13 de abr de 2010

Colo amigo

Nem todas as vezes em que precisei de amigos, os tive. E nem todas as vezes em que os tive, me foram suficientes. Quando eu os queria, não era da maneira em que se ofertavam. Não falo aqui dos momentos em que sua companhia me dava a alegria que eu precisava pra seguir em frente. Nessas vezes eles sempre superavam minhas expectativas, sendo meu maior escape. Falo aqui das vezes em que eu precisava deles pra me consolarem em momentos ruins da minha vida. Não um consolo que tivesse como objetivo me fazer rir. Não queria que eles contornassem meus problemas tentando fazer, mesmo que por momentos, com que eu esquecesse o assunto. Não queria disfarces. Queria um consolo amigo pra tratar daquela situação específica, daquele sofrimento ímpar. Mas o que eles não compreendiam é que eu não pedia conselhos. Eu não me lembro de alguma vez ter dito "o que eu faço?". Eu só queria um ombro. Ou melhor, um colo. Um colo pra deitar e chorar. Ou um abraço bem apertado... um beijo, um carinho. Enfim, só queria ter certeza de que a pessoa que estava ali ao meu lado me entendia, sem querer me julgar, apenas mostrando que estava ali, disponível pra mim pro que eu precisasse. E eu só precisava dela.
Parece estranho, mas não sou adepta a conselhos. Não gosto de recebê-los, por isso não os peço. Pra que pedir se não irei seguir? Farei o que manda meu coração ou minha razão, ou os dois juntos, dependendo do meu momento. Não quero ninguém pra me dar conselhos familiares, pois ninguém convive tanto com minha família quanto eu, portanto, quem mais tem experiência pra lidar com minha família sou eu e não alguém de fora, o mesmo serve pro meu namorado, amigos ou trabalho. E não importam os julgamentos alheios, só o meu. É o amor que sinto por essas pessoas e o que penso delas que dirá como devo agir. Ou seja, minha emoção e minha razão são a palavra final. Portanto, se eu sofrer por algum desses motivos, amigo que me lê, saiba agora que se eu estiver triste só quero sua presença e sua compreensão. Pois a maior prova de que você, meu amigo, me ama, é você estar ao meu lado quando eu mais precisar, pois é isso que farei com você, se me deixar. Não lhe darei conselhos nem o julgarei, apenas colocarei sua cabeça em meu colo ou lhe apertarei bem forte pra dizer o quanto o amo sem pra isso precisar falar nada, porque certos gestos falam muito mais que quaisquer palavras.

2 comentários:

  1. lindo texto, parabéns.
    www.sinta-o-amor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Tassia, meus parabens!
    Lindo textos.
    Adoroei o seu blogger e se me permitir apartir de agora vou estar sempre lendo seus textos.
    Me indentifiquei muito com você.
    Beijos!
    Tamara Pires

    ResponderExcluir

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!