Pular para o conteúdo principal

Muita babação de ovo pra pouco argumento

Não lembro bem como chegou até mim, acho que pelo face, mas esses dias acabei lendo um texto intitulado "Por que é tão difícil ter vontade de voltar a viver no Brasil?" e não pude me conter. Antes de mais nada, que fique bem claro que não sou nenhuma patriota cega aos problemas do meu país. Mas analisem com cautela o texto que li e concordem se quiserem...

A garota que escreve o texto fala da Espanha, onde vive:

"Aqui aprendi que não preciso de luxos para viver feliz, que com pouco dinheiro no bolso posso me divertir, ter uma vida cultural relativamente agitada e ainda viajar de vez em quando. Aprendi que a felicidade não se encontra em shopping e que autoestima não está diretamente relacionada com chapinha e unhas bem feitas". Ok, até aí qual é a diferença do Brasil? Me desculpem a intolerância, mas tenho certeza que, assim como eu, muitos brasileiros não precisam de luxo pra serem felizes. Com pouca grana a gente se diverte demais nesse país tão alto astral e festivo. Vida cultural relativamente agitada? Porto Alegre, prazer! Viajar? Opa, sempre que tenho folga! E sobre felicidade em shopping e chapinha pra autoestima, isso vai de pessoa pra pessoa e não de país pra país. Felicidade pra mim é um happy hour no fim da tarde com quem me faz bem, e vai contra os princípios da minha autoestima chapinha. Sou devota dos meus cachos, com licença?

"Aprendi a ser tolerante, a respeitar mais as diferenças, a descobrir a diversidade de raças, culturas, estilos de vida e pensamento muito diferentes dos nossos, brasileiros, muitas vezes machistas, egoístas e hipócritas..". Para tudo! Foi preciso ir morar em outro país pra aprender a ser humana? Muito fácil falar que brasileiros são machistas, egoístas e hipócritas, esquecendo-se que és também uma brasileira e definindo um comportamento que se repete em quaisquer outros países como sendo exclusivamente nosso. Mania de brasileiro metido à besta (agora quem generaliza sou eu): o que vem de fora é sempre melhor. É tão bom quanto o que é nosso e depende do quê. Cada país com suas características, oras.

"Aprendi que o normal pode ser qualquer coisa, que cada pessoa é um mundo e que cada um de nós cuida do seu próprio mundo pessoal, sem precisar de aparências ou máscaras. E ao mesmo tempo aprendi que todos devemos cuidar do nosso mundo coletivo, que a força do ser em conjunto é muito importante e que, melhor de tudo, dá resultados."  Repito, reitero e enfatizo que isso não tem a ver com nação e sim com caráter. É lamentável ler isso. Que mania de culpar o lugar ou alguém por algo que deve partir de nós. Base familiar ou educacional não é sinônimo de bom caráter e bom senso.

"Aprendi que o ser humano, não importa a sua nacionalidade, está longe de ser perfeito, e apesar de tanta tolerância e igualdade por um lado, pode ser bastante preconceituoso e injusto por outro. "Agora estamos falando a mesma língua, moçoila, contraditória? É isto aí, SER HUMANO. 

Pois bem, jovens. Viajem, viajem muito, pois pretendo fazer o mesmo por muito tempo. Conheçam culturas, pessoas, novos mundos. Agreguem sempre. Somem sem precisar bancar os tais por aí. Vejam graça em tudo. Isso é demais e sou super a favor. Mas não critiquem seu país sem argumentos consistentes e com comparações sem embasamento algum a não ser sua mera opinião preconceituosa e seu deslumbramento local. Querem comparar, então me deem dados, daí a gente até discute essa bobagem toda. Sou brasileira acima de tudo. E quem eu sou (para o bem ou para o mal) não foi meu país que fez. Fui eu. E o que meu país é, também sou eu que faço. Eu e você que o critica daqui ou de fora.

E, além do mais, hipocrisia é uma devoção fingida, portanto, cuidado ao se orgulhar do seu país em diálogos com quem não é daqui, soa falso, sabia?

Comentários

  1. Quem faz o estado desenvolvido são os seus cidadãos e não sua classe politica, já que essa é sim mero reflexo do que existe na base do plexo. quanto ao post, as duas tem razão: uma viajou para abrir os olhos e a outra ficou para dizer o que já sabia. (via). felicidades para ambas e parabéns pelo layout do blog, está lindo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…