Pular para o conteúdo principal

Hoje o tempo voa...Escorre pelas mãos

Ainda há muitas coisas que eu quero fazer, mas há mais coisas ainda que eu queria fazer. Assim mesmo, no pretérito. Eu digo queria, pois sei que, por mais que a vontade seja grande, talvez eu não tenha tempo para fazê-las. Isso porque elas ficam em segundo plano. Sabem como é, né? Primeiro tem o trabalho, depois a família ou vice-versa, e depois, só se sobrar um tempinho, é que podemos nos divertir fazendo algo que nos agrade sem que ele nos seja imposto. Ô beleza heim. Imagina que delícia fazer só o que a gente quer, ou pelo menos, ter mais tempo para nos dedicarmos ao que gostamos? Mas a realidade que vemos, é que, geralmente, quando sobra um tempinho, o que as pessoas fazem é descansar com a bunda no sofá.

Por exemplo, eu queria aprender a tocar violão, mas isso exige uma coordenação motora muito grande, dedos compridos e paciência, teclado já é mais fácil e pandeiro também. Eu queria fazer street e ritmos, quem sabe dança de salão, desde o pagode até a salsa (nada de tango e valsa, só ritmos contagiantes). Também queria aprender a fazer crochê, a tricotar, a bordar e a pintar e ter paciência pra isso. Que decepção serei pros meus netos se não souber fazer roupinhas pra eles. Mas isso eu terei tempo para fazer na velhice, eu espero. Prendada eu? Nem pensar. Não me ensinem jamais a limpar a casa (sou alérgica) e nem a cozinhar (acho que também sou alérgica). Com certeza, eu não vou ganhar meu marido pelo estômago, vou ter que me esforçar bem mais pra conquistá-lo. Quero aprender a falar inglês e espanhol fluentemente, mas tive que trancar o curso e agora estou procurando um curso em CD. É o jeito! Também queria ser mochileira, sair rodando mundo afora, sem planejar nada. Aventurar-me na vida.Mas pra isso eu devo pelo menos falar duas línguas, saber cozinhar para me virar, e é claro ter dinheiro. Tempo é dinheiro, é por isso que meu tempo está lotado. Tô tentando aumentar meu orçamento trabalhando e fico sem tempo para me divertir. Também queria ter tempo pra me sentir linda, mas com minha preguiça é ruim heim. Isso dependeria de muito tempo. Toda manhã, ao invés, de acordar só 10 minutos antes de sair porta afora, eu teria que acordar pelo menos uma hora antes, escolher a roupa, deixar os tênis de lado e usar botas ou sandálias, fazer maquiagem, me perfumar e deixar meus cachos rebeldes impecáveis. É quase uma missão impossível. Sempre acabo optando por uma calça jeans, um tênis pra andar mais rápido já que sempre saio atrasada, e um casaquinho ou baby look no calor. Não tenho vocação pra paty por mais que admire o tempo que elas gastam com elas mesmas. Pelo menos elas se sentem bonitas o dia todo, já eu pareço que acordei e não tirei o pijama. Claro que além disso eu queria fazer bem mais coisas, aprender a nadar, a dirigir, a andar a cavalo, a surfar, andar de jet sky, de skate e etc.

Tem gente que pensa que terá tempo de sobra para fazer tudo o que quiser: “Quando eu me aposentar eu vou fazer tudo que eu queria ter feito.”, engana-se o bom velhinho. Quando você se aposentar você provavelmente vai gastar boa parte do seu tempo com seus netos, com missas, trabalhos comunitários, problemas alheios, ajuda financeira a família desajustada, reuniões familiares e etc. E eu, como pretendo ser jornalista, acho que só vou me aposentar de verdade quando parar de pensar, quando a sanidade desaparecer, pelo menos é isso que dizem por aí sobre jornalistas. A vantagem de ser jornalista, no entanto, é que de repente eu possa fazer tudo que quero por minhas andanças mundo afora com a desculpa de viagem a trabalho, cobertura jornalística e etc. Espero que minha estratégia dê certo e que outras pessoas encontrem as suas maneiras de não deixar o tempo escorrer pelas mãos e de fazer o queria se transformar em ainda quero!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…
Infância roubada

Crianças. Será que ainda existem? Em que momento a infância termina, nos dias de hoje? Eu deixei de ser criança parcialmente aos 12 anos, quando achei que as festinhas com a turma eram bem mais divertidas que as bonecas. Mas eu senti a chegada da adolescência normalmente. Percebi que meus interesses estavam mudando, assim como os da maioria dos meus amigos. Foi um processo natural e saudável. Mesmo virando adolescente nunca deixei de agir feito uma criança boba de vez em quando pra me divertir. O ideal é nunca deixarmos de ser crianças, nem que seja um pouquinho só. Mas esse foi o meu jeito de crescer. A maneira como as crianças crescem agora, é muito diferente.

As meninas largam as bonecas bem antes dos 12. Descobrem que é mais interessante maquiar a si mesmas do que maquiar rostos de plástico; As músicas que escutam não são mais ao estilo Chiquititas, Xuxa ou Balão Mágico. Agora a moda é ouvir Rebeldes (que não são órfãs vestidas de forma comportada, mas sim meninas q…

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…