Pular para o conteúdo principal

Há males que vêm para o bem!

Com o início do funcionamento das máquinas de venda automática de maconha para uso medicinal na Califórnia, o debate em torno do tema voltou à tona. Será esse um passo para a descriminalização da droga, ou é só mais uma descoberta em prol de quem precisa?

A Cannabis Sativa é conhecida há mais de 5 mil anos e, em muitas vezes, foi um "santo" remédio. A erva é capaz de reduzir ou abolir as náuseas e vômitos produzidos por medicamentos anticâncer, diminuir a dor causada por certas doenças, abrir o apetite e ser benéfica em casos de esclerose e epilepsia, sendo analgésica e relaxante. Li em um site que pesquisas internacionais comprovam que a maconha é uma droga psicoativa, cujos efeitos desaparecem com a suspensão do uso. Baseado nisso, não queima neurônios, não destrói o cérebro, não causa dependência física nem overdose e seus efeitos sobre a perda de memória ou a dificuldade de concentração são reversíveis quando se interrompe o hábito do consumo. Não posso atestar a veracidade dos dados, mas acredito neles, pois se a maconha fosse tão destrutiva, não seria utilizada por médicos.

Eu acredito que com um controle rigoroso o uso da droga para fins medicinas não terá como servir de incentivo para seu consumo e nem legalização. Não cabe aqui eu expor meu ponto de vista sobre a liberação ou não da maconha, mas acho que está na hora de sermos menos hípócritas e aceitarmos que existem males que vêm para o bem. Afinal, as receitas de meu pai não falham, já que a cachaça é ótima para gripe e para dor de dente, capirinha de limão é perfeita para dor de garganta, cachaça de butiá é bom para evitar gripes e até certos venenos de animais agora podem servir de cura. Ou seja, até o que supostamente faz mal, pode fazer bem, se soubermos tirar proveito.

Comentários

  1. olha
    o trote eh esse aí:
    Olha é o seguinte calourada
    Calouro é bicho ruim e não merece ser entrevistado, porém, quem fizer a melhor participação no trote será honrosamente entrevistado pelas veteranas.
    O TROTE é o seguinte, segue os temas abaixo que os novatos terão que falar em seus próprios blogs, o bixete mais participativo ganhará a entrevista, e todos que participarem no final da semana terão uma surpresinha preparada exclusivamente para bichos.
    TODOS os temas tem que ser entregues até sexta-feira, 15, e os links têm que ser entregues aqui.

    temas:

    - a t.checoslovaquia manteve-se comunista até o final da década de 80, quando se abriu para o sistema democrático. analisando a atual situação da política brasileira, você acha que o nosso país poderia de alguma forma se tornar comunista?

    - defenda as tartarugas ninjas

    - hilary ou obama?

    - febre amarela, como se previnir?

    - diga o impacto que o Titanic fez na sua vida

    - diet ou light?

    - você acredita em duende?


    Grata à coordenação veterana.

    bjus
    e qq coisa eh soh perguntar

    ResponderExcluir
  2. OIi ! Axei seu blog por acaso!!

    Axei ele superlindoo! Vc escreve mto bm tbm ^^

    se tiver um tempinho passa lah no meu??

    rafaellynhaa.blogspot.com

    Bjooo =**

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…