Pular para o conteúdo principal

Pílulas de reflexão


Trechos de um livro
"Sou autoritária, teimosa e um verdadeiro desastre na cozinha. Peça para eu arrumar uma cama e estrague meu dia. Vida doméstica é para gatos."
Comentário: Sim, arrumar cama, cozinhar, lavar louça ou fazer coisas similares acabam comigo, ainda mais se solicitadas, mesmo que com educação. Já falei isso uma vez aqui e repito, mesmo que, novamente, soe mal: a verdade é que fazer favores me irrita. E, geralmente, essas coisas são favores. Lavar a louça seria um favor pra minha mãe, sogra, amiga. Arrumar a cama, um favor pro meu namorado. Cozinhar, um favor até pra mim, pra que eu mesma não fique com fome (mas não deixa de ser um favor). Favores tiram meu foco. Sendo assim, não me peçam e muito menos mandem. Porque quando resolvo arrumar as coisas por livre e expontânea vontade, elas ficam demais. Porque apesar de odiar esse tipo de favor, adoro organização. Acreditem!

"Vivo cercada de pessoas, mas nunca somos nós mesmos na presença de testemunhas."
Comentário: Nem consigo mais contar quantas vezes durante um papo descontraído em meio a vários amigos, simplesmente estanquei, parei. Assim, sem mais nem menos, após ter dito uma piada que fez todo mundo rir, após parecer ser eu mesma do jeito que tanto agrada aos outros, me fechei. Isso porque, muitas vezes (quase sempre), me auto-observo. E, acreditem, isso é uma droga. Depois de um tempo me percebo assim como percebo os outros e me acho uma tonta. Desgosto do meu comportamento e sinto que aquela ali não sou eu. E onde eu estou? Onde eu sou eu de fato? E aí lembro que só sou eu mesma quando estou no meu quarto fazendo as coisas que mais gosto do jeito que melhor me sinto. Assim, como nesse exato momento em que escrevo porque amo, de pernas cruzadas em cima da cadeira, vestindo meu pijama velho, preocupada porque vou dormir tarde de novo e ainda tenho mil coisas pra fazer, com fome e com preguiça de fazer um Toddy e com vontade de matar o banho. É só quando estou sozinha que percebo que quando estou com os outros sou apenas o que eles pensam que eu sou.

"... a angústia existencial, se não é uma coisa triste, tampouco é libertadora."

Comentário: Quem a sente não é um tolo. Está mais perto de ser um sábio, pois sente a essência da vida que é justamente seu questionamento constante. Sabe que deve vivê-la intensamente porque é preciosa, mas perde boa parte do seu tempo pensando sobre ela ao invés de vivê-la. Mas como vivê-la inteiramente sem conhecê-la?

"Não estou disposta a inventar dilemas que não existem, mas quero reencontrar aqueles que existem e que foram abafados por esta minha vida correta. Não intenciono nem mesmo trazê-los à tona, quero apenas ir ter com eles onde eles se escondem, descobri-los em seu próprio bunker."
Comentário: Porque a minha sede de viver, mesmo que tentem impedir, será sempre saciada, mesmo que à minha maneira raramente correta. E parada, só bebo se chover. Não quero esperar pra ver. Vou em busca de rios, mares, oceanos inexplorados, mas existentes. Aqueles que estavam tão longe de mim, mesmo eu tendo acesso à eles. Aqueles que eu achava inalcançáveis devido aos limites que eu me impus. Porque viver é ter dilemas - angústias existências (?) - que não se inventam, apenas são descobertos por quem tem gana por desvendá-los.

"A liberdade de que falo é a de poder ser o que ainda não tentamos."
Comentário: Não quero uma fôrma pra me moldar. Não tenho fórmula. Gosto de me reinventar a cada dia. E pra que eu seja quem eu quero conforme quero, só preciso da minha inteira disponibilidade pra gozar a liberdade que tenho de me autogovernar. Às vezes, aqueles que são mais livres se prendem bem mais em sí mesmos. E quem é preso, se liberta bem mais de várias maneiras.
(Trechos do Livro "Divã", de Martha Medeiros)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…