Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2008

Nada além do que me interessa...

Quero o vento soprando no meu rosto em dia de sol ardente. Quero um banho de cachoeira pra aliviar minha mente. Quero minha pele bronzeando enquanto pingos de suor escorrem entre minhas pernas e seios. Quero que brote inspiração de meus meros devaneios. Quero o som do violão e uma voz suave cantando baixinho. Quero a luz da lua sobre nós com cafuné, abraços e beijinhos. Quero ver cães livres na praça. Quero ver crianças fazendo graça. Quero noite e amanhecer. Quero não ter nada a temer. Quero respirar arte e cultura. Quero viver a vida sem frescura. Quero respirar fundo e sorrir depois. Quero que o mundo se resuma a nós dois. Quero achar a razão da vida. Quero curar minha ferida. Quero pesssoas de quem gosto ao meu redor. Quero o que a vida me reserva de melhor. Não quero dó, nem piedade. Quero paixão e felicidade. Quero o mar. Quero chorar de rir e rir de chorar. Quero reggae, samba e rocknroll. Quero sexo, mas também quero amor. Quero tudo o que posso querer. Quero mais que tudo apr…

Convenções Sociais = Hipocrisia

Sabe o que eu mais odeio nessa vida depois da falsidade, da infidelidade e da futilidade? O calendário. Isso mesmo. Aquele que fica nas agendas, nas paredes, nos computadores e nos marcadores de páginas. Aquele, que tal como o relógio, se espalha por todos os cantos feito peste. Aquele que fica nos lembrando que temos prazos a cumprir, obrigações, dias de vida que passam rápido ou devagar demais e convenções impostas por datas e feriados. É principalmente à estas últimas que me refiro. À essas datas sagradas que não considero tão sagradas assim.

Vejamos o natal por exemplo. Em certas famílias é inadimissível passar o natal distante dos parentes. Eu pergunto: - Por quê? Natal não era pra ser uma dia de reflexão sobre o nascimento de Cristo? E quem lembra disso? Poucos. O que importa nessa data é trocar presentes e reunir a família. Mas precisa haver uma data pra reunir a família? Será que a família não pode se reunir em quaisquer fins de semana? O amor fraterno só pode ser demonstrado …

Para Carol...

Por Carol Martins


Estrela Amiga Senhora, Senhora do Amor Não fique assim Não quero ver o seu fim Goste de você E não de mim
Chorar não vai adiantar Enxugo suas lágrimas Se você de mim precisar Mas pare para pensar A vida é amizade É amar de verdade É na realidade, momentos de felicidade
Então, cuide de você Cuide de quem gosta de você Goste de quem ama você Ame quem ti dá liberdade E luta com muita humildade
Pode ter certeza Isso eu sei É o que mais deseja O mundo dá voltas E por isso vou te pedir Pra você levantar e seguir Mas nunca esquecer de sorrir
Senhora, Senhora do Amor Viver é a arte do amanhecer Juntas poderemos vencer Por você vale a pena dizer Vendo o que for Seja no nascer ou no pôr
Ti ver sorrir É o que mi faz sentir Eles ti magoarão Você tem que dar o perdão Na vida nada se perde Apenas muda de dono Seja no Verão ou no Outono
Se minha missão é amenizar sua dor Te peço!Por favor Que nossa amizade Dure tanto no frio quanto no calor É bem mais fácil quando estamos juntas A vida é assim Coisas vão para outras virem M…

Off mundo, on vida...On mundo, off vida.

Jogados pelo meu quarto, três livros por ler. À frente de uma estante cheia de autores fascinantes na biblioteca da faculdade (em plena sexta-feira), não resisti. Apesar dos vários trabalhos por fazer no fim de semana, cometi o disparate de alugá-los. Por culpa exclusivamente minha, essa semana vou pro trabalho lendo os poemas do Caderno H, do meu bom e sábio velhinho Mário Quintana. Antes de dormir, leio Felicidade Clandestina da melancólica e misteriosa Clarice Linspector. Tomando um sol na praça, leio Morangos Mofados de um autor que estou aprendendo a amar também, Caio Fernando Abreu. Na minha lista de livros por ler, ainda me esperam naquela estante Rubem Fonseca, Fernanda Young, Maria Adelaide Amaral, Milan Kudera, Martha Medeiros, Nelson Rodrigues, Paulo Coelho, Gay Talese, John Fante, Mitch Albom, Cláudia Tajes, Paulo Francis, Clarah Averbuch, Carol Teixeira, Charles Kiefer, Lucinha Lins e por aí vai meu ecletismo literário, tal como em tudo na minha vida.
Enquanto esses autor…

Uma tendência extremamente moderna

O que lhe vem à cabeça quando o assunto é óculos ? Um acessório que a cada dia aparece mais moderno, que traz estilo, além de proteger sua visão, ou um objeto ideal para enfeiar o rosto de uma pessoa? Se você escolheu a alternativa dois, trate de se reciclar, está na hora de rever seus conceitos!

Já foi o tempo que usar óculos era sinônimo de ser o(a) esquisito(a) do grupo. Este objeto, antes reservado somente aos pobres míopes e hipermétropes passou a constar na lista de acessórios indispensáveis. A lente de contato (salvação para os que detestam os óculos), hoje está um pouco de lado. E não é por desconforto, ou pelo trabalho que este recurso pede, mas sim, pelo simples fato de que, usar óculos é moderno! O óculos alia estilo, realça o rosto, dá um “tcham” na sua produção e, em algumas situações, tem o poder de trazer seriedade e credibilidade a um indivíduo. O enfoque está diferente, e esta peça deixou de ser necessidade, para virar objeto de desejo.
E quem almeja um ar intelectual, …

Perfil Cláudio Cunha

Cláudio Cunha, 38 anos, natural de Santana do Livramento, nutre uma paixão pela música desde criança. Essa paixão levou-o até seu posto atual na Ipanema. No comando de cinco programas, todos de estilos diferenciados, ele é peça-chave na programação da rádio.

Ouvinte assídua do programa Reggae Dub, Manuela Albuquerque, 20 anos, confessa não passar um sábado sem ouvir Cláudio Cunha na Ipanema. “Todo o sábado eu escuto o Cláudio tomando um chimarrãozinho, se vou viajar, sempre escuto no rádio do carro, sei lá, é minha companhia no sábado”.Quando criança, Claudio costumava subir o morro e ir até a rádio levar seus discos e dar seus pitacos de ouvinte, além de participar constantemente pelo telefone.

Nos anos 80, já cursando jornalismo na Unisinos, Cláudio encontrou, na badalada boate Garagem Hermética, a radialista Kátia Suman, que notou seu interesse e o convidou a trabalhar como operador de áudio na Ipanema. “Conheci o Claudio quando ele tinha apenas 15 anos, desde cedo percebi seu inter…

Escondendo o pó debaixo do tapete...

Dentes amarelos. Conversas sem interesse mútuo. Beijos, abraços, sorrisos... falsos. Insultos presos na garganta. Disfarce. Pra que isso? Por que isso? Não é mais fácil virar o rosto? Fingir que não viu? Ignorar? Ou ainda, não é mais fácil falar tudo o que se pensa e acabar de uma vez por todas com o fingimento?
Ah, a sociedade! Sempre a sociedade e suas malditas convenções. "É falta de respeito", "Mantenha a classe", "Não baixe o nível". "Seja cínica também". Blá, blá, blá. Não consigo pensar assim. Quando o sangue ferve, tô pouco me importando com minha elegância. Deselegante pra mim é quem não tem atitude. É quem baixa a cabeça e diz amém ou às ordens. Quero mais é gritar pra Deus e pro mundo que se foda. Quero ser livre pra dizer que odeio (e que amo). Livre pra dizer: sai daqui que não vou com tua cara, dá licença que tua presença me irrita, tô incomodada e por isso estou me retirando. Quero dar voz aos meus pensamentos sem medo de repressá…

Castelo de Areia

Perder a hora conversando com a turma na Parcão, na Encol ou na Redenção. Tomar um chimas sentada na grama em meio à gargalhadas sem fim. Ficar na praia desde o nascer até o pôr do sol sentindo a pele queimar, o vento soprar e a água refrescar. Prestar atenção nas estrelas, na lua e no mar ao ouvir as batidas suaves do violão com a turma cantando um reggae num luau à beira-mar. Olhar a fogueira no meio da roda sem pensar em nada, deixando os olhos queimarem junto com ela. O som acalmando e esquentando junto com o fogo. E, mesmo assim, sentir aquela brisa provocando um arrepio ao entrar em baixo da blusa pelas costas. Sair de noite e só voltar de dia. Dormir na areia e acordar com o sol na cara. Cantar na beira da praia sem ligar pros outros. Dançar com salto 15 e os pés cheios de bolhas. Tirar a sandália só pra não parar de dançar. Ser a personagem principal da festa ao se tornar a melhor dançarina da pista, mesmo que tenha aprendido a dançar naquela mesma noite. Se olhar no espelho n…

Cada louco com sua mania

Tenho uma mania nada aconselhável de ler enquanto caminho. Ao sair de casa, já abro um livro. Passeio com minha cadela, vou pra faculdade, pro trabalho, pra qualquer canto, lendo. No meu condomínio devo ser conhecida como a menina que “anda lendo”, pois se, por um acaso, não o faço, meus vizinhos ou os guardinhas já exclamam algo do tipo “ué”. Só paro de ler para atravessar a rua. E acreditem, nunca pisei em cocô (o que não seria o fim do mundo né? Dizem que dá sorte). Muitos carros buzinam pensando que vou atravessar a rua sem olhar. Sou louca, mas não sou suicida.

Como qualquer ser humano normal seria mais convencional caminhar ouvindo música. Mas ser normal é chato. Prefiro ser exceção (eu escuto música também, não sou tão anormal assim).

Enfim, por que tenho essa mania? É que cada vez que alugo ou compro um livro tenho ânsia de devorá-lo. Quero consumi-lo o quanto antes. É um vício, tal como ver um filme ou comer chocolate. Não gosto de pausas nesses momentos. Também leio até cair d…

Words are all I have

Quando falo, sou uma. Quando escrevo, sou outra. Quando falo sou mais enérgica, espontânea, às vezes, irracional. Penso e falo ao mesmo tempo, não meço palavras. Com certas frases, causo danos irreversíveis. Passo dos limites (mas quais são os limites?). Quando escrevo sou mais intensa, profunda, consciente, madura, sensata até. Talvez uma versão melhorada do “eu tagarela”. Mas como metamorfose ambulante que sou, em alguns momentos, meu eu escrevendo e meu eu falando trocam de papéis e ao expor meu ponto de vista até o papel treme com tamanha astúcia, enquanto a pessoa com quem falo se surpreende com minha fala mansa tão rara. Sou autêntica das duas formas, mas sempre de formas diferentes. Você não me entende? Eu então, muito menos. Escrevo e falo pra me autocompreender, espero que compreendas.

Ao menos sei que a escrita me oferece vantagens em relação à fala. Quando falo nem sempre posso voltar atrás. Olho no olho é difícil, pode causar vermelhidão e gagueira. Quando escrevo posso. Ap…

Mário Quintana - A Poesia do Cotidiano

Se você odeia poesia, por favor, leia. Tenho certeza que vai passar a amar.



Nos poemas do Mário sempre encontro algo que traduza meus sentimentos e pensamentos. Sempre encontro algo que me traduza. E, por isso, foi impossível não me apaixonar por ele. Nunca imaginei que eu citaria poemas em meio à conversas, mas, ao prosear com grandes leitores e apreciadores dele, vi que completar uma poesia que começou sendo declamada por outro ou até declamá-la em uma só voz não são cenas exclusivas de filmes.

“ACIDENTES

O despertador é um acidente de tráfego do sono. Mas é um só. Ao passo que durante o dia somos a toda hora sinistrados pelos telefones.”

“CARTAZ PARA UMA FEIRA DO LIVRO

Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não lêem”

“DOS EXTREMOS

Os cisnes, de tão elegantes, de tão heráldicos e serenos e decorativos, a gente acaba achando –os chatos como patos...”

“PAISAGÍSTICA

O conforto, a higiene, sim...No entanto, um ranchinho de barro e sapé vai muito melhor com a paisagem.
Um ranchi…

Pergunta complicada, fica sem resposta.

Pergunta que a Capricho fez para as blogueiras: Qual o melhor presente que você gostaria de ganhar nesse natal? Nunca demorei tanto para responder uma pergunta. Nem de física, nem de química e nem de matemática. Não só demorei, como estou aqui para dizer que não sei a resposta ainda e talvez não a saiba tão cedo.
O Natal causa uma mistura de sentimentos dentro de mim que nem ao menos sei explicar. Me trás lembranças boas e ruins. E me faz pensar em várias coisas que as pessoas esquecem e das quais já falei milhares de vezes nesse blog. Não sou muito fã do natal e, portanto, seria contraditório querer me presentear nessa data.
E, mesmo que eu respondesse a essa pergunta, não seria uma resposta única. Seriam várias. Provavelmente eu iria querer me dar de presente coisas materiais, como um carro, um ap só pra mim, uma viagem de dois meses em uma praia linda no exterior, um armário cheinho e uma conta cheia. Mas também iria pedir paz, amor, tranquilidade. E seria bem egoísta a ponto de pe…

Áries ao pé da letra.

Recebi por e-mail de uma amigona e, pela primeira vez, acho que é próximo a minha realidade. Achei que valia a pena compartilhar com as arianas que passerem por aqui.

Áries *(21/3 - 19/4): *

1. Frase: 'Não sei bem o que quero, só sei que quero JÁ!'

2. O que o ariano espera de seu parceiro: Para o ariano, o que importa é a conquista. O desafio de conseguir a pessoa amada é sua principal motivação. Pode perder o interesse quando consegue seu objetivo. Gosta de correr riscos, o que pode levá-lo a se envolver em triângulos amorosos.

3. O que o ariano diz depois do sexo: 'Legal, vamos de novo!'

4. Como irritar um ariano: Fale com eles dando uma enorme pausa entre as palavras. Não deixe que eles falem, ou, se falarem, corte pelo meio.

5. Como o ariano reza antes de dormir: 'Querido Deus! Dê-me PACIÊNCIA, e eu a quero AGORA'!

6. Por que o ariano atravessou a rua? Certamente para bater boca com alguém que estava do outro lado.

7. Você foi assaltado e o ariano... Dá um soco …

Amizade colorida?

"Pra ser amigo de mulher, só ser for viado", dizem as más línguas masculinas. "Homens sempre têm segundas intenções e, por isso, se passam por amigos", explicam eles. "Mas gurias também são interesseiras, se passam por amiguinhas pra se atirar pro cara", falam, por sua vez, as gurias. Sim, é verdade. Isso acontece mesmo. Mas toda regra tem exceção, ou será que esses casos não são a exceção?

Já tive muitos amigos com quem nunca fiquei e com quem nunca rolou um clima. Amigos mesmo. Por isso acredito que é possível haver amizade sim. Alguns fizeram algumas tentativas frustadas de me conquistar, o que não impediu que eles se conformassem com o não e se tornassem grandes amigos. Alguns, me tornei amiga depois de ficar. Outros sequer tentaram. Não falo só por mim, já vi amigas e amigos por todos os cantos, de dormir na casa um do outro sem segundas intenções. Sim, amizade entre sexos opostos é possível sim, mas segunda intenções, ah, elas também acontecem diret.…