Pular para o conteúdo principal

Estraga Prazer


Manhã de quinta-feira. Saí da auto escola às 8h. Poderia chegar ao trabalho em 10 minutos, mas como só começava às 9h resolvi aproveitar o tempo que me restava em um dos bairros que mais gosto de minha cidade, o Bom Fim. Era o lugar perfeito para relaxar um pouco antes de começar minha rotina maçante. Ao menos, deveria ser. Sendo assim, decidi que encontraria uma boa cafeteria, tomaria o meu 1° café na rua e adiantaria a leitura do livro de uma escritora que eu iria entrevistar. Seria perfeito, um dia bonito, um bom café, um bom livro e a solidão impedindo qualquer interrupção.

Achei um lugar aparentemente perfeito. Aconchegante, bonito e tranqüilo. Ao entrar, a atendente já foi logo estragando meus planos. Tratava-se de uma mulher irritantemente simpática. Sem que eu pedisse, ela começou a me explicar o que havia de recheio em cada um dos salgados que estavam expostos, sendo que eu havia pedido apenas uma xícara de café. Ah, se ela soubesse que pouco me interessam os ingredientes desde que eu possa comer o resultado deles. Para me livrar das explicações culinárias, interrompi-a e pedi um pão de queijo para acompanhar o café, mesmo sem vontade de comê-lo. Ela venceu. Então, dirigi-me a uma mesa de frente pra janela e de costas pro balcão. Abri meu livro e tentei mergulhar na história. Tentei. Porque mesmo eu sendo a única cliente do lugar e estando visivelmente concentrada na minha leitura, o balconista e a atendente não se deram conta do quanto me atrapalhavam com aquele burburinho demasiado alto para o ambiente. Não perceberam também que, enquanto achavam que ganhavam uma cliente, a perdiam antes mesmo que ela provasse o café. Ao tomar meu café e tentar ler o livro, fiquei imaginado se algum dia eu conseguiria ficar em silêncio em algum lugar bonito da cidade para ler, que não fosse o verde do meu condomínio, já que meu quarto não é a beleza que procuro.

Gosto de ler com o sol queimando meu corpo, ou numa sombra acompanhada somente de um chimarrão ou de uma garrafinha de água fresca. Ou ainda em um bom lugar, sem música, tendo no máximo uma suave melodia; letras, já bastam às dos livros. Cada é um cada um...enfim. Tem horas que quero apenas o silêncio; eu, o silêncio e um bom lugar. Noutras, quero a falação, o movimento, a música. Mas, decididamente, 8h tomando café, eu queria o silêncio (não entendo como há pessoas que vão às 7h pro trabalho ouvindo música a todo volume. Eu certamente optaria pela rádio am...cada um é cada um, enfim).

Ah, que desgostoso é quando nossos planos dão errados. Quando o que imaginamos não vira realidade por causa dos outros. Ah, sempre os outros. Como diria Mário Quintana: “A arte de viver é simplesmente a arte de conviver ... simplesmente, disse eu? Mas como é difícil!”

Comentários

  1. Engolir sapos é uma arte cara, ultimamente ando muito utilizando meu sorriso amarelo p/ tentar escapar dessas coisas.

    ResponderExcluir
  2. Nossa...eu também enfrento das minhas quando quero me concentrar numa leitura ou no estudo... isso estressa bastante!
    Gosto muito de ler no metrô, mas às vezes o povo conversa tão alto, aff! E o pior eh quando resolvem contar sua vida...
    Gostei do post!

    ResponderExcluir
  3. Haa bem sei..quando eu me coloco em m daqueles momentos de curtir a minha própria compania e vem alguém encher a minha paciência..é fogoo..principalmente quando eu vou afim de comer algo e uma boa leitura!

    ResponderExcluir
  4. Também gosto de estar meio isolado qyando quero ler um livro. Não há nada melhor que o silêncio, lugar bonito e paz de espírito para nos entrgar a boa leitura. Bjus.


    http://so-pensando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. kkkkkk. Realmente, conviver com os outros é uma arte. E quão difícil é essa danada. Se ao menos fosse parecidos conosco a grande maioria. Talvez facilitasse.
    Mas enfim, no final das contas, conseguiu ler o livro?! =D

    Um ótimo domingo.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  6. ta o coco, le lá o que eu escrevi é o 'foi assim' tri massa, mas le longe do reginho pls, eu nao quero que ele veja =] odeio ele ;*
    beijosteamo!

    ResponderExcluir
  7. aah e o teu texto ta tri massa! agora que eu li né, mas tudo beleza!

    ResponderExcluir
  8. Oi
    Muito bem escrito..
    Eu particularmente adoro ler na praia de tardezinha, mas nem sempre essa é uma boa opção...hsuahsua

    Bju

    ResponderExcluir
  9. tavaa saudades daki jah hehe
    nhaa que cafeteriaa f*d* KKK
    boom eeu sairiaa dali correndo se kisesse ler um livro,mas o café ia comigu (Y) UHAAHUAHUAAHU



    bejoos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …
Infância roubada

Crianças. Será que ainda existem? Em que momento a infância termina, nos dias de hoje? Eu deixei de ser criança parcialmente aos 12 anos, quando achei que as festinhas com a turma eram bem mais divertidas que as bonecas. Mas eu senti a chegada da adolescência normalmente. Percebi que meus interesses estavam mudando, assim como os da maioria dos meus amigos. Foi um processo natural e saudável. Mesmo virando adolescente nunca deixei de agir feito uma criança boba de vez em quando pra me divertir. O ideal é nunca deixarmos de ser crianças, nem que seja um pouquinho só. Mas esse foi o meu jeito de crescer. A maneira como as crianças crescem agora, é muito diferente.

As meninas largam as bonecas bem antes dos 12. Descobrem que é mais interessante maquiar a si mesmas do que maquiar rostos de plástico; As músicas que escutam não são mais ao estilo Chiquititas, Xuxa ou Balão Mágico. Agora a moda é ouvir Rebeldes (que não são órfãs vestidas de forma comportada, mas sim meninas q…