21 de dez de 2009

Tempo Perdido é Tempo Ganho




Não faz muito que descobri que tenho pânico de velocidade. Principalmente a automotiva, a maior responsável por grande parte das mortes em datas que eram pra ser alegres, como Natal, Ano Novo e demais feriados (assim como apontam os frequentes levantamentos publicados em sinal de alerta nos jornais). Já sofri alguns acidentes de carro nessa minha ainda curta existência aqui na Terra. Na maioria deles eu ainda era criança e, portanto, achava que era puro azar e não culpava ninguém por eles. Sendo assim, não me traumatizei naquela fase. Mas fui crescendo, vendo, lendo e descobrindo muita coisa que a imprudência somada a adrenalina causaram por aí e peguei um baita nojo dessa combinação. Tive dois conhecidos com a minha idade que morreram em acidentes de carro e eu me safei de mais um faz pouco. Esses dois conhecidos foram imprudentes. Bebida ou velocidade, ou as duas coisas juntas, o que é ainda pior. O meu acidente nada teve a ver com nenhuma das causas, pelo menos por parte do motorista, meu namorado. Mas fomos atingidos por um bêbado que corria e que passara no sinal vermelho. Então, corrigindo, o meu acidente também teve a ver com essa droga. No fim das contas, mesmo os prudentes se fodem por causa de alguns idiotas que gostam de aparecer, mesmo que, na verdade, a platéia esteja achando o showzinho ridículo.



Prova disso é meu namorado que quando vê algum babaca correndo feito louco seja em Porto Alegre ou na estrada diz: "Depois morre e ficam chorando por ele". Radical ainda solta alguma praga que prefiro não reproduzir.
Pior é que ele tá certo, depois acontece uma tragédia e pais, familiares e amigos ficam se perguntando "por quê Deus?". Ora, porque correu sem a mínima necessidade. Sem um porquê, né Deus?
E não me venham com esse papinho uó de que dirige bem, que os outros é que são barbeiros ou lentos demais, que tem anos de experiência, que isso nunca aconteceu contigo ou sei lá o quê. O dia que eu dirigir serei aquela que respeita o limite de velocidade mesmo que ele seja considerado devagar demais pelos motoristas e não vou estar nem aí pras buzinas, chingões ou comentários machistas. Tudo que escuto meu pai e meu irmão dizendo por aí vai ser dito a mim. E quer saber? Vou ouvir com orgulho, pois vou saber que estou de acordo com a lei e com os meus princípios de valorização à vida (minha e dos outros). Correr pra mim só em pista, e olhe lá. Pois vale lembrar que o cara que mais dominava uma direção (Senna) também foi vitima da sedução que a corrida lhe proporcionava.

Já até cheguei a proclamar pra amigos e familiares coisas do tipo: "Se quer correr, corre sozinho, mas não com outras pessoas no carro, colocando em risco a vida delas. Se tu não dá valor a tua vida, pelo menos deixa os outros viverem." Mas depois do meu último acidente pensei melhor e acho mais prudente proclamar algo mais radical como: "Se quer correr, fica querendo ou vai pr'um autódromo, porque mesmo se tu estiver sozinho no carro, tu também tá colocando em risco a vida de pessoas que foram prudentes e estão em outros carros".
Mas, por incrível que pareça, meu pânico de velocidade não se deu por causa do último acidente. Ele foi descoberto em uma viagem de 15 minutos entre uma praia de Santa Catarina e outra. A velocidade do carro que eu estava era tão alta que eu apertava a mão do meu namorado e emitia um choro contido com meus óculos escuros pra disfarçar. Prometi pra mim mesma naquele dia que tiraria minha carteira o mais rápido possível pra nunca mais ter que depender da carona dos outros. Mas meu pânico foi tanto que tenho um bloqueio pra dirigir também. SACO!
Não tô escrevendo sobre velocidade só porque é fim de ano e porque fico hiper nervosa só de pensar que tenho que fazer uma longa viagem pra ver minha família (na verdade também por esse motivo). Mas mais ainda porque a leitura constante de jornais e sites com um número assombroso de mortes no trânsito me tornou uma neurótica. Mas acho minha neurose super racional e positiva. E quem não tem essa neurose, certamente não a tem porque não se informa o suficiente ou ignora o que lê/vê/ouve. Sou tão avessa à velocidade que por mim a ultrapassagem em sentidos contrários seria estritamente proibida. Pra mim o que importa é chegar, não importa a hora, desde que chegue vivo e pronto pra aproveitar o tempo que resta saboreando cada minuto. Aos motoristas afoitos só tenho a dizer: Tempo perdido, na maioria dos casos, pode ser tempo ganho.
A única coisa que desejo nesse fim de ano pra todos é que viagem tranquilos, escutando um som baixinho e dirigindo com calma, pois, como diria Martinho da Vila, "devagarinho é que a gente chega lá e se você não acredita você pode tropeçar". E eu espero ter a mesma sorte, caso contrário vou providenciar um Dramin pra tomar e rezar bastante pra esse Deus em quem eu nem sei se acredito direito.
E como diz em uma campanha de trânsito ótima que vi na Internet: "É VOCÊ QUEM DIRIGE A SUA VIDA".
Eis mais um capítulo da minha tomada de consciência como cidadã. A cada falta de bons exemplos eu me dou o maior exemplo! Aprendo com o errado a ser correta.

3 comentários:

  1. Se tem uma coisa que odeio desde pequena é imprudência no transito, ontem mesmo fui consumida pela raiva, estava no carro com minha mae, olhei para o lado tinha um homem dirigindo e bebendo cerveja na latinha... meu sangue subiu pra não xingar o idiota que não só ta fazendo mal pra ele, como pra qualquer um se algo acontecesse. :/ infelizmente cada dia mais as pessoas não tao ligando pro que as outras pensam e dai acham se no direito de fazer o que bem entendem... é preciso rever conceitos para poder entender, mas quem quer rever algo?
    fica ai a dúvida.
    beijos
    boa semana pra vc querida.

    ResponderExcluir
  2. Tem gente que acha que as avenidas das cidades são pista de fórmula 1. Quando morrem não sabem por quê. Bjus e feliz natal.

    http://submundosemmim.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá Querida Leitora (assídua ou não) do Pirulito no Palito! No dia 16 de Janeiro de 2010, o blog completa um ano, e gostaria de pedir a você que me acompanha(há pouco ou muito tempo.) que me ajude a preparar a festa. Como? Com ideias, sugestões, com o que vocês querem ver ou, até mesmo, com perguntas (já que eu sou louca para ser entrevistada por alguém).
    Ah sim, eu adorei seu post, pois se eu não gostasse não estaria aqui hoje pedindo a sua ajuda para um momento importante na minha humilde vida ;)
    Beijos e desde já um ÓTIMO 2010 para todas
    Sofia.

    ResponderExcluir

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!