Pular para o conteúdo principal

Uma tendência extremamente moderna









O que lhe vem à cabeça quando o assunto é óculos ? Um acessório que a cada dia aparece mais moderno, que traz estilo, além de proteger sua visão, ou um objeto ideal para enfeiar o rosto de uma pessoa? Se você escolheu a alternativa dois, trate de se reciclar, está na hora de rever seus conceitos!


Já foi o tempo que usar óculos era sinônimo de ser o(a) esquisito(a) do grupo. Este objeto, antes reservado somente aos pobres míopes e hipermétropes passou a constar na lista de acessórios indispensáveis. A lente de contato (salvação para os que detestam os óculos), hoje está um pouco de lado. E não é por desconforto, ou pelo trabalho que este recurso pede, mas sim, pelo simples fato de que, usar óculos é moderno! O óculos alia estilo, realça o rosto, dá um “tcham” na sua produção e, em algumas situações, tem o poder de trazer seriedade e credibilidade a um indivíduo. O enfoque está diferente, e esta peça deixou de ser necessidade, para virar objeto de desejo.

E quem almeja um ar intelectual, mas não necessita de óculos com lentes corretivas? Simples. Existem vários lugares especializados que proporcionam esta alternativa. O mais aconselhado, conforme o profissional no assunto Luís Henrique Basso, é o anti-reflexo, que dá um diferencial, com a vantagem de proteger contra os raios ultra-violetas. Luís, proprietário do espaço, um verdadeiro armazém de óculos, trabalha na área há mais de 10 anos e garante: o óculos é uma tendência extremamente moderna. “Com esta moda de vestuário e acessórios, quando a pessoa não está com o óculos adequando, dá uma desequilibrada total no visual”, alerta Luís.

Quando o assunto é óculos de sol, o estilo mais procurado pelos homens é o modelo aviador. Já as mulheres, estão optando por lentes maiores e arredondadas. Os famosos óculos vintage, tendência dos anos 70, trazidos da Europa e EUA, aliam beleza e proteção, já que sua área de abrangência é ampla e gera maior bloqueio de raios UVA ou UVB.

Existe ainda um outro aspecto a observar: a pirataria. Temos que lembrar que não estamos lidando somente com a estética, e sim, trabalhando com algo que exige muita atenção: nossos olhos. A visão é uma coisa sagrada, é fundamental usar lentes de qualidade, confiar no profissional que está lhe oferecendo o óculos, bem como conferir a origem do produto e ter a certeza de que é confiável.Como virou moda, as grifes mais famosas são muito pirateadas. No exterior são caras, mas os ambulantes vendem cópias (quase) iguais por uma bagatela. Estas, porém, não possuem proteção especial aos olhos, pelo contrário, prejudicam. Luís alerta, ”tem cópias que são tão bem feitas, que fica difícil distinguir, a menos que seja um profissional no assunto”.
Glamurosos, grandes ou pequenos, não importa, o que vale mesmo é usar o bom senso na hora da escolha e sair por aí desfilando charme e conforto!

● Luis Henrique trabalha com óculos desde 1985, possui este espaço em Porto Alegre há três anos. Ele presta um serviço diferenciado. Atende com hora marcada, alguns clientes que não dispõem de tempo de se deslocar até o Armazém dos Óculos recebem atendimento à domicilio. Acredita que o bom profissional da área é aquele que está sempre em busca do novo, além de dominar as informações que passa para os clientes.


Não há dicas pré definidas para aconselhar o melhor tipo de óculos para cada pessoa. É necessário que se tenha uma percepção da pessoa, ver o seu rosto, seu estilo, personalidade. De qualquer forma, aí vão algumas dicas básicas de Luis Henrique.


· Rosto fininho funciona super bem com óculos grandes, estilo vintage.
· Rosto redondo fica perfeito com aros de linhas retas e triangulares.
· Para senhoras o ideal é a linha vintage chique, com lentes degradês e armações peroladas e marrons.
· Para a gurizada, segue o padrão esportivo, mais descolado.

Armazém do Óculos
Avenida Venâncio Aires, 504 sala 401.
De segunda a sexta-feira, das 09 às 18 horas. Aos sábados, o atendimento é com horário previamente agendado.


(Matéria desenvolvida com Manuela Pereira para cadeira de Jornalismo de Variedades - entrevista feita por mim e texto por ela - publicada no blog http://www.epravariar.blogspot.com/).

Comentários

  1. Será que existe dica pra acostumar com óculos??? Estou tentando, quase um ano, mas meus óculos não saem da caixinha!
    E o mais engraçado é que sou viciada nos meus óculos de sol! Não digiro um quarteirão sem eles!

    Ótima matéria!
    Bjos.

    ResponderExcluir
  2. Amei a matéria. Eu acho muito legal usar óculos e tudo o mais. Pena que não terei um pelos próximos dois anos, (perdi um caro pra caramba e minha mãe jurou que não compra mais nenhum pra mim!)
    O layout está ótimo também, deixou super descolado essas folhas de caderno!
    Amei!

    JGossipGirl!

    BeijO*

    ResponderExcluir
  3. Não sou muito chegado a óculos. Bjus.

    http://so-pensando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oii, desculpe pelo sumiço! Mais estou de volta ( http://riscandoerabiscando.blogspot.com/ )

    Beijoss e e, breve eu faço comentários decentes xD

    ResponderExcluir
  5. Meus favoritos são o de Aviador.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…
Infância roubada

Crianças. Será que ainda existem? Em que momento a infância termina, nos dias de hoje? Eu deixei de ser criança parcialmente aos 12 anos, quando achei que as festinhas com a turma eram bem mais divertidas que as bonecas. Mas eu senti a chegada da adolescência normalmente. Percebi que meus interesses estavam mudando, assim como os da maioria dos meus amigos. Foi um processo natural e saudável. Mesmo virando adolescente nunca deixei de agir feito uma criança boba de vez em quando pra me divertir. O ideal é nunca deixarmos de ser crianças, nem que seja um pouquinho só. Mas esse foi o meu jeito de crescer. A maneira como as crianças crescem agora, é muito diferente.

As meninas largam as bonecas bem antes dos 12. Descobrem que é mais interessante maquiar a si mesmas do que maquiar rostos de plástico; As músicas que escutam não são mais ao estilo Chiquititas, Xuxa ou Balão Mágico. Agora a moda é ouvir Rebeldes (que não são órfãs vestidas de forma comportada, mas sim meninas q…

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…