Pular para o conteúdo principal
O verdadeiro laço familiar

Conforme o Dicionário Aurélio, Família significa: Pessoas do mesmo sangue. Já para a palavra Amigo, uma das definições é: Que é ligado a outrem por laços de amizade. Uns dizem que a coisa mais importante do mundo é a família, pois só ela irá te apoiar em todos momentos da vida e te ajudará sempre que precisares. Outros dizem o mesmo sobre os amigos. Mas afinal, qual afirmação é realmente verdadeira? Quais os laços mais fortes, os sanguíneos ou os de amizade?

A família de verdade é aquela onde todos são unidos e, para que isso ocorra, antes de mais nada, todos devem ser amigos. Porém, muitas são compostas de pessoas que nem se falam. Perceba que na afirmação inicial do parágrafo, deixei implícito que a amizade é que faz com que as palavras família e união tenham o devido valor. Essa conclusão subjetiva nos faz ver que os laços de amor são mais importantes que os laços de sangue. Isso porque, é mais sensato, por exemplo, que você e seu primo se considerem amigos antes de primos, pois só assim serão unidos o bastante para fortalecer o elo familiar ressaltando sua importância.

Quantos casos de famílias desajustadas você conhece? São parentes que deixam de se falar após a morte de um membro vital, em função de uma traição ou de uma dívida. Os motivos que fazem com que pais, filhos, irmãos e primos deixem de se falar são diversos e não cabe aqui relatar todos. O que deve ser ressaltado, é que o sentido cristão de família não existe faz muito tempo. Isso porque os seres humanos não dão mais importância aos laços fraternos. Muitas vezes, ao invés de ver no irmão um amigo, alguns o vêem como um inimigo. É por isso que, atualmente, vemos famílias completamente diferentes, compostas por pessoas que substituem os parentes em datas festivas e reuniões de fins de semana.

Em função disso, percebemos que a família de verdade é aquela composta por amigos, sejam eles parentes ou não. Por pessoas que se respeitam, se perdoam, se amam e são leais umas com as outras. E assim, o
laço sanguíneo passa a ter outro significado: É quando um amigo está disposto a dar o próprio sangue pelo outro, um ato de amor inigualável.

Comentários

  1. Tá precisando de sangue, Tássia? Fazendo campanha pra doação agora. Só tu mesma!
    Tipo, nem um, nem outro. Tanto família, quanto amigos são igualmente importantes. A gente gosta dos dois. A gente ama os dois. E amor não se mede. Tu nunca ficou pensando se tu ama mais teu ou tua mãe, não é mesmo?! Idem nesse caso...
    Não adianta falar que amigos são mais importantes se quando chamamos o melhor amigo de irmão ou afirmamos que 'amigos são a família que a gente escolhe'.
    Os dois são importantes. E doar sangue também... hahha

    beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…