Pular para o conteúdo principal
A PROVA É DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS, MAS ESCOLHA APENAS UMA OPÇÃO.

Certa vez meu chefe disse que eu devia me clonar. Concordo plenamente. Concordo, porque sou muito útil. No trabalho sou boa profissional, só nos dias que estou a fim de ser, é claro. Na faculdade sou boa aluna. Em casa... melhor não falar. Mas, acima de tudo, sou muito útil a mim mesma. Posso dizer que sou minha alma gêmea. Me completo. Mas não me dou por satisfeita. Quero sempre mais. Adoraria me clonar pelo simples fato de querer ser várias pessoas ao mesmo tempo (sendo que nem sei quem eu mesma sou por inteiro). Não digo fisicamente. Falo das minhas vontades e desejos menos superficiais. Uma vez, através de um livro da Carol Teixeira, descobri a ótima frase de Gide que traduz meus anseios mais íntimos “entre cem caminhos, a gente tem que escolher apenas um e viver com a nostalgia dos outros 99”. É injusto ter que escolher apenas um, pois, a partir do momento que o escolhemos, estamos abdicando dos outros 99.

Várias vezes me pego pensando em quantas coisas ainda quero fazer, mas não sei se terei tempo. Primeiro, porque não sei até quando viverei. Segundo, porque tenho que cumprir obrigações que anulam a satisfação das minhas vontades. E terceiro, porque quero muita coisa ao mesmo tempo. Será que minha condenação é a de ser apenas uma coisa em cada encarnação? Quero ser música, tocar meu violão que ainda não aprendi em pequenos bares e pubs à noite. Ouvir o som das cordas e a minha voz baixa para me tranqüilizar, sozinha no meu quarto ou rodeada de bons amigos. Me libertar através do meu som; Quero viajar pelo mundo. Levar somente uma mochila nas costas. Colecionar expectativas, ir em busca do desconhecido, desorganizar minha vida, não planejar o próximo passo; Quero aprender pelo menos duas línguas mais profundamente. O básico não me basta. Tenho que entender muito bem o que falam e o que escrevem noutros países. Quantos livros e filmes bons estou deixando de consumir por não haverem traduções pra minha língua? Sinto urgência em traduzir o que estou perdendo; Quero me sentir bonita todos os dias. Perder essa preguiça que tenho de me arrumar e de vez em quando deixar meus tênis no armário; Quero ser dançarina. Aprender todas as danças possíveis. Me sentir livre, leve e solta através da leveza do meu corpo; Quero ser atriz. Fazer da vida uma ficção, porque a ficção sempre é mais bela; Quero respirar arte por onde ando. Viver das palavras e das imagens. Entender que não existe feiúra, pois o melhor do presente é quando desembrulhamos o pacote; Quero aprender a nadar direito, surfar sem medo, andar de moto em uma infinita highway, dirigir tranqüilamente, guiar um jet sky num dia lindo de sol, rodar a cidade em cima de um skate, um patins ou uma bicicleta. E quem sabe até... voar de asa delta.

“Quando eu me aposentar eu vou fazer tudo que eu queria ter feito” - engana-se o bom velhinho quando diz essas palavras. Quando ele se aposentar, provavelmente vai gastar boa parte do seu tempo com netos, missas, trabalhos comunitários, problemas alheios, ajuda financeira à família desajustada, reuniões familiares e etc. Por que precisamos esperar a velhice para viver a vida? E se a velhice não chegar? Me sinto impotente. Quero tudo, mas não faço nada. Me auto-aprisiono, não me permito, me algemo. Tenho o poder de querer, de sonhar, mas sou impotente, pois não saio do lugar e a culpa é somente minha que ainda não aprendi a ser livre, pois nasci presa a convenções e não me libertei delas ainda. Bem dizem os Saltimbancos: “Nós gatos já nascemos pobres, porém já nascemos livres”. Ah, se eu fosse um gato...

Comentários

  1. Essa é a vida vocÊ só pode ter uma,seria maravilhoso se pudessemso ter uma s100..aiai fico imaginando e sinto realmente um nostalgia das outras 99 !e sei que não é poss´vel viver em uma vida tudo o que eu quero viver,mas na 100 davaa !
    kkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. eu tbm quero tudo e nao faço nada! de vez enqnd bate uma deprê, q o tempo passa, as horas passam e eu volto sempre para o mesmo lugar! quem dera eu, de uma hora p outra viajar p um lugar sem compromissos, sem aviso! seria mto bom, mas nao dá pq segunda-feira tenho q trabalhar! aff... um dia simplesmente enloqueço! e me jogo no vento.. hehe
    ameii esse texto!! é realidade..

    ResponderExcluir
  3. O básico não me basta.
    O basico é para aqueles que se acomodamcom tudol, os preguiçosos neh xd
    ameeei seu post xd


    beejoo

    ResponderExcluir
  4. O difícil da vida é exatamente a tal escolha certa, e principalmenete, o lidar com a certeza inequívoca e certa de que não se pode ter tudo. Bjus e boa semana.

    http://so-pensando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Gosto das coisa básicas da vida...mas não sou conformista!!!

    Devemos lutar pelos nossos objetivos e almejar um futuro bom!

    quem fica parado é poste!

    adorei o post de hje!!!
    bjs

    ResponderExcluir
  6. A gente acaba deixando sonhos para depois, uns porque são muito complicados outros porque são muito simples. Acabei de ver uma foto sua aí do lado, virando estrelinha. Sempre quis aprender, mas desde os 10 anos eu deixo pra depois.
    Sonhos a gente sempre tem, mas tomar a decisão de realizá-los é outra coisa.
    Bjos.
    PS: Adoro o visual do seu blog.

    ResponderExcluir
  7. Nossa eu passei rapidinho aqui através do o arroto mas depois passo aqui para ler mais eu gostei do post "minha causa é ser feliz", mas eu quero primeiro ler mais...
    Depois eu venho tá!!

    ResponderExcluir
  8. Gostei, descontraido e um visual interessante.

    O Equilibrador de Pratos: textos sobre relacionamento afetivo, histórias, teorias, personagens reais e ficção. Como acabar um namoro - No inicio tudo perfeito, a cara metade, o amor da vida toda e o pensamento “felizes para sempre”, parece feito para definir vocês juntos.
    Porém com a convivência, os chavões românticos começam a ficar sem sentido e o fim inevitável. Gostou do trecho? Entra no blog.
    Hannibal

    ResponderExcluir
  9. Cara eu sou muito, muito ansiosa e por conta disso naum tento planejar muita coisa, posso ficar louca.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…
Infância roubada

Crianças. Será que ainda existem? Em que momento a infância termina, nos dias de hoje? Eu deixei de ser criança parcialmente aos 12 anos, quando achei que as festinhas com a turma eram bem mais divertidas que as bonecas. Mas eu senti a chegada da adolescência normalmente. Percebi que meus interesses estavam mudando, assim como os da maioria dos meus amigos. Foi um processo natural e saudável. Mesmo virando adolescente nunca deixei de agir feito uma criança boba de vez em quando pra me divertir. O ideal é nunca deixarmos de ser crianças, nem que seja um pouquinho só. Mas esse foi o meu jeito de crescer. A maneira como as crianças crescem agora, é muito diferente.

As meninas largam as bonecas bem antes dos 12. Descobrem que é mais interessante maquiar a si mesmas do que maquiar rostos de plástico; As músicas que escutam não são mais ao estilo Chiquititas, Xuxa ou Balão Mágico. Agora a moda é ouvir Rebeldes (que não são órfãs vestidas de forma comportada, mas sim meninas q…

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…