Pular para o conteúdo principal

Pautas Capricho (2 em 1)

Ah, se eu tivesse um vira-tempo...

Imaginem só que coisa boa se a gente pudesse ter um vira-tempo igual o da Hermione (aquele relógio que fez ela voltar no tempo no livro do Harry Potter). Nossa, eu voltaria há várias épocas da minha vida. Pra minha infância eu voltaria só para ter tempo o suficiente pra praticar muitos outros esportes. Afinal, futebol, dança, ginástica olímpica, rítimica, ballet, jaz, strett, axé, teatro e natação ainda foram pouco pra gastar a minha energia que está em constante acúmulo. Também voltaria à infância pra poder assistir mais sessões da tarde, andar de roller, jogar botão e comer muito bolo de chocolate sem me preocupar com as calorias que neles têm. Pra adolescência eu voltaria pra..hmmm...ah, não faria muita coisa a mais não, pois fiz até demais, mas com certeza voltaria pra fazer tudo de novo. Pra uns meses atrás, nessa minha fase quase-adulta, acho que voltaria pra mudar algumas coisas relativas ao meu relacionamento com as pessoas. Tentaria ser mais relevante, paciente, solidária, menos rancorosa e várias outras coisas que são bem o avesso do que sou hoje. Coisas essas que tornam minha personalidade tão forte! Mas a culpa não é minha, é destes tempos modernos. As pessoas infelizmente ficam mais egoístas mesmo. O que se há de fazer?

De repente 30...

Se eu acordasse com 30 anos amanhã eu...

...usaria menos meus tênis no dia-a-dia (que tanto amo) e me renderia mais aos lindos e desconfortáveis saltos altos, deixando os tênis pros fins-de-semana (invertendo minha lógica).

...faria minhas unhas uma vez a cada duas semanas no mínimo, e pararia de tentar lixá-las ou pintá-las pra economizar meu salário.

...procuraria um emprego que fosse digno da minha presença, no qual eu realmente precisasse usar saltos e manter as unhas bem feitas.

...trataria de achar um bom partido com quem valesse a pena casar e ter filhos (urgente), ou de casar e ter filhos com o partido que eu já tenho.

...aprenderia que um vinho à meia luz tem seu valor, e deixaria de optar somente pelos sucos naturais.

...continuaria lendo feito doida, mas assistiria mais dvds sozinha pra apreciar um bom filme sem interrupções como comentários desagradáveis (tomando um bom vinho).

....dedicaria mais tempo ao meu namorado/marido e ao meu cachorro, e menos aos estudos (porque espero não estar mais estudando aos trinta).

...teria um apartamento só meu, com a minha cara, no bairro que eu bem entedesse cujos habitantes fossem eu e minha poodle (e talvez namorado), independente do namorado gostar ou não de cachorros pequenos.

...aprenderia a cozinhar (infelizmente), a operar um fogão, uma máquina de lavar roupa e quaisquer utensílios domésticos que não fazem parte da minha rotina.

...enfim, viraria mulher e deixaria de ser essa guria (ainda tão feliz e sem tantas obrigações) como sou hoje. Mas de qualquer forma, ainda seria uma mulher mais criança do que adulta, porque ser adulto parece tão chato que ando até meio parada no tempo, sem vontade de crescer. Ah, Terra do Nunca...

Comentários

  1. Não sou saudosista e esse extremo. Acredito que o que está feito, está feito! Seja algo bom ou ruim, passou! Tento viver minha vida pautando-me em ações do presente, tirando do passado algumas lições tomadas, mas nunca com o ar do "puxa vida, se eu tivesse feito isso...". O se não muda em nado os fatos. Bjus.

    http://contesta-acao.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…
Infância roubada

Crianças. Será que ainda existem? Em que momento a infância termina, nos dias de hoje? Eu deixei de ser criança parcialmente aos 12 anos, quando achei que as festinhas com a turma eram bem mais divertidas que as bonecas. Mas eu senti a chegada da adolescência normalmente. Percebi que meus interesses estavam mudando, assim como os da maioria dos meus amigos. Foi um processo natural e saudável. Mesmo virando adolescente nunca deixei de agir feito uma criança boba de vez em quando pra me divertir. O ideal é nunca deixarmos de ser crianças, nem que seja um pouquinho só. Mas esse foi o meu jeito de crescer. A maneira como as crianças crescem agora, é muito diferente.

As meninas largam as bonecas bem antes dos 12. Descobrem que é mais interessante maquiar a si mesmas do que maquiar rostos de plástico; As músicas que escutam não são mais ao estilo Chiquititas, Xuxa ou Balão Mágico. Agora a moda é ouvir Rebeldes (que não são órfãs vestidas de forma comportada, mas sim meninas q…

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…