Pular para o conteúdo principal

PELA OBRIGATORIEDADE DO DIPLOMA DE JORNALISMO!!! Não ao golpe!!!

Eu ia postar aqui um texto sobre esse golpe absurdo que estamos (estudantes, jornalistas e sociedade) prestes a sofrer. Entretanto, após ler vários manifestos no site da Fenaj, optei por reproduzir aqui um deles cujas palavras não podem ser substítuidas pelas minhas. Como deu pra perceber, estou apoiando a campanha pela obrigatoriedade do diploma aqui no meu blog. Peço a todos que assim como eu sejam contra essa palhaçada, entrem nesse site http://www.fenaj.org.br/diploma.php e coloquem em seus sites, blogs, cadernos, carros ou onde quiserem, os selos, adesivos e folders que estão disponíveis nele. Afinal, se o diploma realmente cair, estamos fadados a falsas informações e a matérias vendidas e distorcidas vindas de apadrinhados. Além do mais, se isso realmente acontecer, nunca mais poderemos criticar o fato de nosso presidente ser um semi-analfabeto. Esse é o nosso Brasil, em constante retrocesso! Segue o manifesto:

Manifesto à Nação

Em defesa do Jornalismo, da Sociedade e da Democracia no Brasil

A sociedade brasileira está ameaçada numa de suas mais expressivas conquistas: o direito à informação independente e plural, condição indispensável para a verdadeira democracia.

O Supremo Tribunal Federal (STF) está prestes a julgar o Recurso Extraordinário (RE) 511961 que, se aprovado, vai desregulamentar a profissão de jornalista, porque elimina um dos seus pilares: a obrigatoriedade do diploma em Curso Superior de Jornalismo para o seu exercício. Vai tornar possível que qualquer pessoa, mesmo a que não tenha concluído nem o ensino fundamental, exerça as atividades jornalísticas.

A exigência da formação superior é uma conquista histórica dos jornalistas e da sociedade, que modificou profundamente a qualidade do Jornalismo brasileiro.

Depois de 70 anos da regulamentação da profissão e mais de 40 anos de criação dos Cursos de Jornalismo, derrubar este requisito à prática profissional significará retrocesso a um tempo em que o acesso ao exercício do Jornalismo dependia de relações de apadrinhamentos e interesses outros que não o do real compromisso com a função social da mídia.

É direito da sociedade receber informação apurada por profissionais com formação teórica, técnica e ética, capacitados a exercer um jornalismo que efetivamente dê visibilidade pública aos fatos, debates, versões e opiniões contemporâneas. Os brasileiros merecem um jornalista que seja, de fato e de direito, profissional, que esteja em constante aperfeiçoamento e que assuma responsabilidades no cumprimento de seu papel social.

É falacioso o argumento de que a obrigatoriedade do diploma ameaça as liberdades de expressão e de imprensa, como apregoam os que tentam derrubá-la. A profissão regulamentada não é impedimento para que pessoas – especialistas, notáveis ou anônimos – se expressem por meio dos veículos de comunicação. O exercício profissional do Jornalismo é, na verdade, a garantia de que a diversidade de pensamento e opinião presentes na sociedade esteja também presente na mídia.

A manutenção da exigência de formação de nível superior específica para o exercício da profissão, portanto, representa um avanço no difícil equilíbrio entre interesses privados e o direito da sociedade à informação livre, plural e democrática.

Não apenas a categoria dos jornalistas, mas toda a Nação perderá se o poder de decidir quem pode ou não exercer a profissão no país ficar nas mãos destes interesses particulares. Os brasileiros e, neste momento específico, os Ministros do STF, não podem permitir que se volte a um período obscuro em que existiam donos absolutos e algozes das consciências dos jornalistas e, por conseqüência, de todos os cidadãos!

FENAJ – Federação Nacional dos Jornalistas
Sindicatos de Jornalistas de todo o Brasil

Comentários

  1. só para colaborar com a polêmica: eu sou um taxista que escreve em um jornal de grande circulação. Eu seria um "especialista, notável ou anônimo"?

    Textos sindicais são muito chatos. Gostaria de saber a opinião da jovem acadêmica...

    O Taxitramas ficaria honrado em colaborar com seu TC. Pode contar comigo.

    Há braços!!

    ResponderExcluir
  2. Não sou jornalista e nem pretendo cursar, mas acho um insulto mesmo quererem boicotar o diploma. Inaceitável. Retrocesso. Brasil.

    ;*

    ResponderExcluir
  3. É o fim da várzea! Não entendo o motivo desse retrocesso! É mais ou menos como abolir o diploma do médico cirurgião argumentando que ele exerce bem o ofício de açougueiro!

    É desincentivar os acadêmicos e desanimar as próximas gerações de estudantes. É apoiar o desinteresse por um ideal mais nobre, é simplesmente lutar contra o progresso, ou talvez, dar a vitória para o inimigo com a batalha vencida!

    É burrice, porque só Brasil torna o diploma de universitário um artigo de luxo ou uma moldura obsoleta!

    Um desaforo, uma afronta!

    ResponderExcluir
  4. Nada como um assunto polêmico para sacudir um blog...

    Tássia, minha cara, obrigado pelas palavras amigas, lá no Taxitramas. Espero conhecê-la pessoalmente em breve.

    Há braços!!

    ResponderExcluir
  5. Eu, como estudante de jornalismo, fico bem revoltada ao saber que querem desregulamentar nossa futura profissão! Sabe, o pior de tudo é que países como a Itália que não exigem o diploma há alguns anos, tão tentando voltar com a exigência. Vai ser um absurdo se o diploma cair.

    ResponderExcluir
  6. Eu colaboro para um site jornalístico vez ou outra. Mas há sim de regulamentar vossa profissão. Bjus e boa semana.

    http://contesta-acao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Achei seu blog porque li seu comentário lá no blog da Iara-Alencar (Mais Atitudes).

    Passarei por aqui sempre que possível. Gostei do que vi rapidamente.

    ResponderExcluir
  8. Soh sei que quero todo o meu dinheiro investido nesse curso. ¬¬

    ResponderExcluir
  9. Sejamos coerentes e exijamos o diploma! ;)

    Me liga amanhã às 19h e me lembra disso. Antes desse horário nem poderei atender, tá?!

    beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …