Pular para o conteúdo principal

(3 em 1) O beijo do vampiro, 1 milhão em 1 dia e Um mico bem doce

O beijo do vampiro

O ator Robert Pattinson, o vampiro Edward Cullen do filme Crepúsculo, leiloou um beijo seu para arrecadar fundos para o evento anual do cinema pela Aids, que se realizou durante o Festival de Cannes, na França. O valor do beijo foi US$ 20 mil.

Leiloar um beijo? Que bobagem! Isso não combina em nada com caridade. Com certeza o novo astro teen aproveitou a fama pra aparecer um pouquinho mais de forma totalmente desnecessária, pois holofotes em cima dele é que não vão faltar por um bom tempo. Talvez essa idéia "nada a ver" nem tenha partido dele, mas certamente ele deveria ter tomado uma posição. Que leiloasse uma roupa do figurino do filme, mas um beijo? E na bochecha ainda por cima. Ah não, ele podia ter passado sem essa.



1 MILHÃO em 1 DIA

Imagine ganhar 1 milhão de reais em um promoção cujo regulamento diz que não podemos colocar na poupança o dinheiro pra depois, com calma, decidir como gastá-lo? Imagine que a condição para embolsá-lo seria justamente tirar ele do bolso em 24h? E que, caso não se gastasse tudo nesse período, seria preciso devolvê-lo? Sendo assim, pra ser justa, responderei sem pensar. Vejamos então. Acho que eu iria direto gastar com o mais caro. Passaria numa imobiliária e compraria um apartamento na planta pra investimento (aprendi isso com meu irmão que é corretor). Preferencialmente eu compraria um apartamento bem caro pra vender mais caro ainda. Depois iria numa loja de veículos e compraria um carro. Esse, entretanto, não seria tão caro assim, pois, ao contrário dos apartamentos, os carros nunca são revendidos por um preço mais alto do que pagamos. Se ainda sobrasse um dinheirinho, eu passaria num shopping e compraria um guarda-roupa novo, no sentido denotativo e conotativo. Ou seja, tanto o móvel quanto as roupas que vão dentro. E aí sim, com mais calma, no futuro, eu pensaria no que fazer com o dinheirinho que brotasse do meu investimento. Assim, eu não infringiria as regras da promoção, mas também não daria o prazer de devolver nenhum dinheirinho pra ninguém.

Um mico bem doce

Droga, vou ter que confessar pra vocês qual foi meu maior mico. Respirando fundo... e lá vou eu. Eu tinha uns 10 anos, eu acho. Era verão, na praia. Na barraca de crepes e churros haviam como funcionários irmãos gêmeos 10 anos mais velhos que eu, lindos, e cobiçados por todas gurias que acabavam comendo mais crepes ou churros do que deviam. Eu ainda não tinha comprado deles e então a gula bateu e chegou minha vez. Eu estava com desejo de churros de mumu. Assim, cheguei no balcão e perguntei a um deles: "Moço, tem churros de mumu?" Ele respondeu: "Não, só de doce de leite". Ao invés de eu absorver a parte da frase que vinha depois do Não, a anta aqui, encabulada, respondeu: "Ah, que pena, tá bom, brigada". Quando minha amiga começou a rir descontroladamente da minha cara foi que vi o king kong que tinha pago. O nervosismo de falar com um dos gêmeos foi tanto, que se quer prestei atenção na parte da frase que dizia"só de doce de leite". A brincadeira do bonito, fez com que ele perdesse uma cliente, pois eu nunca mais voltei a comprar churros naquela banca por pura vergonha! Ainda por cima, depois disso, minha querida amiga ainda fazia questão de propagar meu mico pros outros despertando minha ira. Hoje, entretanto, eu conto e dou risada, afinal, eu era apenas uma criança.

P.S.:
Falando em micos, lembrei de outro clássico meu. Se eu não me engano, o telefone de casa tocou e era um tio meu que meu pai não tava a fim de falar. Meu pai pediu pra eu atender e dizer que ele não tava. Acontece que meu tio falou tanto, tanto, de tantas coisas que eu não entendia, pedindo pra eu passar o recado pro meu pai e, ainda por cima, fazendo perguntas, que de tão confusa eu disse: "Ah tio, só um pouquinho, pergunta isso pro pai aqui." Coitado do meu pai, nem me lembro como ele contornou a situação, mas certamente o mico maior foi ele quem pagou por culpa minha, tanto que ouvi belos xingões.

Comentários

  1. aiaiai quanto dinheiroo ,eu faria como seu irmão disse .. e o churros? Ondaa!

    ResponderExcluir
  2. Hahaha... Micos... Quem nunca pagou um? Eu pelo menos sou a rainha deles! nossa, achei muito idiota o negócio do Robert, que horror heim? Ele poderia ser mais criativo... Leiloar beijos? que que é isso?
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Num pagava dinheiro algum por beijo de Robert. Talvez uns amassos de cum força.

    ResponderExcluir
  4. Adorei seu texto na CAPRICHO, adorei seu blog. Você escreve bem, viu ? Parabéns. Quanto ao Rob, li várias entrevistas com ele e , sinceramente, achava que ele era mais inteligente que isso. Mas fazer o que né? Parabéns pelo blog. bjs ;*

    ResponderExcluir
  5. Oi Tassia! Você saiu na edição nº 1072 da CAPRICHO. Beijos e bom domingo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…