Pular para o conteúdo principal

Mais que mil palavras...


O mundo retratado nos jornais não é o mesmo em que vivemos. Pelo menos não parece. Sabemos da incidência de várias barbáries, entretanto, não atestamos sua veracidade através da absorção de imagens jornalísticas relacionadas. Imagens estas que deveriam prestar-nos este serviço de compromisso com a verdade. Estamos em guerra, mas não vemos as fotos do sofrimento que ela causa, tal como soldados mortos e feridos, famílias angustiadas, civis desassistidos e cidades em ruínas, conforme já disse Voltaire Schilling em seu artigo A Grande Camuflagem (ZH - 08/08/10).
Mas este é só um exemplo dentre tantas tragédias ocultadas imageticamente como as guerras civis, a violência urbana, a miséria e outros. Diante deste atual cenário, até é possível entender os motivos que levam as autoridades a não divulgar tais fotos. O que é difícil compreender é por que tantas pessoas comuns são resistentes à divulgação dessas fotos na mídia impressa. Seria o medo da verdade? Ou o medo do trauma que esses retratos podem gerar? Estranho, pois são raras as crianças que leem jornais. Estas sim poderiam ficar traumatizadas com tais imagens, porque não as compreendem. Não que não sejam chocantes para um adulto, mas não é possível que jovens e adultos, bem instruídos, público-alvo da maioria dos jornais, se traumatizem com a exposição sem máscaras da realidade. Afinal, não é a verdade que estes leitores buscam? Então quem são essas pessoas que buscam se enganar enquanto leem?
Pelo que lembro das minhas aulas de fotografia da faculdade, "uma imagem fala mais que mil palavras". Atualmente, porém, essa frase não corresponde à realidade da mídia impressa. Conforme Schilling, a mídia corporativa dos EUA se aliou ao Estado "no sentido de não excitar a opinião pública interna contra a continuidade da guerra". Ok, mas e quanto à nossa guerra civil, das favelas paulistas e cariocas principalmente? Qual o problema com a omissão de seus registros fotográficos?
Obviamente a crítica não é para os fotojornalistas e jornalistas. Certamente, à eles, não falta vontade de registrar a verdade nua e crua e divulgá-la, como ocorria com a insuperável revista Realidade. Deveríamos saber verdade através da maneira mais próxima, apesar de muitas vezes distante, a fotografia. Mas, enquanto isso não acontece, vale lembrar que a ausência de imagens também pode falar mais que mil palavras.

Comentários

  1. Na verdade, o que nos vemos na TV já nos choca tanto que quqndo pegamos o jornal damos até graças por poder ler as noticias sem tantas fotos chocantes, que muitas vezes nos tiram a razão de ser e estar no mundo. Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …
Infância roubada

Crianças. Será que ainda existem? Em que momento a infância termina, nos dias de hoje? Eu deixei de ser criança parcialmente aos 12 anos, quando achei que as festinhas com a turma eram bem mais divertidas que as bonecas. Mas eu senti a chegada da adolescência normalmente. Percebi que meus interesses estavam mudando, assim como os da maioria dos meus amigos. Foi um processo natural e saudável. Mesmo virando adolescente nunca deixei de agir feito uma criança boba de vez em quando pra me divertir. O ideal é nunca deixarmos de ser crianças, nem que seja um pouquinho só. Mas esse foi o meu jeito de crescer. A maneira como as crianças crescem agora, é muito diferente.

As meninas largam as bonecas bem antes dos 12. Descobrem que é mais interessante maquiar a si mesmas do que maquiar rostos de plástico; As músicas que escutam não são mais ao estilo Chiquititas, Xuxa ou Balão Mágico. Agora a moda é ouvir Rebeldes (que não são órfãs vestidas de forma comportada, mas sim meninas q…