Pular para o conteúdo principal

Words are all I have

Quando falo, sou uma. Quando escrevo, sou outra. Quando falo sou mais enérgica, espontânea, às vezes, irracional. Penso e falo ao mesmo tempo, não meço palavras. Com certas frases, causo danos irreversíveis. Passo dos limites (mas quais são os limites?). Quando escrevo sou mais intensa, profunda, consciente, madura, sensata até. Talvez uma versão melhorada do “eu tagarela”. Mas como metamorfose ambulante que sou, em alguns momentos, meu eu escrevendo e meu eu falando trocam de papéis e ao expor meu ponto de vista até o papel treme com tamanha astúcia, enquanto a pessoa com quem falo se surpreende com minha fala mansa tão rara. Sou autêntica das duas formas, mas sempre de formas diferentes. Você não me entende? Eu então, muito menos. Escrevo e falo pra me autocompreender, espero que compreendas.

Ao menos sei que a escrita me oferece vantagens em relação à fala. Quando falo nem sempre posso voltar atrás. Olho no olho é difícil, pode causar vermelhidão e gagueira. Quando escrevo posso. Apago, risco, deleto. Posso pensar com calma e então me expressar melhor. Sou transparente, sincera e verdadeira, de ambas formas, mas melhor compreendida quando lida. De tanto escrever comecei a falar melhor. Minha escrita me deu mais coragem para falar sem rodeios, cuidando sempre pra não ferir a quem quero bem. Mesmo assim sou mais corajosa escrevendo. O papel não me responde, não concorda nem discorda de mim. Diante de seu silêncio, posso falar o que eu bem entender sem medo de represálias ou mal entendidos. Você não me entende? Eu então, muito menos. Escrevo e falo pra me autocompreender, espero que compreendas
.

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Muito gostoso de ler o teu texto, não é cheio de rodeios, como tu mesma falou, não tem palavras que se repetem e se repetem sem parar.

    Beijos.
    Já deu um abraço hoje?

    ResponderExcluir
  3. Também sou assim, e a escrita me ajudoou muito com a timidez =D
    Taassia, tenta ver no seu lixo eletrônico, ou vai lá na comunidade do TDB, sempre postam as pautas lá, vai ver que é problema com seu servidor, não sei .

    Beeeeijos

    ResponderExcluir
  4. Também sou assim, e a escrita me ajudoou muito com a timidez =D
    Taassia, tenta ver no seu lixo eletrônico, ou vai lá na comunidade do TDB, sempre postam as pautas lá, vai ver que é problema com seu servidor, não sei .

    Beeeeijos

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Compreendo. Amo escrever e preciso disso pra continuar me entendendo. Se não fosse pela possibilidade de prender num papel minhas idéias eu não sei como eu estaria hoje.

    Seu post sobre o Mário Quintana ficou maravilhoso!! De verdade, os textos dele são uma delícia!
    ^^

    ;***

    ResponderExcluir
  8. Não sou entendo como compreendo! Escrever liberta, relaxa, aprimora, enfim... Dentro da escrita, podemos ser Deus ou Diabo, sansionar ou discordar, obedecer ou fazer algazarra, tudo enfim! Falar aproxima, escrever espande! (...). Bjus.

    http://so-pensando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Eu escrevo pouco, mas falo pelos cotovelos.
    Há braços!!

    ResponderExcluir
  10. Escrever pra mim é um desabafo. Há coisas que nunca ninguém lerá, são só minhas. Com o passar do tempo rasgo, apago, modifico...
    E tem mais, certas coisas a gente não precisa guardar, mas também, ninguém precisa saber!

    Escrevo cartas pra mim mesma... é loucura, mas funciona.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…