Pular para o conteúdo principal

Céu emocional, inferno criativo




Faz dias que tento concluir algumas de minhas crônicas inacabadas salvas como rascunho no meu blog, no meu e-mail, nos meus cadernos, no meu celular e na minha cabeça. Acabo por colocar as ideias em um parágrafo e não as concluo. Já desconfiava do motivo dessa minha incapacidade momentânea, entretanto, após ler uma frase do político Michel Temer em uma revista, e ainda conversar com uma amiga sobre o assunto, minhas suspeitas se confirmaram.

O problema é que ando muito bem, sem preocupações desnecessárias, estabilizada emocionalmente. Poderia dizer até que estou num momento muito feliz da minha vida. As coisas estão caminhando na direção esperada, apesar de eu sempre desejar mais velocidade pra essa corrida que é minha vida. Apesar da falta daquelas novas surpresas alegres e esperadas que eu desejaria ter quase toda semana, a ausência de más surpresas tornou minha vida satisfatória, o que por um lado é um problema. Calma lá, não estou maluca, é que em se tratando de vida literária o nosso céu emocional pode ser um inferno criativo.


Acredito que pra maioria dos escritores a grande inspiração provém da dor, da tristeza, da angústia... Não sei se isso é cientificamente comprovado, pois tal conclusão tirei dos autores que li com prévio conhecimento de suas biografias e de conversas com aspirantes a escritores como eu. Pra esses e pra mim, escrever é uma catarse. Eu, por exemplo, nunca dei muito certo com diários, então costumo liberar meus fantasmas em crônicas soltas, em contos metade fictícios/metade reais - ou na totalidade de qualquer dos dois. E sem fantasmas me rondando, apesar de eu não ser médium, dificilmente há escritos. Reproduzo aqui o aforismo do já citado Michel Temer que sintetiza o que estou escrevendo: "Lamentavelmente, tudo anda bem. Por isso, andam mal os meus escritos".


Tentei escrever sobre o meu momento "so happy", mas soa tão adolescente que não consegui. Como aspirante a jornalista, o mal é quase o mesmo. Escrever notícias felizes não rende tanto quanto escrever notícias tristes, por mais que desejemos noticiar apenas coisas boas. É, a arte de escrever é cruel, o estado de espírito em que desejamos escrever vai na contramão do mais inspirador. Já diz o ditado com o qual não ouso concordar de forma generalizada, mas que, em parte, relacionado à literatura essencialmente, se aplica: “há males que vem para o bem”.


De qualquer forma, minha luta continuará, porque não pretendo encontrar uma dor só pra me curar da ausência de inspiração pra escrita. Minha resistência já rendeu um texto, este. Portanto, sigo empreendendo esforços pra manter meu bem estar e mesmo assim meus bons escritos. Essa é apenas a primeira rua do que espero que seja um longo trajeto.

Comentários

  1. Amiga, acho que tens razão. Tenho exatamente esta sensação. Eu escrevia um monte antes, mas parece que minha criatividade sumiu..hehe

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…
Infância roubada

Crianças. Será que ainda existem? Em que momento a infância termina, nos dias de hoje? Eu deixei de ser criança parcialmente aos 12 anos, quando achei que as festinhas com a turma eram bem mais divertidas que as bonecas. Mas eu senti a chegada da adolescência normalmente. Percebi que meus interesses estavam mudando, assim como os da maioria dos meus amigos. Foi um processo natural e saudável. Mesmo virando adolescente nunca deixei de agir feito uma criança boba de vez em quando pra me divertir. O ideal é nunca deixarmos de ser crianças, nem que seja um pouquinho só. Mas esse foi o meu jeito de crescer. A maneira como as crianças crescem agora, é muito diferente.

As meninas largam as bonecas bem antes dos 12. Descobrem que é mais interessante maquiar a si mesmas do que maquiar rostos de plástico; As músicas que escutam não são mais ao estilo Chiquititas, Xuxa ou Balão Mágico. Agora a moda é ouvir Rebeldes (que não são órfãs vestidas de forma comportada, mas sim meninas q…

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…