Pular para o conteúdo principal

Mais que mil palavras...


O mundo retratado nos jornais não é o mesmo em que vivemos. Pelo menos não parece. Sabemos da incidência de várias barbáries, entretanto, não atestamos sua veracidade através da absorção de imagens jornalísticas relacionadas. Imagens estas que deveriam prestar-nos este serviço de compromisso com a verdade. Estamos em guerra, mas não vemos as fotos do sofrimento que ela causa, tal como soldados mortos e feridos, famílias angustiadas, civis desassistidos e cidades em ruínas, conforme já disse Voltaire Schilling em seu artigo A Grande Camuflagem (ZH - 08/08/10).
Mas este é só um exemplo dentre tantas tragédias ocultadas imageticamente como as guerras civis, a violência urbana, a miséria e outros. Diante deste atual cenário, até é possível entender os motivos que levam as autoridades a não divulgar tais fotos. O que é difícil compreender é por que tantas pessoas comuns são resistentes à divulgação dessas fotos na mídia impressa. Seria o medo da verdade? Ou o medo do trauma que esses retratos podem gerar? Estranho, pois são raras as crianças que leem jornais. Estas sim poderiam ficar traumatizadas com tais imagens, porque não as compreendem. Não que não sejam chocantes para um adulto, mas não é possível que jovens e adultos, bem instruídos, público-alvo da maioria dos jornais, se traumatizem com a exposição sem máscaras da realidade. Afinal, não é a verdade que estes leitores buscam? Então quem são essas pessoas que buscam se enganar enquanto leem?
Pelo que lembro das minhas aulas de fotografia da faculdade, "uma imagem fala mais que mil palavras". Atualmente, porém, essa frase não corresponde à realidade da mídia impressa. Conforme Schilling, a mídia corporativa dos EUA se aliou ao Estado "no sentido de não excitar a opinião pública interna contra a continuidade da guerra". Ok, mas e quanto à nossa guerra civil, das favelas paulistas e cariocas principalmente? Qual o problema com a omissão de seus registros fotográficos?
Obviamente a crítica não é para os fotojornalistas e jornalistas. Certamente, à eles, não falta vontade de registrar a verdade nua e crua e divulgá-la, como ocorria com a insuperável revista Realidade. Deveríamos saber verdade através da maneira mais próxima, apesar de muitas vezes distante, a fotografia. Mas, enquanto isso não acontece, vale lembrar que a ausência de imagens também pode falar mais que mil palavras.

Comentários

  1. Na verdade, o que nos vemos na TV já nos choca tanto que quqndo pegamos o jornal damos até graças por poder ler as noticias sem tantas fotos chocantes, que muitas vezes nos tiram a razão de ser e estar no mundo. Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…