Pular para o conteúdo principal

Convenções Sociais = Hipocrisia


Sabe o que eu mais odeio nessa vida depois da falsidade, da infidelidade e da futilidade? O calendário. Isso mesmo. Aquele que fica nas agendas, nas paredes, nos computadores e nos marcadores de páginas. Aquele, que tal como o relógio, se espalha por todos os cantos feito peste. Aquele que fica nos lembrando que temos prazos a cumprir, obrigações, dias de vida que passam rápido ou devagar demais e convenções impostas por datas e feriados. É principalmente à estas últimas que me refiro. À essas datas sagradas que não considero tão sagradas assim.


Vejamos o natal por exemplo. Em certas famílias é inadimissível passar o natal distante dos parentes. Eu pergunto: - Por quê? Natal não era pra ser uma dia de reflexão sobre o nascimento de Cristo? E quem lembra disso? Poucos. O que importa nessa data é trocar presentes e reunir a família. Mas precisa haver uma data pra reunir a família? Será que a família não pode se reunir em quaisquer fins de semana? O amor fraterno só pode ser demonstrado no natal? E além do mais, há necessidade de unir a família mesmo quando nem sempre reina paz e amor entre todos os membros só pra cumprir com uma convenção da sociedade? Ano novo então, é festa. Por que jovens tem que ficar segurando as saias de suas mães nessa data? Deixem eles viajarem, saírem. É ano novo e não o fim do mundo! Aniversários. Eca. Um bando de gente se entupindo de docinhos e salgadinhos (confesso que essa parte me interessa), dando parabéns porque alguém ficou mais velho. Parabéns? Não sou fã do tempo, portanto, ficar mais velho não é tão digno de parabéns. Deve ser lembrado e também merece comemorações, afinal, se Jesus faz todo mundo comemorar seu nascimento todo ano - mesmo que poucos saibam sequer o que aconteceu no natal -, por que nós não podemos reunir nossos amigos e fazê-los comemorar nosso nascimento? O ponto conflitante desta história toda, não são as datas em si, mas sim o que somos socialmente obrigados a fazer nessas datas. Não deveria ser obrigação um ato que tem que ser expontâneo, de coração. Um belo cartão, um telefonema, uma surpresa, uma visita sem hora marcada. Tudo isso é bem representativo e não envolve necessariamente uma obrigação.


O que mais me incomoda nisso tudo é o fato de ser uma lei não decretada a nossa presença em determinados locais e em determinadas datas. Ficar longe a família no natal é errado, ano novo legal mesmo é na praia e passar de preto dá azar, não ir no aniversário da priminha é falta de consideração, não ir nas bodas da tia-avó é falta de respeito, não levar presente é cara de pau. Temos que ter o direito de escolher. Temos que comer carne na páscoa se estamos a fim. Pois falta de respeito, se for, é comer carne todo dia, já que os bichinhos morrem em qualquer data e poupar vidas só nesse dia não muda muita coisa. Temos que passar o natal em casa vendo um dvd se não estivermos a fim de olhar pra'quela tia falsa, pro primo pentelho e pra cunhada metida. Temos que faltar aniversários se quisermos aproveitar nosso fim de semana com algo que gostamos. Temos que ser livres, se a sociedade e a geração passada permitirem e aceitarem que os tempos mudaram e que as convenções são tão ultrapassadas quanto eles. É um retrocesso usar datas livres, de folga e transformá-las de um dia que podia ser prazeroso em um tédio, ou um incômodo. Se a vida é curta e temos que curtir a vida, seria bem mais interessante se a gente pudesse fazer o que a gente quer pra aproveitar o tempo e não o que os outros querem.

Comentários

  1. A questão realmente é que tudo virou obrigação e consequentimente rotina e toda rotina com o tempo fica chata!

    ResponderExcluir
  2. Tássia, concordo com teu ponto de vista.

    Ontem, enquanto minha família estava na casa de uma vizinha comemorando o Natal (ou melhor, á espera deste), eu estava em casa, sozinha, refletindo sobre o real significado dessa data.

    Bom, eu não odeio o calendário em si, mas alguns feriados sem pé e sem cabeça (o Natal não uma data sem pé e sem cabeça), mas o Homem deturpa tudo: porque para o Homem, dinheiro é tudo. E tudo por mais vago que seja, é motivo pra lucrar.

    Não importa se há milênios milhões e milhões de crianças são enganadas todos os anos com a historinha do Papai-Noel... o que importa é que você vai gastar seu dinheiro (mesmo sem ter, mas dá-se um jeito) pra presentear pessoas com coisas materiais, quando o essencial são as coisas que são invisíveis aos olhos.

    Enfim..

    Abraços.
    =*

    ResponderExcluir
  3. Concordo com a Camila. Tudo que vira rotina é chato.
    E realmente ter que aguentar o primo pentelho, que nem sabe que é meu primo é um saco!
    E eu como carne na Pascoa! =X

    Ainda assim, que 2009 seja um ano excelente pra você! Com muitas oportunidades, saíde, paz, alegria e amor!
    Beeijos

    ResponderExcluir
  4. Passando pra conhecer seu blog.
    ADOREI! Muito legal. Os textos estão bem bacanas. =P
    Qt as datas... Concordo com oq vc falou. Natal virou obrigação. Sou obrigada a ir na casa de parentes desejar "Feliz Natal" e gastar telefone ligando pro restante q mora longe ¬¬ Só gosto da parte da comida! (não vou mentir). Qt ao restante dos feriados. Nem percebo qd eles passam, a n ser q eu n tenha aula na universidade! =P

    Bjos.
    Bom final de semana.

    ResponderExcluir
  5. Também concordo que as famílias deveriam reunirem-se todos os finais de semana. Entretanto, sabems que não é assim que funciona. Aí, sendo realista, é melhor ter ao menos uma data pra juntar todo mundo. Então, esqueça a falsidade, por pelo menos um dia no ano...
    Foi dessa forma que preferi enxergar o natal...

    ResponderExcluir
  6. Sabe tava falando esses dias até com uma amiga.... q nao ligo p ngm nunca p desejar feliz natal nem ano novo (pq acho meio que um desproposito).Desejar Feliz Natal pq? se é apenas mais um dia! todo mundo se reune mas todo mundo continua o mesmo, os errados nao pensam em mudar seu jeito de ser.. e depois das festas e confraternizações tudo continua igual.. a bolsa cai o dolar sobe, enfim...
    E essa historia de ficar colado com família, é simplesmente ridiculo - se obrigar a fazer uma coisa q não quer por causa de convenção - Apoio a tua idéia!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…