Pular para o conteúdo principal
Minha causa é ser feliz...e a sua?

Os jovens de antigamente viviam suas vidas em torno de uma causa. Geralmente, uma causa social, ambiental ou política. Enfim, uma causa em pról da humanidade. Atualmente, a causa maior dos jovens é ter as melhores futilidades do mercado. Salvo, raras exceções. Viver a vida sem lutar por uma causa é aceitável, mas muito conformista, ao meu ver. Vale ressaltar que ter atos generosos não significa que você tenha uma causa generosa. Tu podes viver uma via toda fazendo o bem aos outros, mas se esses gestos não fizerem parte de uma causa sua, eles não serão nada além de gestos espontâneos com uma finalidade momentânea, um prazer instantâneo, uma batalha ganha, mas uma guerra sem fim. Não estou dizendo que não devemos fazer o bem, pelo contrário. Estou dizendo que se é pra fazer o bem que seja por uma causa. Que essa seja a causa de sua vida. "Eu faço o bem, porque faz bem aos outros e a mim também". Isso já é uma causa.

A minha causa é a felicidade e tudo que é necessário para se chegar até ela. Minha, da minha família, dos meus conhecidos, dos meus amigos e até dos meus inimigos (sim, porque se eles forem felizes, provavelmente não terão tempo de atrapalhar minha felicidade). A cada dia que acordo, busco ser feliz e fazer o dia de alguém mais feliz. Causa difícil a minha, e talvez a mesma de quase toda população mundial. Talvez a missão prioritária que Deus deu a cada um. É uma causa nobre lutar pela felicidade da sociedade, mas uma causa difícil. Acredito que para que haja felicidade geral é necessário antes de mais nada RESPEITO. Respeito sim. Respeitar a individualidade de cada um é essencial. Quando respeitamos, podemos exigir respeito. O respeito é a base para que haja paz na sociedade. Por isso, sonho com o dia em que maridos vão respeitar suas esposas, noivas, namoradas. Vão ser leais à elas, já que as escolheram para ficar ao seu lado e vice-versa. Sonho com o dia em que os mais velhos serão respeitados, assim como as grávidas, os deficientes físicos, os homossexuais, e qualquer ser humano. O respeito é o primeiro passo que se dá rumo à felicidade.

Depois do respeito vem sua irmâ gêmea: a Educação. O bom dia ao vizinho, ao porteiro, ao guardinha, ao motorista de ônibus, ao padeiro, ao vendedor, ao desconhecido que é tão igual a gente. E depois disso vem a prima deles: a Distância. Saber respeitar o espaço daquele que por algum motivo não quer ser invadido. O ser humano não nasceu perfeito. Não sabe perdoar sempre, não sabe amar sempre. Às vezes, ele sabe ser solidário com um mendigo, mas não sabe perdoar o irmão ou um desafeto. Então, nada mais fácil e conveniente do que manter distância. E então voltamos ao nosso amigo Respeito. O respeito à individualidade de cada um para que aprendamos a viver em sociedade. Para que a vida em sociedade seja mais pacífica e por consequência feliz, pois não há felicidade sem paz!


P.S: Com certeza esse texto não vai pra Capricho, ficou filosófico demais, mas não consegui fugir disso! Sorry!

Comentários

  1. mas olha quem eu achei!
    Quanto tempo guria!
    Sim, tô indo em novembro. =)
    beijo pra ti.

    ResponderExcluir
  2. O problema está na falta de ideal... Esse modo de viver, alieana a tudo que está a sua volta, me faz ter medo do futuro. Um bando de gente sem mentalidade, ideários, vivendo a vida só por viver. Pra essa gente, ser feliz é ver BBB, ir pra balada e o resto que se foda! Tenho pena de gente assim... E que bom que vc é uma guria esperta, antena e inteligente, em pessoas como vc que ainda penso que há luz no final do túneo. Bjus.

    http://so-pensando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Filosófico mas sincero!!
    Com respeito, educação e distância, as guerras acabariam!
    AS pessoas talvez assim coseguiriam chegar mais perto da felicidade plena.
    Mas um tanto utópico achar que essa sociedade um dia vai existir!

    ResponderExcluir
  4. O grande ideal da minha vida é ser qualquer coisa que me deixe feliz..esse é concerteza o maior sonho de todo mundo!

    ResponderExcluir
  5. Concordo com a linguaruda acima: acredito que ser feliz é a causa de todo mundo - o problema é que alguns utilizam uma forma estranha de conquistá-la.

    E eu sabia que te conhecia de algum lugar. A primeira vez que entrei no teu blog eu fiquei me perguntando de onde que te conhecia, mas não soube.

    Não tô lembrando de ti na Uni, nem lembro de qual Ju tu tá falando - tenho muitas Jus na minha vida, hehehe - mas pelo menos agora sei de onde lembro do teu rosto.

    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Ah, e não te achei no orkut também. =P

    ResponderExcluir
  7. Têm prêmio pra ti no Só Pensando. Bjus.

    http://so-pensando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. tá certissima..
    a maior causa que é a felicidade, muitos não procuram lutar por pensar antes nos inumeros obstáculos que podem achar pelo caminho..
    pura balela!
    deve-se batalhar pelo que se quer!
    ^^

    ResponderExcluir
  9. tiago medina24/09/2008 18:01

    tu é meio filosófica por natureza, Tássia!
    Quando acabar teu curso de web pode contar comigo. Aliás, como sempre, quando te deixei na mão?

    beijos

    ResponderExcluir
  10. Respeito e educação.

    é tudo o que a humanidade precisa pra ir pra frente, mas infelizmente parece que as pessoas esqueceram desse tipo de coisa, o que me dá RAIVA demais.

    ótimo texto :D

    beiiijos

    ResponderExcluir
  11. Lindo e hei de concordar com tudo! Estamos tão atarefados ultimamente que deixamos a felicidade como uma coisa a ser conquistada de formas complicadas, o que naum é verdade. Basta ter mais sutileza na vida.

    ResponderExcluir
  12. Ahh ! Quando você disse de falar bom dia pro porteiro, motorista de ônibus, eu lembrei de uma vez. Eu sou dependente do ttransporte coletivo, então sei de cór todos os motoristas, e tem um no meu período de ir pro curso que era novo, mas ah, sempre dei o maior sorriso pra ele, pra fazer amizade tal, e um dia ele falou pra mim que eu era tão simpática, diferente de muitas pessoas que passavam e nem se improtavam com ele, e afinal, ele é o cara que te leva pro seu destino. Eu fiquei muito felizes, porque pequenas causas, geram grandes mudanças... ahahaha, beem filosófica essa pauta, não tem como.

    Beeeeijos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…
Infância roubada

Crianças. Será que ainda existem? Em que momento a infância termina, nos dias de hoje? Eu deixei de ser criança parcialmente aos 12 anos, quando achei que as festinhas com a turma eram bem mais divertidas que as bonecas. Mas eu senti a chegada da adolescência normalmente. Percebi que meus interesses estavam mudando, assim como os da maioria dos meus amigos. Foi um processo natural e saudável. Mesmo virando adolescente nunca deixei de agir feito uma criança boba de vez em quando pra me divertir. O ideal é nunca deixarmos de ser crianças, nem que seja um pouquinho só. Mas esse foi o meu jeito de crescer. A maneira como as crianças crescem agora, é muito diferente.

As meninas largam as bonecas bem antes dos 12. Descobrem que é mais interessante maquiar a si mesmas do que maquiar rostos de plástico; As músicas que escutam não são mais ao estilo Chiquititas, Xuxa ou Balão Mágico. Agora a moda é ouvir Rebeldes (que não são órfãs vestidas de forma comportada, mas sim meninas q…

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…