Pular para o conteúdo principal

Neura de portas entreabertas

Detesto porta entreaberta. Todos (que me rodeiam) sabem disso. E por que, mesmo sabendo, eles insistem em entrarem no meu quarto (sem bater, diga-se de passagem) e ao saírem deixarem ela entreaberta? Por que, Senhor?! Sabe quando a pessoa dá aquela puxadinha de leve na porta com intuito de apenas "encostá-la"? Pra que medir a força pra não fechar se é mais simples puxá-la e fechá-la de vez? Porque eu implico com portas entreabertas eu não sei. Talvez tenha algo a ver com o som que entra mais fácil e me perturba. Ou talvez tenha uma simbologia mais profunda que se relacione diretamente à minha vida que precisa ser explicada a mim por um psicanalista (pena que psicanalistas raramente falam; se falassem seria mais fácil eu descobrir).

O meu desabafo aqui, entretanto, não busca uma resposta psicológica pra isso. Até porque, quase sempre, eu mesmo tenho respostas pras minhas dúvidas, só não tenho às soluções pros meus problemas. A matemática da minha vida é complicada mesmo. Minha última consulta com uma psicóloga foi frustante. Só faltava eu dizer pra ela: "meu bem, meu problema é esse, por causa disso, agora será que tu podia me dar a solução e parar de me olhar com essa cara de peixe morto?". É, eu sei, não sou uma boa paciente, por isso mesmo abandonei as sessões.

Mas recuperando o foco, o que ia dizer sobre as portas tem a ver com a afirmação mais coesa da minha existência: Eu não gosto do meio-termo. O meio-termo me irrita. E descobri mais essa irritação minha por causa das portas entreabertas. No meu ex-trabalho, um ex-colega (ex Graças a Deus) que achava que era meu chefe, tinha a mania de deixar as portas entreabertas. Engraçado que a dele tava sempre fechada. Sendo assim, como a dele tava sempre fechada, quando ele batia a dele eu batia a minha. Esperto meu coleguinha não? Enfim, nem porta de armário eu gosto aberta. Tenho que fechar todas antes de dormir. Vai que saia um bicho-papão dali né?

Talvez eu não goste do meio-termo justamente porque ame os extremos. E eles servem pra tudo. No caso das portas, ou abre ou fecha. E por aí vai... Fode ou sai de cima. Dá ou desce. Vai ou racha... Só tem uma coisa que ainda me intriga nessa minha vida ainda tão breve. É que eu não ao sei ao certo se sou feliz ou triste? Nenhum dos dois, que eu saiba. Às vezes sou feliz e às vezes sou triste. Puta que pariu, talvez nisso eu seja meio-termo. Ah toda a regra tem sua exceção, fazer o quê?

Comentários

  1. Também não sou chegado em meios termos! Quanto a ser feliz, acho que o Cazuza está certo quando diz, "a felicidade é um estado imaginário". Bjus.

    http://contesta-acao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. E ai guria, vou te add tmb!
    gostei do texto porque tmb tenho pavor de portas entreabertas...principalmente as do roupeiro, sempre acho que vai sair algo de lá, hahahahaha!
    Sou da teoria que é 8 ou 80 tb ;)

    beijão.

    ResponderExcluir
  3. Para de implicar com a porta, Tássia. Não te estresse por tão pouco...
    E, lembre-se, como o grande mestre escreveu e cantou:
    "É melhor ser alegre que ser triste
    Alegria é a melhor coisa que existe
    (...)
    Porque o samba é a tristeza que balança,
    E a tristeza tem sempre uma esperança
    A tristeza tem sempre uma esperança
    De um dia não ser mais triste não..."

    ;)

    ResponderExcluir
  4. O que é inacabado nunca é bom. Confesso que também não sou muito chegado em meio termos. Pra mim, é ou não é. Cheguei aqui através do blog do Daniel Moraes e gostei muito de seu espaço. Voltarei aqui mais vezes. Um abraço e até mais.

    http://devaneiosdeeuclides.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. As vezes deixar a porta entreaberta inibe algumas pessoas de entrarem, mas ainda deixa as que realmente desejam livres para fazê-lo.

    ResponderExcluir
  6. Tb tenho essa crise, mas ultimamente ando passando por tudo feito um furacão.

    ResponderExcluir
  7. eu não sento de costas para uma porta... não consigo!! não tem explicação também... =P

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…
Infância roubada

Crianças. Será que ainda existem? Em que momento a infância termina, nos dias de hoje? Eu deixei de ser criança parcialmente aos 12 anos, quando achei que as festinhas com a turma eram bem mais divertidas que as bonecas. Mas eu senti a chegada da adolescência normalmente. Percebi que meus interesses estavam mudando, assim como os da maioria dos meus amigos. Foi um processo natural e saudável. Mesmo virando adolescente nunca deixei de agir feito uma criança boba de vez em quando pra me divertir. O ideal é nunca deixarmos de ser crianças, nem que seja um pouquinho só. Mas esse foi o meu jeito de crescer. A maneira como as crianças crescem agora, é muito diferente.

As meninas largam as bonecas bem antes dos 12. Descobrem que é mais interessante maquiar a si mesmas do que maquiar rostos de plástico; As músicas que escutam não são mais ao estilo Chiquititas, Xuxa ou Balão Mágico. Agora a moda é ouvir Rebeldes (que não são órfãs vestidas de forma comportada, mas sim meninas q…

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…