Pular para o conteúdo principal

Por que faltam tantas respostas?

O filho de Jéssica nasceu cego e, ao abrir os olhos, não viu o sorriso e as lágrimas da mãe. Camila morreu num acidente automobilístico no qual a culpa era do outro carro, ao voltar da sua formatura. Marcos perdeu os movimentos das pernas aos 10 anos de idade, quando ainda pensava em ser jogador de futebol. Luiz perdeu os pais no mesmo ano por motivos diferentes, meses antes de virar pai também. O pai do Cláudio teve um infarto com apenas 50, após planejar uma segunda lua-de-mel com a esposa em comemoração aos 25 anos de casados. Luana teve um AVC aos 20, quando estava começando a entender a vida. Talvez todos estes estivessem começando a entender a vida, mas sequer puderam compreendê-la por inteiro ao ter que lidar com a morte, porque essa sim, jamais poderá ser compreendida.

E quando a morte atropela a vida quando viver é que faz parte dos planos, como acreditar em algo? Perguntas me sobram, respostas me faltam.

Não, a religião não tem me dado as respostas. E se me desse, eu aceitaria de bom grado. Mas "porque tinha que ser" não me responde.
Jornais, preciso ficar longe dos jornais... Mas não posso (faço Jornalismo).
Realidade, preciso fugir dela... Mas não posso (faço Jornalismo).
Livros (de preferência de ficção fantástica com seres imortais), em vocês me escondo... Sim, isso eu posso (faço Jornalismo).
De qualquer forma, "brindo à casa, brindo à vida, meus amores, minha família".
P.S: Não aconteceu nada de tão ruim assim comigo, nem quero que aconteça, mas não gosto de ver coisas como essas (fatos reais que alterei um pouco) acontecerem com ninguém. Sou muito utópica e gostaria muito que não acontecessem essas coisas. Escrevi esse texto devido às várias mensagens de superação que vejo no fim da novela "Viver a Vida" do Maneco. Ainda não vi nenhum depoimento de nenhuma pessoa dizendo que entendeu porque aconteceu aquilo com ela. Isso é que me inquieta. Os tantos "porquês" pra tão poucas respostas.

Comentários

  1. concordo com você, e acho que morrer é um exagero.
    Mesmo que viver seja meio torto, eu só aceito a morte quando ela vem depois de uma longa vida, onde o corpo já não funciona mais e onde o cérebro também já está parando, como diria a martha medeiros.
    não acho justo pessoas morrerem de formas tão banais, sem nem terem a chance de se defenderem, de falar 'mas,perai, por que é que eu tenho que morrer?', a gente morre sem nem o direito de fazer um protesto...
    mas enfim, adorei seu texto,mesmo :)
    beijo :*

    ResponderExcluir
  2. tassia...eh o bruno da microlins. vaga de estagio no Tribunal de Justiça.

    brunosolaro@gmail.com

    abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…