Pular para o conteúdo principal
A COISA

Uma noite dessas acordei para ir ao banheiro, abri a porta, e o que vejo? Uma barata. Uma imensa, preta e repugnante barata. Sim, repugnante é a palavra quase perfeita. Não mais que asco. Se era voadora não sei, espero que não, porque se fosse e tivesse voado acho que a vizinhança inteira acordaria com meus gritos e pensaria que alguém estava sendo violentado. Os gritos seriam ainda maiores porque a barata não era uma simples e mediana barata marrom, Era uma gigantesca barata preta.

Estava braba com meu namorado, mas não exitei ao gritar seu nome para que viesse me socorrer desse apuro. Como homem só se faz de durão, percebi que ele tinha tanto nojo da bichana quanto eu, tanto que ao invés de pegar suas havainas branquinhas e grandes pra matar A COISA, ele pegou minhas havainas pequenas, velhas e chamativas. Ainda teve a audácia de inventar que não tinha mais nada ali. "Tu só pode ser cego, ou tá se fazendo porque é um baita cagão". Tudo bem, acho que meu pai e meu irmão também são, mas se fingem de machos. Depois da tentativa de escape dele quase botei o dedo indicador em cima do bicho pra mostrar-lhe que ela ainda estava ali vivinha da silva. Pleft! Ele matou a coisa. E eu falei: - Limpa. Eu tenho nojo e tu sabe disso!
No outro dia de manhã abri a tampa da privada pra fazer o xixi matinal e o que vejo em baixo da minha bunda. A barata morta. ECA!!! E se ela tivesse viva. Puxei a descarga com um sobressalto. Ela não era digna do meu xixi.!

Uma outra vez em que vi uma barata na minha casa e gritei levei um baita chingão do infeliz. "Odeio gritos", disse ele. Óbvio que não falei com ele o resto da noite e me tranquei no quarto pra não ser perseguida pela mostrenga. Os homens devem ter a sensibildade de entender um grito frenético quando o assunto é barata, ora essa! Afinal, a barata causa um sentimento nas mulheres que até hoje não foi fielmente explicado. Pode ser medo, asco, repugnância, nojo...No meu caso é tudo junto e mais um pouco! Ainda vou visitar aqueles países orientais e me vingar dessas bichanas, comendo uma frita com o prazer dos deuses. Esses dias já me vinguei de algumas inimigas mortais, as tatuíras, comendo-as com todo o prazer possível. Fritinhas e com sal. Feito batatas- fritas. Eles viviam mordicando meus dedões quando eu era pequena. Chatinhas elas.

Medo significa, terror; receio e susto., conforme o dicionário on-line Priberam. Já Nojo significa náusea; enjôo; asco; aquilo que inspira asco ou repugnância;

Comentários

  1. tudo bem, tudo bem, matar baratas é uma das nossas obrigações, a outra é abrir vidros em conserva... mas não precisa gritar tanto, elas não mordem!!!
    e vem cá, se eu arranjar uma barata frita, tu come mesmo?

    beijão

    ps: boa cor do texto! hehehe

    ResponderExcluir
  2. baratas é o ó!!!!!!

    eca

    ãããiii

    blééééé

    uuuurgg

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…