Pular para o conteúdo principal

No Hall da Fama



A notícia é: "Uma fã japonesa desembolsou 52 mil dólares (cerca de 90 mil reais) em um leilão para conferir o filme Sexy in the City. Além disso, vai ganhar um par de sapatos Jimmy Choo - grife que já foi usada por Carrie na série - e conhecer a atriz Kristin Davis, a Charlotte." Se o ponto final da notícia fosse aqui, provavelmente, eu iria escrever um longo texto crítico do tipo: "Essa japonesa não sabe que pode doar essa grana toda para instituições de caridade?" Mas a boa notícia é que "a loucura foi por uma boa causa, já que o dinheiro irá para a organização de caridade Oxfam." Bom, diante dos fatos, se eu tivesse essa grana pra gastar e se ela fosse além de um surto de fã, ou seja, se fosse revertida para um bem maior, eu não me contentaria em apenas ver um filme.

Para escrever sobre essa pauta estive pensando se eu tenho algum ídolo. Puts! Eu não me lembro de chorar e colocar faixa na cabeça nem pela Xuxa quando eu era criança, agora então é ruim heim. Têm vários artistas que curto, mas não sou ensandecida por nenhum, pois concordo com meu namorado quando ele diz: "eles são gente como a gente e também vão ao banheiro". Sendo assim, tentei pensar em pessoas famosas que admiro por algum motivo além do profissional. E cheguei à nomes como: Renato Russo, Luciano Huck, Silvio Santos e Deborah Secco. Renato Russo pela visão de mundo já avançada para seu tempo, pela inteligência e bravura; Luciano Huck pela simpatia, simplicidade e carinho com a família; Silvio Santos pelos dois primeiros motivos de Luciano, por ser o maior apresentador de todos os tempos e por ter uma história de vida exemplar; e Deborah Secoo também pelos dois primeiros motivos de Luciano. Tendo isso em vista, tudo que eu pediria pra ter com essas pessoas seria um bom papo. Quem sabe um café da manhã. Talvez até uma entrevista, pra não dizer um interrogatório. Tudo que eu queria era saber que eles realmente se portam como a gente e se tem algo de bom para nos ensinar diante de suas experiências de vida.

Comentários

  1. hauhauah tbm tenho tpm, td(urante)m e tD(epois)m hauhauahuahuahuha eh uma semana de sofrimento pra mim e pro pessoal á minha volta hauhauahuha bjoooosss

    ResponderExcluir
  2. Eu tambem não tenho nenhum ídolo que sou fanatica...
    mas minha mae diz a mesma coisa, eles são NORMAIS, pra que isso?

    Um bom papo eu queria ter com os cantores das bandaaaas!!

    alex turner e julian casablancas!!

    ResponderExcluir
  3. tiago medina08/04/2008 18:30

    Fã é fã, Tássia. Se ela tem essa grana e quer gastar pra ver filme, deixa ela, oras. Além disso, disseram que ela não dá dinheiro a caridade?
    Outra coisa, vira minha fã que tu ganha mais. E, se eu estiver de bom humor, te pago uma janta!

    ResponderExcluir
  4. Eu teria que fazer uma sessão espírita, pois muitos dos que eu tenho profunda admiração já morreram. Darcy Ribeiro, Oscar Wilde, Isac Newton, Max Weber...

    ResponderExcluir
  5. Ahhh eu queria mas era participar de algo mesmo com o meu artista e naum ficar babando ele!

    Fazia tempo q eu naum visitava aki, tá tudo lindo de cara nova. ;)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …
Infância roubada

Crianças. Será que ainda existem? Em que momento a infância termina, nos dias de hoje? Eu deixei de ser criança parcialmente aos 12 anos, quando achei que as festinhas com a turma eram bem mais divertidas que as bonecas. Mas eu senti a chegada da adolescência normalmente. Percebi que meus interesses estavam mudando, assim como os da maioria dos meus amigos. Foi um processo natural e saudável. Mesmo virando adolescente nunca deixei de agir feito uma criança boba de vez em quando pra me divertir. O ideal é nunca deixarmos de ser crianças, nem que seja um pouquinho só. Mas esse foi o meu jeito de crescer. A maneira como as crianças crescem agora, é muito diferente.

As meninas largam as bonecas bem antes dos 12. Descobrem que é mais interessante maquiar a si mesmas do que maquiar rostos de plástico; As músicas que escutam não são mais ao estilo Chiquititas, Xuxa ou Balão Mágico. Agora a moda é ouvir Rebeldes (que não são órfãs vestidas de forma comportada, mas sim meninas q…