Pular para o conteúdo principal

Escondendo o pó debaixo do tapete...

Dentes amarelos. Conversas sem interesse mútuo. Beijos, abraços, sorrisos... falsos. Insultos presos na garganta. Disfarce. Pra que isso? Por que isso? Não é mais fácil virar o rosto? Fingir que não viu? Ignorar? Ou ainda, não é mais fácil falar tudo o que se pensa e acabar de uma vez por todas com o fingimento?


Ah, a sociedade! Sempre a sociedade e suas malditas convenções. "É falta de respeito", "Mantenha a classe", "Não baixe o nível". "Seja cínica também". Blá, blá, blá. Não consigo pensar assim. Quando o sangue ferve, tô pouco me importando com minha elegância. Deselegante pra mim é quem não tem atitude. É quem baixa a cabeça e diz amém ou às ordens. Quero mais é gritar pra Deus e pro mundo que se foda. Quero ser livre pra dizer que odeio (e que amo). Livre pra dizer: sai daqui que não vou com tua cara, dá licença que tua presença me irrita, tô incomodada e por isso estou me retirando. Quero dar voz aos meus pensamentos sem medo de repressálias. Porque só é livre quem pode se expressar. Porque o cinismo aprisiona. É falso até com nós mesmos.


Como diria Quintana, em Coexistência Pacífica: "Amai-vos uns aos outros é muito forte para nós: o mais que podemos fazer, dentro da imperfeição humana, é suportarmo-nos uns aos outros". E mesmo assim, como é difícil. E a sociedade insisite em nos forçar a fingir, encenar, interpretar. A sociedade quer que a gente siga os ensinamentos da Bíblia mesmo sabendo que é impossível amar todo mundo. Só Jesus conseguiu isso e, mesmo assim, tenho minhas dúvidas quanto à isso. Colocar seres tão distintos tão próximos é até covardia. Se tira algum aprendizado disso? Não. Não aprendemos a amar e nem mesmo a suportar tais pessoas, então pra que tamanha proximidade? E, ainda por cima, com a lição de que o certo é calar e aceitar? Não. Isso definitivamente não é pra mim. Ficar quieta é uma coisa que ainda não aprendi e, sinceramente, não quero aprender.


"Se eu amo meu semelhante? Sim. Mas onde encontrar o meu semelhante?" - Sempre o bom e velho Mário respondendo com mais perguntas. Quer saber? Minha alma gêmea sou eu mesma, pois cérebros opostos muitas vezes se dão bem, mas quando não se dão, sai de perto. Só te peço um favor, caro amigo, colega, conhecido ou qualquer, me deixe extravasar, me deixe falar, porque guardar pra mim não faz bem e eu quero mais é que as máscaras caiam, porque delas o mundo tá cheio. Mas, se depender de mim, muitas máscaras ainda hão de cair, custe o que custar.

Comentários

  1. Concordo inteiramente com você! As noções sociais nos passadas são de fingir e surportar, sendo "políticamente correto". Odeio isso! Falsidade não é comigo, e quando tenho que falar, falo mesmo! Bjus e boa semana.

    http://so-pensando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. As vezes acho que não tenho semelhantes... daí a pouco passa essa impressão ruim, e eu volto a tolerar o próximo... mas tem dia que eu quero que o próximo não fique nada próximo a mim, aliás, os meus próximos poderiam ir "catar coquinho" de vez enquando!

    Ufa! Consegui ler tudo que estava atrasado! rs!
    Gosto do que você diz, garota!
    Bjos!

    ResponderExcluir
  3. PS: além de ler, dei palpite em quase tudo! rs!

    ResponderExcluir
  4. Muito bom esse texto! Caramba! Me vi nas linhas. Depois de um certo tempo, creio eu que devido ao amadurecimento, passei a não fazer médía com ninguém, a querer agradar! Hoje pra mim o que vale é expressar o que eu tô sentindo, dizer a verdade, se isso não acontece, não me importo com que o outro(a) vai pensar!
    bjão

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…
Infância roubada

Crianças. Será que ainda existem? Em que momento a infância termina, nos dias de hoje? Eu deixei de ser criança parcialmente aos 12 anos, quando achei que as festinhas com a turma eram bem mais divertidas que as bonecas. Mas eu senti a chegada da adolescência normalmente. Percebi que meus interesses estavam mudando, assim como os da maioria dos meus amigos. Foi um processo natural e saudável. Mesmo virando adolescente nunca deixei de agir feito uma criança boba de vez em quando pra me divertir. O ideal é nunca deixarmos de ser crianças, nem que seja um pouquinho só. Mas esse foi o meu jeito de crescer. A maneira como as crianças crescem agora, é muito diferente.

As meninas largam as bonecas bem antes dos 12. Descobrem que é mais interessante maquiar a si mesmas do que maquiar rostos de plástico; As músicas que escutam não são mais ao estilo Chiquititas, Xuxa ou Balão Mágico. Agora a moda é ouvir Rebeldes (que não são órfãs vestidas de forma comportada, mas sim meninas q…

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…