vez valeu a pena pegar um filme pela metade.

A história era verídica, ao que tudo indica. Uma menininha de apenas 11 anos, após ser atropelada por um menor (16 anos) imprudente e bêbado, teve sua vida reduzida a uma cadeira de rodas e um respirador qus se ficasse longe dela, causava morte súbita. Brooke, ao contrário da esperança que seus pais depositavam nela, nunca mais pôde dançar ballet, correr, brincar... Brooke cresceu e permaneceu pelo resto de sua vida em uma cadeira de rodas.

O fato de ela estar numa cadeira de rodas não comove qualquer um. Afinal, cansamos de nos deparar com deficientes físicos e não nos comovermos. Mas a mensagem que o filme passa nos faz mudar nossa maneira de ver as pessoas. Uma parte é muito interessante. A irmã da menina se senta na cadeira da menina e fica olhando pro relógio. Se passam poucos minutos que para a garota se parecem uma eternidade. Ela queria sentir por alguns minutos o que sua irmã sentiria para o resto de sua vida. Ver as horas passarem sem fazer nada que movesse o corpo.

Brooke ia pra escola sempre acompanhada de sua mãe, que servia como interlocutora quando Brooke queria levantar os braços para falar e para fazer os trabalhos manuais. Na faculdade a mãe a acompanhou também e assim foi por toda a vida. O que comove é que Brooke, como qualquer outra garota, se apaixona. No príncipio tem seu amor correspondido, mas passado um tempo recebe um e-mail de seu primeiro amor contando-lhe que está noivo. Brooke questiona a mãe se nunca vai poder trabalhar, ou se algum homem um dia vai quere-la. Tantas gurias que hoje reclamam dos namorados (confesso que sou uma dessas), e uma querendo tanto ter um, nem que seja por uma única vez. Nem que seja só pra sentir como é bom beijar os lábios de alguém que a gente gosta.

Sei lá o que aprendi com esse filme. Juro que não tenho nada a falar. O que importa é que na hora que eu vi o filme eu não pensei nada. Eu só senti. Senti uma angústia por dentro. Senti pena. Senti vontade de chorar.

Comentários

  1. que texto hein...
    era pra ser romantico, mas o final não foi muito...
    que coisa

    beijos

    ResponderExcluir
  2. Simone Bassani05/01/2007 08:53

    Tássia! Quero ver esse filme... pra ver se assim como tu, eu pare um pouco de reclamar das coisas, do namorado, da vida..
    Beijo amiga!

    ResponderExcluir
  3. toma postura de homem tássia!!!

    bixinha!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…
Infância roubada

Crianças. Será que ainda existem? Em que momento a infância termina, nos dias de hoje? Eu deixei de ser criança parcialmente aos 12 anos, quando achei que as festinhas com a turma eram bem mais divertidas que as bonecas. Mas eu senti a chegada da adolescência normalmente. Percebi que meus interesses estavam mudando, assim como os da maioria dos meus amigos. Foi um processo natural e saudável. Mesmo virando adolescente nunca deixei de agir feito uma criança boba de vez em quando pra me divertir. O ideal é nunca deixarmos de ser crianças, nem que seja um pouquinho só. Mas esse foi o meu jeito de crescer. A maneira como as crianças crescem agora, é muito diferente.

As meninas largam as bonecas bem antes dos 12. Descobrem que é mais interessante maquiar a si mesmas do que maquiar rostos de plástico; As músicas que escutam não são mais ao estilo Chiquititas, Xuxa ou Balão Mágico. Agora a moda é ouvir Rebeldes (que não são órfãs vestidas de forma comportada, mas sim meninas q…

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…