11 de dez de 2008

Mário Quintana - A Poesia do Cotidiano

Se você odeia poesia, por favor, leia. Tenho certeza que vai passar a amar.



Nos poemas do Mário sempre encontro algo que traduza meus sentimentos e pensamentos. Sempre encontro algo que me traduza. E, por isso, foi impossível não me apaixonar por ele. Nunca imaginei que eu citaria poemas em meio à conversas, mas, ao prosear com grandes leitores e apreciadores dele, vi que completar uma poesia que começou sendo declamada por outro ou até declamá-la em uma só voz não são cenas exclusivas de filmes.


“ACIDENTES

O despertador é um acidente de tráfego do sono. Mas é um só. Ao passo que durante o dia somos a toda hora sinistrados pelos telefones.”

“CARTAZ PARA UMA FEIRA DO LIVRO

Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não lêem”

“DOS EXTREMOS

Os cisnes, de tão elegantes, de tão heráldicos e serenos e decorativos, a gente acaba achando –os chatos como patos...”

“PAISAGÍSTICA

O conforto, a higiene, sim...No entanto, um ranchinho de barro e sapé vai muito melhor com a paisagem.
Um ranchinho de barro e sapé parece brotado da terra, faz parte da natureza, não contradiz as árvores e o céu.
E é, também, tão humano...”

“O PIOR

O pior dos problemas da gente é que ninguém tem nada com isso.”

“PRECIOSISMO?
Eles erram sempre de maneira tão complicada que não atino como ainda não descobriram que seria muito mais fácil escreverem certo.”


“LIMITES DA CONVERSAÇÃO

Há certas coisas que não haveria mesmo ocasião de as colocarmos sensatamente numa conversa – e que só num poema estão no seu lugar. Deve ser por esse motivo que alguns de nós começaram, um dia, a fazer versos. Um modo muito curioso de falar sozinho, como se vê, mas o único modo de certas coisas caírem no ouvido certo.”

“DO IMPOSSÍVEL CONVÍVIO

O mais trágico dessas reuniões sociais é que elas são compostas unicamente de terceiros.”

“MAS SEJA LÁ COMO FOR

Decifrar palavras cruzadas é uma forma tranqüila de desespero.”

“EXAME DE CONSCIÊNCIA

Se eu amo meu semelhante? Sim. Mas onde encontrar o meu semelhante?”

“DOS LIVROS

Há duas espécies de livros: uns que os leitores esgotam, outros que esgotam os leitores.”

“DA ALMA

Uma alma sem mistério nem seria alma...Da mesma forma que um Deus compreensível não seria Deus.”

“PREGUIÇA

Cerva vez abalancei-me a um trabalho intitulado “Preguiça”. Constava do título e duas belas colunas em branco, com a minha assinatura no fim. Infelizmente, não foi aceito pelo supercilioso da página literária.
Já viram desconfiança igual?
Censurar uma página em branco é o cúmulo da censura.”

“PARÊNTESES

Conversa de velho é cheia de parênteses e esses parênteses são cheios de parentes...”

“O AMIGO

Amigo é aquele que escuta todas as nossas coisas sem aquela cara que parece estar dizendo: - E eu com isso?”

“A DIFERENÇA

O que eles chamam de nossos defeitos é o que nós temos de diferente deles. Cultivemo-los pois, com o maior carinho – esses nossos benditos defeitos.”

“POEMINHO DO CONTRA

Todos esses que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão...
Eu passarinho.”

“IMAGEM

Haverá ainda, no mundo, coisas tão simples e tão pura como a água bebida na concha das mãos?”

“AMIZADE

Quando o silêncio a dois não se torna incômodo.”

“AMOR

Quando o silêncio a dois se torna cômodo”

“POBRES

Espetáculo predileto dos ricos.”

“RICOS

Espetáculo predileto dos pobres.”

“O TRÁGICO DILEMA

Quando alguém pergunta a um autor o que este quis dizer, é porque um dos dois é burro.”

“O PRECEITO E O EXEMPLO

Preceituam alguns higienistas não dormir após as refeições. Mas não é justamente o que fazem nossos irmãos mamíferos? Também ensinam eles (os higienistas) que devemos dormir em pose longitudinal, isto é, na postura em que são colocados os corpos já sem vida.

Mas eu fico a espiar invejosamente a sesta do gato...Se não foram os gatos que inventaram a sesta, foram decerto eles que elevaram essa nobre arte ao supremo requinte. Um gato enrodilhado é a coisa mais adormecida que existe. E para isso ele escolhe a posição fetal – posição de quando gozamos do maior repouso, completamente alheios a todos os cuidados deste e do outro mundo.
( A moralidade de tudo isso é que temos muito a aprender com os animais e não com estes higienistas).

“DA PREGUIÇA

A preguiça é a mãe do progresso. Se o homem não tivesse preguiça de caminhar, não teria inventado a roda.”

“A COISA

A gente pensa uma coisa, acaba escrevendo outra e o leitor entende uma terceira coisa...e, enquanto se passa tudo isso, a coisa propriamente dita começa a desconfiar que não foi propriamente dita.”

“OS INCOMPREENDIDOS

Não sei se alguém já descobriu que a sutilíssima arte desses palhaços de circo está justamente na graça que eles não tem.”

“AZAR

Quando guri, eu tinha de me calar, á mesa: só as pessoas grandes falavam. Agora, depois de adulto, tenho de ficar calado para as crianças falarem”

“A TRANSPOSIÇÃO

Também me lembro que quando eu era gurizote e brigue mais uma vez pra sempre com a Gabriela, deixei-a ali na praça (era domingo, depois da missa) e fui passar pela sua casa, pela sua calçada, pela sua rua...

“INTRUSÃO

O passado não reconhece o seu lugar: está sempre presente...”

“ATIVIDADES NOTURNAS

Ah! Esses vizinhos habilidosos que estão sempre consertando coisas, martelando coisas, nas horas mais insólitas, enquanto eu me acho entregue apenas a silencioso vício: a leitura.”

“AH, VIDA...

A vida está cheia de interferências indébitas, de acasos estúpidos, de personagens errados que travam conosco desencontrados diálogos de surdos, a vida está atravancada de pormenores inúteis, a vida parece um romance mal feito!”

“DO ESTILO

O estilo é uma dificuldade de expressão.”

“DOS LEITORES

Há leitores que acham bom tudo o que a gente escreve. Há outros que sempre acham que poderia ser melhor. Mas, na verdade, até hoje não pude saber qual das duas espécies irrita mais.”

“O ENCONTRO

Eis que descubro um retrato meu, aos 10 anos. Escondo, súbito, o retrato. Sei lá o que estará pensando de mim aquele guri!”

“DA SAUDADE

A saudade que dói mais fundo – e irremediavelmente – é a saudade que temos de nós.”

“ESPANTOS

O mais espantoso nos velhos é a sua falta de presa, como se eles dispusessem de todo o tempo que teriam os moços se não tivessem tanta pressa.”

“ACIDENTE DE TRÁFEGO

Nós vivemos a temer o futuro; mas é o passado que nos atropela e mata.”

“DUPLA DELÍCIA

O livro trás a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado.”

“DO SONHO
Sonhar é acordar-se para dentro.”

“EXAME DA INCONSCIÊNCIA

Há noites em que não posso dormir de remorsos por tudo que deixei de cometer...”

“FRASE PARA ÁLBUM

Há gente que tem raiva dos clássicos, por terem sido obrigados a conhecê-los. Eu tenho pena deles, porque não nos conhecem.”

“VERSO AVULSO

Eu não sou eu, sou o momento: passo.”

“DO BEM E DO MAL

No fundo, não há bons nem maus. Há apenas os que sentem prazer em fazer o bem e os que sentem prazer em fazer o mal. Tudo é volúpia...”

“COEXISTÊNCIA PACÍFICA

Amai-vos uns aos outros é muito forte para nós: o mais que podemos fazer, dentro da imperfeição humana, é suportarmo-nos uns aos outros.”

Um comentário:

  1. Inspirador.
    Até "colei" algumas coisas!

    Aprendi a amar o Mário quando tinha uns 12 anos. Minha mãe me deu uma agenda chamada "Agenda Mário Quintana", tinha uma poesia por dia.
    Ah... que ano maravilhoso foi aquele. Foi assim que me apaixonei por ele, e pelo Poeminha do Contra, que tenho lá no blog.

    Bela escolha.

    ResponderExcluir

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!