Pular para o conteúdo principal

Problema: a psicóloga ou eu?

Faz exatamente um ano que tive meu primeiro "surto" depressivo. Nem ao menos sabia o que era depressão, até me estressar com um motivo pessoal, uma decepção. Eu chorava sem parar dia e noite, não tinha vontade de fazer nada, não conseguia trabalhar e nem fazer nada que eu gostava, não comia (emagreci cinco quilos em três dias) e achava que era o fim do mundo.

Sem condições e vontade de ir a um psicólogo particular, passei a tomar Fluoxetina (acho que é assim que se escreve), um antidepressivo. Passado algum tempo, um bom tempo, decidi parar de tomar aquela droga que me fazia tão bem. Isso mesmo, ela me fazia ficar feliz por alguns momentos e fingir que nada estava acontecendo ou tinha acontecido. Depois de mais um bom tempo, decidi que deveria ir a um psicólogo que tinha no convênio empresarial do meu pai, ver qual era o meu problema. Eu não sabia mais quem eu era. Perdi minha personalidade. Me tornei fraca, mesquinha, chorona e besta!

Primeira consulta. Uma loirinha baixinha, de olhos claros me chamou pelo nome. Comecei mal, minha psicóloga não podia ser loira e muito menos ter olhos claros. Elas são um problemaço pra mim. Tudo bem, respirei fundo e fui. Vai que ela era uma boa moça. Seguia-a pelo corredor até chegar a sala do fundo. Sentei-me numa enorme poltrona e ela na minha frente. Ela ficou me olhando, me olhando e , putz, ela continuava me olhando. Percebi que se eu não fizesse alguma coisa minha consulta estaria fadada ao mais absoluto fracasso. Comecei a falar. E aqueles olhos claros me olhando. Eca! Desabafei. Falei de todos meus problemas. Misturei todos os assuntos. Fiz a confusão. Eu estava me achando muito problemática pro meu gosto. Enquanto eu falava, pensava: " Como sou idiota. Meus problemas não são nada perto de tantos outros que vejo por aí. Eu tô nessa sala agora porque sou uma fracassada." Dane-se. Agora já era. Já que eu estava ali eu ia falar e deu. Chorei. Parei. Chorei de novo. Parei. E a mulher não falava nada. Que ódio! "Tinha que ser loira", pensava eu.
Fim de consulta. Que merda foi essa? A mulher é muda? Eu falei tudo isso pra nada? Saí decepcionada com a consulta e fui pra casa marcar outra para 15 dias depois, que passaram a ser dois meses. Marquei, porque eu sempre tenho esperanças de que melhore.


Dali há dois meses, lá estou eu de novo, na mesma cena. Parecia reprise de novela. Eu falei tudo de novo. Dava vontade de dizer: "Sua anta loira, tu não tem um bloquinho aí com as anotações do que eu te disse na consulta anterior?" Até cheguei a falar: - Eu já te falei isso. Eu esperava que ela conversasse comigo, mas não, ela só fazia perguntas quando perdia o fio da meada da minha história. O mais inacreditável é que eu disse pra ela qual era meu problema. Isso mesmo. Eu sei qual o meu problema. Eu só preciso da solução. Tanto que eu a disse no fim da narrativa: - "É isso. Só não sei o que fazer para resolver.". Poxa. É tão difícil assim me ajudar!

Sai de lá decepcionada mais uma vez. Um progresso: dessa vez não contive minhas lágrimas. Fiquei matutando e tentando encontrar a moral daquele tempo perdido. Será que a moral é que eu mesma deveria encontrar a solução para meus problemas ao desabafar? Se fosse isso, eu desabafaria com minhas amigas, e de graça!!! Eu esperava alguns testes psicológicos, alguns exercícios, sei lá. Menos conversa de louco onde um fala e o outro só te olha sem parecer te escutar.

O pior é que entre uma consulta e outra haviam acontecido várias coisas na minha vida. Decisões que eu não sabia se eram precipitadas ou não. Eu queria que minha psicóloga me ajudasse a, justamente, não tomar decisões precipitadas, certas ou erradas, mas do jeito que estavam as consultas, eu continuaria e continuo fazendo tudo ao meu jeito que nem sei qual é.

Remarquei a consulta. Não sei que força maligna me fez decidir que devo voltar lá pela terceira vez. A esperança. Esperança de que seja diferente. Não posso desistir. Mas tenho medo de que ela esqueça minha história de novo e que não dê em nada. E isso é ainda mais provável porque ela é loira, e natural ainda por cima!

Mas como diz o ditado. Um é pouco, dois é bom, três....três vezes sem resultados já é demais!!! Mas, eu tenho fé!

Comentários

  1. não sei pq, mas hoje, dia 27, 3:00 da manhã, numa noite insone, me lembrei q uma vez eu li uma frase que era +- assim: "o pior dos nossos problemas é que ninguém tem nada com isso". não me lembrava mais quem a tinha escrito, não lembrava nem mesmo se ela era mesmo assim. daí resolvi entrar no google e escreve-lá, pra ver se eu achava o autor, e acabei descobrindo o teu blog, segunda página da pesquisa. comecei a le-lo lá de ciminha, da parte rosa, com aquelas palavras escritas de maneira q, apenas agora, não acho tosca. mas, pra ser sincero contigo, na hora em que comecei a ler aquelas palavras escritas de maneira tão "peculiar", já pensei: "puta, esse blog deve ser uma merda". mas daí resisti a esse meu preconceito, pq o que tava escrito era legal, pensei "q se foda a maneira como estava escrito", e lí a a msg do dia 26. heuaheu, não podia ficar mais surpreso! sério, meu preconceito tosco foi destruido logo depois q eu lí a tua primeira msg, logo depois q eu ví q vc escreve beeem melhor q eu. essa sua msg é a coisa mais linda q eu lí faz tempo. toda bem escrita, mas simples e sincera.
    daí fui lendo o teu blog inteiro, do começo ao fim. mto legal. achei tão legal q eu tô aki, faz quase meia hora, só pra postar esse comentário ( como se eu ou a minha presença fossem grandes bostas uehauhe ).
    E valeu por me mostrar como é a frase de verdade. Agora, por causa de vc e do google, eu descobri q é do quintana. mas ela tb é mto de vc, pq o mesmo quintana tb escreveu: "DAS IDEIAS

    Qualquer ideia que te agrade
    por isso mesmo... é tua.
    O autor nada mais fez que vestir a verdade
    que dentro de ti se achava inteiramente nua."
    Bem, se eu , às 3 da manhã, tava procurando por essa frase, acho q isso a faz um pouco minha tb.
    vlw ae, e depois de eu ler o teu blog e postar essa msg, deu até vontade de criar um blog. Se eu um dia fizer um, eu ponho o endereço aki hehe. td d bom pra vc, e q vc se dê bem.

    PS: O mais legal é q eu faço judô na minha faculdade ( não, não sou sapatão, nem gay, euhaeuah). tchau

    ResponderExcluir
  2. Tá chega pra mulher e diz que quer a opinião dela e qual é a moral de tu vir aqui e só falar e nada resolver. Põe ela na parede.. tá pagando tem que usufluir.. vai vê ela está espereando tu fazer isso assim ela sabe que tu já falou tudo que tinha que falar.. vmaos lá parada nao se pode ficar!!

    ResponderExcluir
  3. Te consulta comigooooooooooooooo

    te dou as soluções em poucos minutos!
    uahuahauhauah

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…