Pular para o conteúdo principal

Mais que educação, inspiração.

Tive ótimos professores no colégio, assim como na faculdade. Alguns foram de extrema importância pro meu crescimento pessoal, outros pro profissional, mas um, em especial, me marcou pelo amor e dedicação àquilo que faz e me inspira até hoje, pois fez com que suas paixões virassem as minhas também.
Eu explico. No segundo ano do Ensino Médio do colégio Americano, tive o privilégio de ser aluna do professor Ramiro, ou Ramirão, como foi apelidado por nós no terceiro ano. Ele nos ensinava Literatura e História. Nas aulas de Literatura ele fechava a porta e, talvez quebrando o protocolo da escola, recitava, caminhando pela sala, poemas de grandes autores que provavelmente não eram recitados em outras escolas por serem mais... picantes. Ótima estratégia pra ganhar a atenção dos alunos e despertar nosso interesse por Literatura, coisa tão difícil hoje em dia. Depois de ler os textos, ele ainda os relacionava ao contexto histórico no qual estavam inseridos. Dizia em que período foram escritos e que ligação tinham com os movimentos sociais e políticos do Brasil e do mundo. E pra nos deixar mais em transe ainda, pegava seu violão (tinha uma voz linda, estilo bossa nova, e tocava divinamente, além de ser o colírio das gurias) e cantava músicas que remetiam ao período. Talvez por ser professor de História, ele sempre conseguia ligar Literatura e Música a ela. Fascinante! Me apaixonei pelas três. Minha curiosidade por músicas antigas, clássicos e períodos históricos são as grandes paixões que tenho e que procuro saciar no meu tempo livre. Nunca vou me esquecer dele sentado na mesa fazendo a turma cantar com ele "vem, vamos embora, esperar não é saber, quem sabe faz a hora, não espera acontecer...
A partir dali passei a admirar cada vez mais os professores dedicados e que amam o que fazem. Ele não só amava lecionar, como amava a arte, a poesia, a literatura, a história e a vida. Ele tinha paixão pelo que fazia. Dia desses vi ele no Parque da Redenção caminhando, ele não me viu e, se visse talvez não reconhecesse, mas naquele momento me deu uma saudade e uma nostalgia, pois ali estava ele, "caminhando contra o vento, sem lenço, sem documento..."

Comentários

  1. Sempre me diseram que devemos escolher bem o que queremos fazer da vida,pra que possamos fazer com amor,e quem sabe fazer essa boa escolha sempre se torna um profissão adorado,como é o exemplo desse seu professor e muitos outros profissionais por ai!

    gosteii muitooo

    ResponderExcluir
  2. Professor, pra mim, é a palavra mais bonita da língua portuguesa. Um elogio e tanto.
    Na dedicação da minha mono, escrevi o seguinte antes do último parágrafo:
    "A todos aqueles que, com admiração, já pude chamar de professor."

    beijo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…