Pular para o conteúdo principal

Heroína ontem, hoje e sempre.



P.S.: Já publiquei há muito tempo um texto que fala sobre a Joana D'Arc, mas vou me permitir reproduzir algumas partes nesse novo texto em virtude da pauta proposta pela Capricho. Vamos lá então...

A discriminação às mulheres teve períodos marcantes ao longo da história. Um dos mais lembrados foi a perseguição às chamadas bruxas na Idade Média, pela Igreja Católica, pela Protestante e pelo Estado. As consideradas bruxas eram mulheres que obtinham amplo conhecimento sobre plantas medicinais usando-as para curar enfermidades que ocorriam em suas comunidades. Esse dom passou a irritar os médicos que encontraram na Inquisição um bom método de eliminar as suas concorrentes econômicas, aliando-se assim a Igreja. Esta, por sua vez, perseguia as “bruxas” com o argumento de que elas representavam algum tipo de ameaça às doutrinas cristãs.

Nesse contexto político, pode-se citar como vítima a camponesa Joana D`arc, que aos 17 anos, em 1429, comandou o exército francês, lutando contra a ocupação inglesa. Esta acabou sendo julgada como feiticeira e herege pela Inquisição e queimada viva em 30 de maio de 1431, com apenas dezenove anos. Isso porque, aos 13 anos, declarou que podia ouvir a voz de Deus, que a pedia para ser boa e cumprir os deveres cristãos. E, além disso, ordenou-lhe que libertasse a cidade de Orléans do jugo inglês. Afirmou ainda ter visto o arcanjo são Miguel, além de Santa Catarina e Santa Margarida, cujas vozes ouvia. Porém, durante cinco anos, manteve essas mensagens em segredo. Quase cinco séculos depois de ser queimada viva ela foi canonizada no ano 1920 pelo papa Bento XV.

Pra mim ela foi e ainda hoje é uma heroína, pois representa a força daquelas mulheres que lutam por seu espaço e ideal sem temer os obstáculos do caminho. Ela quebrou tabus naquela época que infelizmente existem até hoje. Um deles é o fato de muitos homens não aceitarem que as mulheres os superem em conhecimentos e se tornem úteis, eficientes e muitas vezes superiores à eles.

Comentários

  1. Joana D'arc sem dúvida alguma representa toda a luta e determinação das mulheres. Mudei de blog, não estou mais no Só Pensando, agora estou no Contestação. Bjus.

    http://contesta-acao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Admiro muito a Joana D'arc.

    ;*

    ResponderExcluir
  3. Eu sou a favor das mulheres inteligentes e tu sabe disso!
    E se, além disso, eu encontrar uma inteligente, rica e bonita, que me encha de presentes... não me importo nem de cozinhar pra ela!

    beijos

    ResponderExcluir
  4. Nossa, que texto lindo.
    Ela é mesmo um símbolo de força feminina, mas pra mim ela é mais ainda, pois eu sou espírita e acredito que pessoas como ela, que recebem mensagens, ouvem vozes, etc... são a prova de que existe algo superior, e que está, de alguma forma, perto de nós para nos conduzir ao bem.

    bjos

    ResponderExcluir
  5. ooi querida!
    tem um selinho para você lá no meu blog. dá uma passada lá...


    beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …