Pular para o conteúdo principal

Não fui eu!

Por: David Coimbra (fugindo ao padrão do blog, esse texto não é meu, mas como vale a pena ser lido, resolvi postar)

Fosse acreditar nos cartões de fim de ano, estaria explodindo de amor-próprio. Acharia que lojas, empresas de construção, farmácias, vereadores e agências de publicidade me amam verdadeiramente. Não só isso: acharia que nada é mais importante do que eu, para eles. "O mais importante para nós é você!", juram-me todos.

Mas não é verdade, sei que mandam esses cartões para todo mundo. Então, nem os abro. Recebo um envelope, aqui na Redação, vejo que é de felicitações, bibibi, e enfio-o direto na lata de lixo ao lado da mesa.

Fico pensando nas árvores, quando faço isso. Quantas árvores continuariam vivas, fazendo fotossíntese com plena alegria, se ninguém enviasse cartão de Boas Festas? Quantas florestas? Vejam, vegetarianas, como também posso ser ecologicamente correto.

Mas a fúria que se abate sobre as pessoas para desejar alvíssaras aos outros é tão intensa, tão irrefreável, tão incontida, nessa época do ano, que elas não ficam felizes em apenas mandar cartões. Elas vão para a internet e começam a enviar mensagens de bom Ano-Novo indiscriminadamente, durante dias a fio, sem parar. Eu mesmo recebi centenas, sério!, centenas de imeils de desconhecidos com o mesmo título: "Que venha 2008!" Não cheguei a ler o restante da mensagem, mas o tom de desafio me intrigou. Que venha 2008! Uma espécie de chamamento para a briga. Certamente, é de alguém que não teve um bom 2007, espera algo pior, mas garante que não vai desistir. Quer dizer: não irá se jogar do oitavo andar, por exemplo. Não sei se essa pessoa faz bem em ser tão insistente, mas o fato é que seu arrosto a 2008 encontrou seguidores sem fim, estão todos por aí de queixo erguido, encarando 2008 com uma faca entre os dentes.

Eu recomendaria mais prudência. O ano mal começou, sabe como é... Não que meu 2007 tenha sido ruim. Ao contrário: foi ótimo. Mas, no finzinho, no dia 31, abateu-se sobre meu fatigado corpo uma virose, ou algo do gênero, que me pôs de cama, com febre e enjôos pelo dia inteiro e que ainda não me abandonou completamente. Fazia 11 anos que não ficava doente. Onze anos! Por isso, febril, suando, sozinho no escuro do quarto, refletia penosamente sobre as razões de aquilo ter acontecido comigo. Era difícil de pensar, vinham-me à cabeça imagens de corujas na praia, de retrospectivas na TV, do Rei cantando, até que fiat lux! Lembrei dos imeils. Que venha 2008! Que venha 2008! Que venha 2008! Aquelas milhares de mensagens desaforadas passando pelo meu endereço eletrônico, e aí 2008, como se dissesse, ah é, é?, começou desse jeito para mim. Não fui eu! Eu não tenho culpa! Odeio cartões de felicitações de qualquer tipo! Odeio imeils com cachorrinhos, criancinhas, passarinhos e Jesus, com mensagens emocionantes. Não que tenha algo contra os animais, as crianças ou O Senhor, por favor! Tenho-os todos em máxima conta, viram, vegetarianas? Mas é que não vou perder tempo lendo imeils de mensagens edificantes, por mais edificantes que sejam. Não vou! Não adianta me mandar. Portanto, aqui de dentro do meu corpo enfraquecido, quero deixar bem claro: não sou a favor de afrontas contra anos-novos. Prefiro a composição, a tolerância, o jeitinho. Calma, 2008. Calma.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…