Pular para o conteúdo principal

Eu e o Orkut. Uma história mal resolvida...


Quando nós terminamos nosso relacionamento, eu e o Orkut, confesso que não fiquei muito abalada. Nosso namoro durou pouco tempo e, portanto, nossos laços afetivos não eram tão fortes ainda. Além do mais, ele não era tão atraente e tentador como é hoje. É justamente devido à essa mudança dele que, admito, às vezes, tenho minhas recaídas. E como ele ainda sente atração por mim, com frequência rola aquele "remember". Entretanto, em certos momentos, eu me contenho e passo por ele fingindo que nem vi. Viro a cara, finjo indiferença. Isso porque sei que ele, apesar de sedutor, é traiçoeiro, falso e fingido.

Atualmente, somos apenas bons amigos. Ele sempre tem novidades pra me contar. Me atualiza sobre as fofocas de afetos e desafetos. Me previne contra possíveis furadas e enrolações pelas quais posso passar e por aí vai. E isso tudo, mesmo que eu não faça mais parte dele. Devido à nossa amizade, hoje percebo que, há quase quatro anos, quando acabamos, tomei a decisão certa. Ele era invasivo demais. Tirava minha privacidade, transformando minha vida num livro aberto. Também me magoava, me mentia e me tratava igual a todo mundo. Pra ele eu era apenas mais uma pra aumentar seu número de "amigos", onde mais da metade não passava de conhecidos.

Apesar de tudo, após o nosso término, foi ele quem me ensinou (e admitiu) que, como futura jornalista que sou, eu tinha o total direito de invadir sua privacidade sem que ele invadisse a minha. Sendo assim, me dei o direito de fuçar o Orkut alheio e deixar os curiosos de plantão procurando o meu perfil sem sucesso (Se os outros tinham orkuts é porque queriam expôr suas vidas. Eu como não tinha, é porque, pelo menos naquele momento, queria preservar a minha). Ele também admitiu que era frio demais pra amar alguém, que gostava mesmo era de fofocas e intrigas, que não conseguia evitar.

No fim das contas, a minha história junto ao Orkut sempre foi mal resolvida. Eu deixei ele, mas ele nunca me deixou...

Comentários

  1. Até tenho orkut mais não vou muito com a cara dele não. Antes de descobri os blogs, era orkuteiro de plantão. Gostava dos debates nas comu de debates que participava, mas perdi o "T" quando tive discurssões feias com determindas pessoas por la. Depois desse fato, quis deletar mais acabei que deixei lá. Volta e meia entro, mas não é mais a mesma coisa. Bjus e bfs.

    http://so-pensando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Que post intenso !!! *-*
    Amei ...
    Ah, valeu pelo elogio à minha composição, fiquei curiosa para conhecer as suas.
    Beijo =*

    ResponderExcluir
  3. Hehe tudo bem, oq veio antes eram apenas momentos... oq vai ter continuidade vai ser a partir dessa parte q vc leu ^^

    bjoo

    ResponderExcluir
  4. como sempre, adoro ler seus pensamentos.
    ah, respondendo ao teu post em meu blog, nossa.. não tens noção da vontade que tenho de voltar para Porto! Sobre o jornalismo, acho que todos queremos seguir o ramo independente né asjkfhaskhfahfaf
    beijããão, conterrânea :)

    ResponderExcluir
  5. Boa semana pra tu. Bjus.

    http://so-pensando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. ilarioooooooooo
    ri akiee e adoreei esse post amore :)




    ;*

    ResponderExcluir
  7. Orkut..algumas vezes um amigoo maravulhoso e em outros o pior inimigo!
    Mas eu gostoo muitoo delee msm assim!

    ResponderExcluir
  8. Postei um texto no O Arroto. Passa lá e deixa seu comentário. Bjus.

    http://so-pensando.blogspot.com

    http://o-arrotoooo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. é bom tu ter se afastado, porque alem dele gostar de intrigas ele é uma grande droga que vicia :/

    ResponderExcluir
  10. me formar em quê? askjfkasf de qualquer forma, não estou prestes a me formar em nada, eu estou no 1º ano do ensino médio! mas sou louca pra voltar pra porto, sim, não existe lugar melhor no mundo! por que quer sair dai? beijão!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…