Pular para o conteúdo principal

Por que faltam tantas respostas?

O filho de Jéssica nasceu cego e, ao abrir os olhos, não viu o sorriso e as lágrimas da mãe. Camila morreu num acidente automobilístico no qual a culpa era do outro carro, ao voltar da sua formatura. Marcos perdeu os movimentos das pernas aos 10 anos de idade, quando ainda pensava em ser jogador de futebol. Luiz perdeu os pais no mesmo ano por motivos diferentes, meses antes de virar pai também. O pai do Cláudio teve um infarto com apenas 50, após planejar uma segunda lua-de-mel com a esposa em comemoração aos 25 anos de casados. Luana teve um AVC aos 20, quando estava começando a entender a vida. Talvez todos estes estivessem começando a entender a vida, mas sequer puderam compreendê-la por inteiro ao ter que lidar com a morte, porque essa sim, jamais poderá ser compreendida.

E quando a morte atropela a vida quando viver é que faz parte dos planos, como acreditar em algo? Perguntas me sobram, respostas me faltam.

Não, a religião não tem me dado as respostas. E se me desse, eu aceitaria de bom grado. Mas "porque tinha que ser" não me responde.
Jornais, preciso ficar longe dos jornais... Mas não posso (faço Jornalismo).
Realidade, preciso fugir dela... Mas não posso (faço Jornalismo).
Livros (de preferência de ficção fantástica com seres imortais), em vocês me escondo... Sim, isso eu posso (faço Jornalismo).
De qualquer forma, "brindo à casa, brindo à vida, meus amores, minha família".
P.S: Não aconteceu nada de tão ruim assim comigo, nem quero que aconteça, mas não gosto de ver coisas como essas (fatos reais que alterei um pouco) acontecerem com ninguém. Sou muito utópica e gostaria muito que não acontecessem essas coisas. Escrevi esse texto devido às várias mensagens de superação que vejo no fim da novela "Viver a Vida" do Maneco. Ainda não vi nenhum depoimento de nenhuma pessoa dizendo que entendeu porque aconteceu aquilo com ela. Isso é que me inquieta. Os tantos "porquês" pra tão poucas respostas.

Comentários

  1. concordo com você, e acho que morrer é um exagero.
    Mesmo que viver seja meio torto, eu só aceito a morte quando ela vem depois de uma longa vida, onde o corpo já não funciona mais e onde o cérebro também já está parando, como diria a martha medeiros.
    não acho justo pessoas morrerem de formas tão banais, sem nem terem a chance de se defenderem, de falar 'mas,perai, por que é que eu tenho que morrer?', a gente morre sem nem o direito de fazer um protesto...
    mas enfim, adorei seu texto,mesmo :)
    beijo :*

    ResponderExcluir
  2. tassia...eh o bruno da microlins. vaga de estagio no Tribunal de Justiça.

    brunosolaro@gmail.com

    abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …
Infância roubada

Crianças. Será que ainda existem? Em que momento a infância termina, nos dias de hoje? Eu deixei de ser criança parcialmente aos 12 anos, quando achei que as festinhas com a turma eram bem mais divertidas que as bonecas. Mas eu senti a chegada da adolescência normalmente. Percebi que meus interesses estavam mudando, assim como os da maioria dos meus amigos. Foi um processo natural e saudável. Mesmo virando adolescente nunca deixei de agir feito uma criança boba de vez em quando pra me divertir. O ideal é nunca deixarmos de ser crianças, nem que seja um pouquinho só. Mas esse foi o meu jeito de crescer. A maneira como as crianças crescem agora, é muito diferente.

As meninas largam as bonecas bem antes dos 12. Descobrem que é mais interessante maquiar a si mesmas do que maquiar rostos de plástico; As músicas que escutam não são mais ao estilo Chiquititas, Xuxa ou Balão Mágico. Agora a moda é ouvir Rebeldes (que não são órfãs vestidas de forma comportada, mas sim meninas q…