Pular para o conteúdo principal

Auto baixa, Auto alta.

Falar de autoestima é complicado. Isso porque significa falar de sí. E, sabem como é, autojulgamento pode ser tendencioso. Mesmo assim acho mais leal do que o julgamento alheio e, por isso, lá vou eu falar de mim outra vez.

A minha autoestima depende exclusivamente do meu humor. Isso mesmo. Vou tentar explicar exemplificando com duas cenas corriqueiras da minha vida. Ontem acordei extremamente exausta (como quase sempre), devido ao excessivo esforço físico e mental que desempenhei no dia anterior. Sendo assim, antes de levantar, enrolei 10 minutos na cama, o que consequentemente diminuiu o tempo que eu poderia dedicar ao café e à minha produção pessoal. Lembrei que só iria trabalhar e mais nada; não tinha aula depois e nem iria a qualquer outro lugar por onde costumo andar mais apresentável. Mais um motivo pra ficar mal humorada. Assim, coloquei meus tênis mais podres (sempre boto os tênis mais podres quando tô de saco cheio), minha jeans mais surrada e meu blusão mais cheio de bolinhas e encardido, e fui trabalhar. Óbvio que passei o dia me sentindo horrível e mantendo distância de espelhos ou vidros que me refletissem. Provavelmente meu cabelo devia estar preso ou sem cachos. Geralmente é assim que ficam nesses dias em que estou azeda.

Hoje, entretanto, acordei mais bem disposta. Ontem também dormi tarde, mas isso porque estava desfrutando do prazer de uma boa leitura esperando o sono chegar. Acordando bem humorada, escolhi uma roupa mais legalzinha no armário, ajeitei os cabelos soltos e cacheados (eles acordam de bom humor quando estou bem também), e até passei rímel nos olhos. Claro que a minha dedicação também se deveu ao fato de eu ter outros compromissos ao longo do dia como curso, faculdade e passeio. E adivinhem só como eu me senti durante o dia? Maravilhosa! (tá, tá... menos, nem tanto).

Disso tudo se pode tirar duas conclusões. A primeira é a de que quando estou bem humorada, o que sempre acontece quando sei que meu dia vai ser agradável, me sinto bem. E isso está estrimamente ligado ao fato de eu me vestir bem. Retomando: se o dia vai ser bom, fico de bom humor e me dedico um pouco mais a minha imagem. Ou seja, humor + dia agradável + roupa decente = autoestima alta!

Falando um pouquinho mais sério agora, uma coisa é importante observar. A autoestima é bem mais do que o simples fato de estar se sentindo bem aparentemente. Ela significa sentir-se bem. Duas frases minha que gosto muito e que estão num blog novo que escrevo (http://www.tresjeitos.blogspot.com/) explicam bem o que quero dizer: "Os bens não me movem, e sim o estar bem". & "A felicidade está dentro." Ou seja, autoestima alta é estar bem por fora e por dentro. Eu, por exemplo, nem sempre estou bem por fora devido a tudo que expliquei em cima; mas por dentro estou quase sempre ótima. Me autocompleto. Sou minha alma gêmea. Gosto do que penso, do que quero, do que gosto. Não agrado a muitos, mas agrado a mim mesma. E se autoagradar é o mais importante. Já diz o ditado "se eu não me amar, quem amará?"

Comentários

  1. Concordo contigo, guria. Tem mais é que se gostar. Agora uma observação: essa fonte branca sobre o fundo preto me castiga os olhos cansados por 46 anos de leituras...
    Há braços!!

    ResponderExcluir
  2. Para gostar dos outros, temos que nos gostar e sabedores e senhores absolutos de nós mesmos. Bjus.

    http://contesta-acao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Gostei do texto, apesar de não ter autoestima, HDUAHDUAHUDHA. Nem sei onde ela foi parar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…