Pular para o conteúdo principal

O descobrimento do sexo

Apesar de estarmos vivendo em tempos tão modernos, ainda há quem se envergonhe ao falar de sexo. E não são só adolescentes virgens não! Têm adultos que só de ouvir a palavra enrubescem. Engraçado acontecer isso em uma época em que o sexo é tão banalizado ao nosso redor.

Eu sempre fui desavergonhada em se tratando desse assunto. Só não gostava de assistir filmes com cenas de sexo com meus pais do lado, pois tinha a sensação de que eles tinham vergonha por mim. Dá pra entender? Enfim, descobri a palavra na capa da revista Cláudia da minha mãe quando ainda era uma fedelha. E li certo, acreditem. Eu não falei SéXo e sim Séquisso. Ô contradição! Nunca acreditei na história da cegonha. Até porque, nessa mesma fase da minha vida, quando eu acordava de madrugada e ia pro quarto dos meus pais atucanar por falta de sono e de noção, eu sabia que nas vezes em que eles se cobriam com os lençóis não estavam com frio, até porque era verão. Eles se cobriam porque eu tinha interrompido o ato que me trouxe ao mundo. Sim, porque eu sabia que eu não tinha nascido do repolho. Como eu sabia não sei...ou talvez saiba. Acho que descobri porque certa vez dei play num filme que meu irmão esqueceu de tirar do videocassete. Filme cheio de ações, sacou?!

Em seguida vieram as revistas pornográficas que descobri que ele escondia em cima do armário dele e que eu passei a fuçar seguidamente. Conheci o mundo pornográfico bem antes das minhas amigas que não sabiam o que era sexo ainda. Culpa da taradisse do meu irmão adolescente na época. Bem, depois, na adolescência, eu falava com minhas amigas não-virgens como se fosse uma delas mesmo ainda não tendo transado. Elas podem ter transado antes de mim, mas aposto que não descobriram o sexo e nem a pornografia tão cedo quanto eu. Com certeza eu sabia mais técnicas à la Kama Sutra que elas.

Brincadeiras à parte, até hoje não tenho frescura pra falar sobre isso ou fazer piadas na mesa de jantar com relação ao assunto. Que pouca vergonha né? Uma menina falando isso. Mas sexo é a origem da vida ué. Por que eu teria vergonha de uma coisa tão linda que Deus nos deu?

Comentários

  1. legal o texto, acho que na atualidade é isso mesmo o que acontece... Principalmente com garotas virgens (meu caso)
    Mas espero que as coisas um dia acabem mudando e que esse assunto seja discutido de uma forma ampla e sábia.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Eu aprendi muito mais na escola e em filmes do que em casa. Chato isso neah? Mas sei lá, p/ mim naum deu errado.

    ResponderExcluir
  3. É, amiga. Infelizmente esse assunto ainda é tabu em muitas famílias e para muitos jovens. Eu acho que é aquela coisa: quanto menos vergonha e mais interesse, mais fácil de lidar e saber fica!

    grande beijo!

    ResponderExcluir
  4. Muitas vezes presenciei situações duvidosas, mas como o medo do monstro era maior eu nem ligava sabe, acho que no fundo toda criança pressente isso.
    Meu irmão é três anos mais velho que eu, então não havia circulação de revistinhas pornô no quarto dele, mas não é por isso que eu ficava de fora do papo das minhas amigas não-virgens, quando meus pais iam dormir eu ligava a TV na Band e assistia cine privê bahhhhhhhhhh
    te mete!

    ResponderExcluir
  5. Muitas vezes presenciei situações duvidosas, mas como o medo do monstro era maior eu nem ligava sabe, acho que no fundo toda criança pressente isso.
    Meu irmão é três anos mais velho que eu, então não havia circulação de revistinhas pornô no quarto dele, mas não é por isso que eu ficava de fora do papo das minhas amigas não-virgens, quando meus pais iam dormir eu ligava a TV na Band e assistia cine privê bahhhhhhhhhh
    te mete!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…