Pular para o conteúdo principal

2 em 1 (pautas Capricho)


Se passando por outro...

No mundo virtual, existem vários tipos de "fakes". Pode ser no Orkut, no Msn, em Chats e E-mails. Também existem duas finalidades para os "fakes": bisbilhotar a vida alheia ou prejudicá-la. Quanto à bisbilhotar não vejo problemas. É natural que o ser humano seja curioso, afinal, adoramos uma fofoca. E , muitas vezes, é um meio de vencermos a vergonha pra descobrimos um pouco mais sobre pessoas que queremos conquistar de alguma forma. O problema é quando pessoas utilizam identidades falsas para se passar por outra pessoa que existe a fim de prejudicar a vida dela, seja difamando, desmoralizando-a ou interferindo diretamente na sua vida pessoal. Já vi de tudo nessa área. Vi chegarem e-mails pra homens casados de mulheres fingindo serem amantes, roubarem msn pra conversarem com os contatos daquela pessoa se passando por ela, mentirem serem outras pessoas em chats, seja por idade, sexo ou jeito, ocasionando até pedofilia ou fazerem orkuts falsos para pessoas que não os têm. A curiosidade é um defeito, mas não prejudica, já roubar identidade é quando a curiosidade extrapola o bom senso.


Nem Mulher Melancia, nem Dhomini. Um viva à Silvio Santos!


Quem não gostaria de ser uma atriz da novela das 9h? Ou então, um escritor consagrado, um jogador de um clube de futebol europeu, uma modelo internacional, um cantor de rock? Além das vantagens financeiras, você teria a vantagem de dispensar apresentações em qualquer lugar e de ter algumas regalias (muitas cortesias).

Quer coisa mais fácil pra um famoso do que achar uma namorada ou então ficar solteiro sem medo de ficar pra titio? Talvez ele não encontre um amor verdadeiro, mas pelo menos não fica muito tempo na fossa, e isso já ajuda bastante. Talvez o dinheiro não compre a felicidade, mas vai dar muitas alegrias. Talvez ele não seja muito bonito, mas nada que o Pitangui não resolva. Talvez não tenha muitos amigos, mas muitos desconhecidos dariam tudo para sê-los. Não precisa de Orkut pra aparecer, pois basta ligar pra Caras que eles tiram lindas fotos de graça e ainda publicam pro país inteiro.

Ser pop é legal, mas depende de como você chega à essa popularidade e de como a mantém. Me lembro muito bem de quando eu era adolescente e achava o fim ser pop, pois esse era o adjetivo que as galinhas do colégio recebiam. Mais tarde descobri que pop podia ser bom, pois passei a ser pop, não por ser a gostosa ou a galinha da sala, mas sim por ser comunicativa, simpática, inteligente, extrovertida e conhecida de todo mundo.

Pois é, tem gente que gosta de ser pop pra ser mulher-fruta, mas a desvantagem de ser esse tipo de pop, é que tal como BBB, dura pouco. Melhor ser pop por merecer, por puro talento, pois aí não é fama (mérito temporário) e sim sucesso ou reconhecimento (mérito eterno).

Comentários

  1. Falando em Fakes, eu acho muito ridiculo quando fazem pra prejudicar as pessoas, mas nunca fizeram comigo, aconteceu já de hackearem e ter que fazer outro, mas já fiz fake pra poder investigar os orkut alheios;
    TE AMO TASSIA!

    ResponderExcluir
  2. Bom, qt aos fakes faltou uma modalidade q está cada vez mais comuns. São akeles q admitem serem fakes e se colocam como se fossem celebridades, n sei se vc já viu. Eles criam uma história ali dentro com imagens de gente famosa. Tem gente q diz ser a Giselle B. e tem como tia a Angelina e n sei oq. É como se fosse uma novela. Eu acho muito engraçado e eles, até onde vi, n prejudicam. É como se brincassem. Não tiveram infância, sei lá... Mas enfim. Qt a ser POP! Não sei nem do q se trata. Nunca fui e acredito n ter a menor vocação pra isso. =D

    O beijo.

    ResponderExcluir
  3. Roubar a identidade alheia é crime, que dá de 2 a 8 anos de cadeia dependendo do caso. Quanto a ser Pop, acredito muito mais em ser você, fazer o que quer fazer, do que aparentar ser e fazer aquilo que os outros queira. Bjus.

    http://so-pensando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Não Tássia, não admire minha "coragem", nenhuma das minhas mudanças foi voluntária!!!!

    Bisbilhotar é tão natural quanto fofocar, mesmo quem não gosta, faz, mesmo sem querer, mas todo mundo faz.

    Fama é algo que já ficou brega pra mim. Ser famoso é quase pejorativo hoje em dia. Vai chegar o tempo em que os reais talentos vão buscar o anonimato. Sei lá... é muita mulher-fruta, muita fankeira e muita ex paquita fazendo filme pornô...

    Bjos

    ResponderExcluir
  5. Duas situações. Considero inadmissível burlar a própria identidade seja lá para que fim for. Quando queremos saber algo de alguém devemos ir a este alguém e respeitar, sobretudo, a liberdade de cada um de nós. É sempre muito pertinente não desejar ao outro o que não queremos para nós mesmos. Não há razão para que, em nome da curiosidade, deixemos de lado o respeito pela individualidade de quem quer que seja.
    A fama, sucesso ou popularidade exige maturidade, percepção mais aguçada do que isso de fato representa, porque usufruir de privilégios, para os menos avisados, resulta em abuso. Isso para não entrar pela futilidade que arruina a vida de muita gente que poderia se prestar a conduta mais nobre e menos ridícula, para não dizer idiota.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  6. Eu tinha um fake, mas era soh p/ escapar um pouco da realiade. Era uma atriz de filmes mudos. E popularidade nunca me interessou.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…