Pular para o conteúdo principal

A DITADURA DA IGUALDADE

X

Após 49 anos tendo Cuba em suas mãos, Fidel Castro Ruz, 81 anos, anunciou que não mais concorreria à eleição indireta que escolhe o presidente e o comandante-em-chefe das Forças Armadas, por estar em fase terminal de uma grave doença. Quem assumiu em seu lugar foi seu irmão Raúl Castro, 76 anos.

Durante a DITADURA de Fidel em Cuba, tudo era proibido. E, portanto, o grande debate político em torno de sua despedida do poder é se o regime continuará sendo tirano nas mãos de Raúl. Os votos populares são de que não. Que Cuba pode estar a caminho de uma revolução. Mas eu, honestamente, acredito que essa revolução só ocorrerá após a morte de Fidel, pois o fato de Raúl estar no poder enquanto Fidel vive, é só fachada, pois quem comanda tudo de sua cama, é Fidel.

Engraçado falar em revolução, quando Cuba por si só já deveria ser uma, afinal o Comunismo deveria ser uma revolução. Tudo que Deus queria: o fim das desigualdades sociais, na base do igual para todos tornando a sociedade mais regular. Acontece que na teoria é tudo lindo, mas na prática é outra história.


O comunismo de Fidel é diferente de tudo que ele deveria ser. É uma total desvalorização ao ser humano. Seus esforços não são reconhecidos e muito menos recompensados. Não pensem que ao dizer isso estou defendendo o Capitalismo com unhas e dentes. NÃO. Pois acho que o capitalismo aumenta a desigualdade social. Mas em compensação, sou totalmente contra políticas públicas do nosso sistema ao estilo bolsa- família, onde o incentivo do pobre é não trabalhar e receber de bandeja.
Não precisamos do Comunismo se soubermos administrar o Capitalismo com uma piatada das teorias de Marx. É só utilizarmos programas de incentivo a pessoas de baixa renda de forma inteligente. Quer solução mais fácil do que oferecer uma boa educação de graça e maior ofertas de empregos bons? Digo bons, pois um jovem que ganhe duzentos reais para trabalhar, pode até trabalhar, mas sempre achará outras alternativas, quem sabe ilícitas, para tirar uma grana extra.

O Brasil não tem cara para ser Comunista. Nem daria certo. É muita gente pra isso. Mas com força de vontade política séria, o país pode beneficiar pobres sem prejudicar ricos. E quer saber o que mais? A maior falcatrua brasileira é a política. Ganhar muito e trabalhar pouco ou não trabalhar é o maior exemplo de chinelagem do nosso país. Vamos valorizar o trabalho bem-feito e digno! Vamos incentivar a seriedade e honestidade! E se tudo fosse assim, esse mar de rosas, eu até diria Viva ao Capitalismo, mas por enquanto, é melhor acreditar no impossível: que uma mescla dos dois seria perfeita!

P.S.:
Vale a Pena Ler
Curiosidade sobre as gravuras acima
Smurfs Comunistas
Muito se especula a respeito do caráter comunista da Vila dos Smurfs. Afinal de contas, a história em quadrinhos criada na década de 50, foi publicada pela primeira vez no auge da Guerra Fria. O que se disseminou entre as gerações que conheceram os pequeninos personagens azuis é que o desenho, mais do que a história em quadrinhos, é em si mesmo uma propaganda do comunismo. De acordo com a teoria do “comunismo azul” reinante na Vila, o Gargamel seria uma alegoria aos Estados Unidos. Isso porque o vilão ganancioso deseja o tempo todo transformar os Smurfs em ouro, numa clara alusão à coisificação das pessoas, inerente ao capitalismo. Além disso, há inúmeras outras coincidências com o discurso comunista. O Papai Smurf, por exemplo, seria uma alusão a Karl Marx, já que é admirado pelos demais Smurfs por sua idade e sabedoria. A tese baseia-se nas “semelhanças físicas” entre os dois, evidenciada pelo uso do vermelho e a farta barba branca do Papai Smurf (não que um velhinho de barba branca e roupa vermelha também não pudesse ser o Papai Noel). A tese vai mais longe. De acordo com ela, o Smurf Gênio poderia muito bem ser o Trotsky, já que sua sabedoria se assemelha à de Papai Smurf e, freqüentemente, ele é ridicularizado e ejetado da Vila. Vale lembrar que Trotsky foi banido da União Soviética em 1929... Mais uma coincidência relevante: todos os Smurfs são iguais, a despeito da atividade que desempenham ou de suas habilidades intelectuais. Ainda, não há propriedade privada na Vila dos Smurfs: a terra e os instrumentos são de todos. Entretanto, o fator que mais fortalece a tese de que os Smurfs são uma propaganda do regime comunista é que, de fato, não há igrejas na Vila. Não há, por exemplo, um Padre Smurf. Assim como os marxistas, os Smurfs são ateus: acreditam, apenas, na força da natureza. A comparação com o comunismo não acaba por ai. Há quem delire, quer dizer, afirme que o Bebê Smurf representa ninguém menos que Che Guevara. Isso porque ele teria sido fruto de um “deslize” do Papai Smurf com a Smurfette (para quem não sabe, ela foi criada pelo Gargamel para seduzir os Smurfs, mas acabou “passando para o outro lado da Força” graças ao Papai Smurf), ou seja, resultado da união entre o socialismo e o capitalismo.

Tio Patinhas Capitalista
Dotado dos princípios necessários para o sucesso financeiro e empresarial, Patinhas é o exemplo claro de capitalista bem-sucedido. Nele encontra-se tudo que é necessário para o atingir o topo:
1. Tem o trabalho, sem o qual ninguém chega a lugar nenhum, demonstrado nele próprio que foi antes de ser tornar “quaquilionário”, um trabalhador incansável, tendo exercidos funções como cowboy, fazendeiro e explorador de ouro etc;
2. Tem a sorte, simbolizada na inestimável Moedinha n.º 1, que é indispensável, pois trabalhar todos trabalham, mas é a sorte que irá constituir-se como “fonte de um direito natural, o direito de enriquecer”, para validar o fato de que, embora todos trabalhem, apenas alguns privilegiados conseguem realmente enriquecer;
3. Tem a iniciativa, que o fez sair sempre em busca de mais, até mesmo depois de atingir o alto grau de enriquecimento, ele continuou a investir e tenatr aumentar sua fortuna. Patinhas é a base para a descrição de todos os outros personagens que o rodeiam. É para atender as expectativas dele que Donald e seus outros sobrinhos dedicam suas vidas. É por sua fortuna que Margarida se deixa ser disputada por Donald e Gastão. Huguinho, Zezinho e Luizinho estão sempre dispostos a reproduzir o mundo que ele, como grande civilizador que é, criou. Até seus inimigos só são o que são em virtude do que ele é. Maga Patalógica e Madame Min buscam incansavelmente a sorte depositada na moedinha n.º 1 e os Irmãos Metralha não cansam de tentar assaltar a Caixa-forte e tomar conta de toda a fortuna guardada lá dentro.

Comentários

  1. Afff tou encantada pela sua capacidade em escrever sobre tal assunto. Eu nem opinei, pq sinceramente nada entendo de politica e nada pretendo, sei q deveria saber, afinal envolve a nossa vida, mas são coisas q jah estão tão crevadas nessa terra que eu acho q nada adianta tentar mudar. Beijos e feliz dia das mulheres!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Belo Blog, estarei sempre aqui! :)

    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…