Pular para o conteúdo principal

(2 em 1) Menos violência, mais educação e Comprar nunca é demais

MENOS VIOLÊNCIA, MAIS EDUCAÇÃO!



Jovens com menos de 18 anos não podem mais ficar fora de casa após as 23 horas sem a companhia de um responsável no interior do Estado de São Paulo. O “toque de recolher” foi imposto em pelo menos seis municípios paulistas. Em todos os casos, a justificativa dos juizes é a de afastar crianças e adolescentes dos perigos das ruas.*

Proibir que os jovens fiquem na rua após às 23h com a justificativa de que assim os protegem contra os perigos da rua é a maior bobagem que já ouvi. De leis estúpidas o país tá cheio, mas pelo visto a tendência é que elas aumentem. Os perigos da rua são: drogas, violência, más influências e por aí vai. Mas desde quando esses perigos só existem à noite? Eu, na minha adolescência, estive cercada de más influências durante a manhã e a tarde. Eram drogados, traficantes e ladrõezinhos, na mesma sala de aula que eu. À noite, por sinal, eu nem os via, pois ia pras festas dançar e beijar. Outros dessa laia provavelmente deviam estar por lá. Entretanto, eu era dona de mim e nunca me deixei influenciar.
O governo insiste no mesmo erro e parece não aprender nunca. Certos problemas a gente não vai resolver impondo leis autoritárias. Tudo começa na educação. Investir em campanhas é a melhor forma de conscientizar os jovens dos perigos que os cercam (de dia ou de noite). O problema é que nossas campanhas são mornas, sem criatividade e breves. Os publicitários não sabem inovar e ficam presos a velhos padrões que não deram e não darão certo. Sejam mais agressivos, tal qual jornalistas sensacionalistas que conseguem assustar bem mais em suas matérias por mais julgadas que elas sejam. Quem sabe unam-se a eles. Podem até ser sensasionalistas, mas pelo menos surtem efeito. A Zero Hora há pouco fez uma campanha contra a violência no trânsito muito boa. Vamos seguir o exemplo usando os veículos midiáticos que temos em nossas mãos e parar de perder tempo criando leis bestas que pouco vão ajudar na melhora dos nossos índices de criminalidade.

* Fonte: http://www.jptl.com.br/?pag=ver_noticia&id=7244


Agora, só porque eu estava soando nerd demais eu vou mudar da água pro vinho e me tornar fútil demais... Ah, eu não tenho preconceitos quanto a maioria dos assuntos. Só me nego a falar de haves e afins ok? Essa modinha eu não engulo. Sorry!

COMPRAR NUNCA É DEMAIS
Não sei quanto a vocês, mas eu adoro compras. Principalmente quando estou ansiosa, depressiva, com problemas ou feliz demais. Resumindo: compras são ideais para qualquer momento da minha vida. Não gasto com psicólogos (até porque eles nunca me entendem), mas gasto com roupas, sapatos, acessórios e livros.
Admito, sou compulsiva nesse quesito. Mas tenho uma vantagem, gasto bem. As duas únicas coisas pelas quais pago caro são sapatos e casacos de inverno. Sim, porque os baratos não duram quase nada. Já blusas, calças, saias e shorts eu compro dos mais baratos, pois como não sou riquinha, prefiro ter várias opções do que ostentar uma blusinha de marca num dia e noutro não ter o que vestir. Acreditem se quiser, mas estou longe de ser uma patricinha. Sou louca por compras, mas detesto uniforme sabe? Eu sou meio Renner, tenho todos os estilos. Simplesmente visto o que me dá na telha. Sapatilhas num dia, tênis noutro, rasetira, havainas, salto fino, cano longo. Depende do meu estado de espírito e da minha relação (quase sempre conturbada) com o guarda-roupas.
Acredito que eu não sou a única guria que pensa que não tem nada pra vestir quando abre o guarda-roupas mesmo ele estando super lotado. Tenho problemas sérios. Às vezes vejo um monte de roupas ainda não usadas no armário, mas acho que não combina com a ocasião e volto pro velho jeans e pra baby look dos tempos do colégio. Ontem mesmo fui fazer uma entrevista com dois cantores gaúchos pra um documentário e enquanto minhas colegas estava super arrumadinhas eu tava de jeans, baby look, tênis e rabo de cavalo. Isso porque simplesmente me irritei com a falta de opções no meu armário (cheio). Vai entender? Enfim, acho que o motivo principal pra compulsão das mulheres por compras é justamente achar que nunca têm roupas. Afinal, mulheres antenadas no mundo da moda, sabem que cada ocasião pede um estilo, e que só um guarda roupas estilo Becky Bloom teria tudo isso. Mas quer saber, nem a Becky fica satisfeita. Quem sou eu pra ficar então?

Comentários

  1. Sobre o primeiro tema,talvez até ajude um pouco mais não vai mudar tudo só com ess emedida,fazer com que menonres não saiam de madrugada!

    Já o segundo tema,admito ..adorooo comprar,mas é sempre bom ter um limite né!

    ResponderExcluir
  2. Tássia, vou dar um Ctrl+C, Ctrl+V e colocar isso no meu blog!
    Fui eu quem escreveu isso! rs!
    Com direito a citar o estilo Renner e tudo!
    E achar que compra é a terapia perfeita!!! Eu chego em casa com sacolas e deixo meu dinheiro e minhas neuras todas no shopping!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…