Pular para o conteúdo principal

Neura de portas entreabertas

Detesto porta entreaberta. Todos (que me rodeiam) sabem disso. E por que, mesmo sabendo, eles insistem em entrarem no meu quarto (sem bater, diga-se de passagem) e ao saírem deixarem ela entreaberta? Por que, Senhor?! Sabe quando a pessoa dá aquela puxadinha de leve na porta com intuito de apenas "encostá-la"? Pra que medir a força pra não fechar se é mais simples puxá-la e fechá-la de vez? Porque eu implico com portas entreabertas eu não sei. Talvez tenha algo a ver com o som que entra mais fácil e me perturba. Ou talvez tenha uma simbologia mais profunda que se relacione diretamente à minha vida que precisa ser explicada a mim por um psicanalista (pena que psicanalistas raramente falam; se falassem seria mais fácil eu descobrir).

O meu desabafo aqui, entretanto, não busca uma resposta psicológica pra isso. Até porque, quase sempre, eu mesmo tenho respostas pras minhas dúvidas, só não tenho às soluções pros meus problemas. A matemática da minha vida é complicada mesmo. Minha última consulta com uma psicóloga foi frustante. Só faltava eu dizer pra ela: "meu bem, meu problema é esse, por causa disso, agora será que tu podia me dar a solução e parar de me olhar com essa cara de peixe morto?". É, eu sei, não sou uma boa paciente, por isso mesmo abandonei as sessões.

Mas recuperando o foco, o que ia dizer sobre as portas tem a ver com a afirmação mais coesa da minha existência: Eu não gosto do meio-termo. O meio-termo me irrita. E descobri mais essa irritação minha por causa das portas entreabertas. No meu ex-trabalho, um ex-colega (ex Graças a Deus) que achava que era meu chefe, tinha a mania de deixar as portas entreabertas. Engraçado que a dele tava sempre fechada. Sendo assim, como a dele tava sempre fechada, quando ele batia a dele eu batia a minha. Esperto meu coleguinha não? Enfim, nem porta de armário eu gosto aberta. Tenho que fechar todas antes de dormir. Vai que saia um bicho-papão dali né?

Talvez eu não goste do meio-termo justamente porque ame os extremos. E eles servem pra tudo. No caso das portas, ou abre ou fecha. E por aí vai... Fode ou sai de cima. Dá ou desce. Vai ou racha... Só tem uma coisa que ainda me intriga nessa minha vida ainda tão breve. É que eu não ao sei ao certo se sou feliz ou triste? Nenhum dos dois, que eu saiba. Às vezes sou feliz e às vezes sou triste. Puta que pariu, talvez nisso eu seja meio-termo. Ah toda a regra tem sua exceção, fazer o quê?

Comentários

  1. Também não sou chegado em meios termos! Quanto a ser feliz, acho que o Cazuza está certo quando diz, "a felicidade é um estado imaginário". Bjus.

    http://contesta-acao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. E ai guria, vou te add tmb!
    gostei do texto porque tmb tenho pavor de portas entreabertas...principalmente as do roupeiro, sempre acho que vai sair algo de lá, hahahahaha!
    Sou da teoria que é 8 ou 80 tb ;)

    beijão.

    ResponderExcluir
  3. Para de implicar com a porta, Tássia. Não te estresse por tão pouco...
    E, lembre-se, como o grande mestre escreveu e cantou:
    "É melhor ser alegre que ser triste
    Alegria é a melhor coisa que existe
    (...)
    Porque o samba é a tristeza que balança,
    E a tristeza tem sempre uma esperança
    A tristeza tem sempre uma esperança
    De um dia não ser mais triste não..."

    ;)

    ResponderExcluir
  4. O que é inacabado nunca é bom. Confesso que também não sou muito chegado em meio termos. Pra mim, é ou não é. Cheguei aqui através do blog do Daniel Moraes e gostei muito de seu espaço. Voltarei aqui mais vezes. Um abraço e até mais.

    http://devaneiosdeeuclides.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. As vezes deixar a porta entreaberta inibe algumas pessoas de entrarem, mas ainda deixa as que realmente desejam livres para fazê-lo.

    ResponderExcluir
  6. Tb tenho essa crise, mas ultimamente ando passando por tudo feito um furacão.

    ResponderExcluir
  7. eu não sento de costas para uma porta... não consigo!! não tem explicação também... =P

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…