Pular para o conteúdo principal

O que veio e ficou...

Eu poderia dizer diversas coisas sobre 2011, mas a verdade é que 2011 disse diversas coisas sobre mim. 2011 foi o ano que eu precisava pra me reencontrar. E como foi bom me reencontrar. Sem despedidas de mim mesma daqui pra frente. Eis a primeira promessa do ano. 2011 foi o ano no qual preenchi várias das lacunas da minha vida que estavam sedentas de transbordamento. Tudo que só imaginei por ter quase desistido de esperar, vivi. Sai do casulo. Grata. Histórias, remakes e novidades. Histórias que enobreceram minha alma, determinaram de vez meu caráter e meu caminho, ensinaram meu coração, e me fizeram sentir de novo. Sentir mais, sentir melhor, sentir novo. Sentir de verdade, valendo a pena ou não. Porque o que importa é sentir.

2011, o ano em que eu fui eu na minha plenitude. Em que aspirei e respirei a liberdade de ser quem eu sou. Ano em que a menina disse adeus e a mulher foi bem vinda, de mãos dadas com a eterna criança que habita em mim. Ano em que tudo fez sentido e que a vida me mostrou o quanto ela pode ser boa. Ano em que dei bem mais de mim do que já dei um dia. Coração pulsante, peito aberto, cabeça em velocidade máxima. Pensem num ano em que parar pra pensar é difícil. Faltou tempo pra pensar em qualquer coisa desimportante que eu já julguei importante um dia. Sim, eu sempre tive tendências a dar importância ao que não tem por falta de vida. Isso mesmo, de vida. Mas sei lá, sobrou vida. E sinto que isso foi só o começo.

Caminhar, correr, esperar. Até logo. Até nunca mais. Até sempre. Keep Breathing. Keep Loving. Keep Trying. Em 2011 cheguei a várias conclusões, mas nenhuma foi definitiva... que bom. O que importa é que o ano que passou foi único. Um único diferente dos outros anos únicos pelos quais passei. O que eu vivi me fez amadurecer muitos anos em um só. Aprendi sobre tudo, todos e nada.

... E sabe aqueles erros que eu prometi não repetir? Pois é. Repeti todos. E quer saber? Que bom de novo. Eu pensei que eu não ia mais sentir isso ou aquilo, que eu não ia mais fazer isso ou aquilo. E senti, e fiz. E com mais intensidade e mais entrega do que em qualquer outro momento.

E quem me vê de longe, quem só sabe de mim, ou quem de mim ouviu falar, jamais vai saber quem me tornei e como estou. Só eu sei. E eu saber é o primordial. E quem pensa que um ano não pode reestruturar uma pessoa, se engana. Pode e como. No meu caso, não houve uma mudança, e sim um retorno à superfície.

E pra 2012 eu só tenho um pedido. Que eu não perca essa ousadia, essa perseverança, que eu não desacredite no outro, que eu continue firme e forte e que eu não tenha medo jamais. Porque por medo de perder, já perdi, mas por não ter medo de voltar atrás, recuperei todo o tempo perdido. Porque se tem uma coisa que me move é saber que há um dia depois do outro e que tudo é novo de novo. E que só perde aquele que perdeu a chance de mais uma vez.


Obrigado aos que comigo riram muito, dançaram até cansar, bebemoraram a vida, se encantaram, se lembraram, se esqueceram, se se se... e viveram um dia após o outro da forma mais nossa possível. Valeu pela paz que o caos de vocês me causou. Esse é o meu equilíbrio.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…