Pular para o conteúdo principal

"Jogado aos seus pés, eu sou mesmo EXAGERADO.."

Pauta da vez: Amor obsessivo. Taí um assunto que não sai de moda. Mas pra falar dele não posso deixar de citar dois trechos de duas músicas que retratam muito bem esse tipo de amor, na minha opinião: "Te amar de mais só me fez mal, só me fez sofrer. Te quis tanto que nem quis viver pra mim. Era como um sonho te querer. Pra te ver feliz desenhei o mundo que você mais quis. Eu sofri demais, mas aprendi, que meu erro foi me dar demais assim.." e "Metade de mim te ama e te adora. Outra metade de mim precisa ir embora. Estou com medo de ser feliz outra vez porque dói, dói, ficar sem você aqui... Aí eu me afasto e tento me distrair, pensar noutra coisa pra não me trair, sair com você pela última vez. Como esquecer tudo que a gente fez?". Gosto das letras, pois elas retratam com fidelidade os muitos casos em que o amor gera mais lágrimas do que sorrisos. E, é devido à essas oscilações no relacionamento, que surge aquela dúvida crucial: É isso mesmo que planejei pra mim?

Sinceramente, acho que quando a gente ama, querendo ou não, acabamos abrindo mão de certas coisas pra agradar a pessoa amada. Foi assim comigo e com meu namorado também. Se a gente ama de verdade, fazemos certos sacrifícios pelo outro e não há nada de errado nisso. Cada um se entrega ao amor da maneira que julga melhor, e os outros que pensem o que quiserem, pois o que importa é o que o casal sente um pelo outro. Obsessão? Talvez. Mas eu prefiro usar o termo Paixão.

O lado ruim do amor obsessivo é que sempre rola aquele momento de incerteza. Aquele momento em que a gente já não sabe se somos almas gêmeas um do outro ou se no fundo somos completamente diferentes, a ponto de cada um seguir seu rumo. Muita gente já me disse que meu namoro é ruim, mas muita gente também me disse que nascemos um pro outro. Então acho que é melhor não pedir opinião sobre esse assunto, né? Têm certas decisões que só cabem a nós mesmos. Seguir a razão? Talvez. Mas cá entre nós, o coração tem super poderes e sempre toma a dianteira da situação, mesmo que a gente não queira.

Mas de uma coisa você pode ter certeza. Você saberá a hora certa de dedicar seu amor exclusivamente a você se o outro não o merecer. Vai bater aquele "clic" e você saberá o que fazer. Não são amigos nem inimgos que vão lhe dizer se esse amor lhe faz bem ou mal. Só você sabe o que você sente e se vale a pena se entregar ou não à essa paixão. Portanto, ame do jeito que você quiser. Pois como diria Cazuza: "o nosso amor a gente inventa".

Comentários

  1. De começo demorei a perceber quem era a pessoa idea a receber meu carinho, meu amor e minha atenção.
    Hoje , já não tenho mais duvidas.

    amo como amo o amor, sem limites, nem restrições...



    Beijus..adorei o post

    ResponderExcluir
  2. Paixão obsessiva é destruitiva... Deus me livre ter isso de novo hauhaua Bjoo

    ResponderExcluir
  3. Acredito que a medida de um bom relacionamento está em cada um respeitar o espaço de cada um. Sinceramente, não sou muito chegado a "relacionamentos grudentos", em que eu tenha que dizer todos os meus passos; a chave do bom entendimento está na confiança, sem isso, não há amor que aguente. Bjus.

    http://so-pensando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. muitoo b0oom mesmoo ese texo auhauhauha :)


    http://imensidadx3.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Passei por aqui para responder sua pergunta sobre a postagem do meu blog, é minha composição sim ... o quê achou ? =)
    Beijo =*

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho medo desse tipo de coisa, é quase como perder a noção do mundo simplesmente por culpa de outro ser humano. Prefiro morrer sozinha a amar assim.

    ResponderExcluir
  7. Adoreii o texto!
    Concorso cada um tem que amar do seu jeito é o melhor a fazer!

    ResponderExcluir
  8. Eu nunca tive um amor obsessivo, acho que nunca senti amor mesmo, por alguém. Vou seguir as dicas, gosto de inventar, gosto de me apaixonar por coisas novas.
    Se for pra quebrar a cara, é como você disse, vai bater aquele clic ;)

    Beeeeeeeeeeeeeeijooos !

    ResponderExcluir
  9. Já passei por algo beim parecidoo quase mi perdii de mim msma por causa de um canalha ki naum tava neim aii pa mim!
    ainda beiim ki um dia agente acorda ê vê como tudo isso é um completo ridiculo!
    Adorei seu Blog!
    se der passa lah no meu!
    te add nos meus blogs favoritos
    tah Show!
    Bay

    ResponderExcluir
  10. Obsessão é ruim quando faz mal...o q quase toda vez é uma consequência

    Beijoos! Amo aqui ;*

    ResponderExcluir
  11. é incrivel como eu amo ler seus textos,eles são inteligentes , dinâmicos,parabéns mesmo ! beijos :**

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…