Pular para o conteúdo principal

Mais tequila, por favor


Tequila. Que ingenuidade a minha. Desde quando algumas doses de tequila têm o poder de tirar uma vida já tão acostumada a algumas doses? Então que eu ingerisse um veneno mais forte, oras. Ingenuidade? Não. Medo, sim. A verdade é que eu nunca quis tirar a minha vida. E afinal, já não foi ela tirada? O simples fato de eu estar fisicamente viva não significa que eu me sinta como tal. Estou viva. Covarde?

Desde aquele dia de sol tão escuro, minha vida perdeu o sentido. Naquela tarde meu corpo deixou de representar vida pra mim. Lábios, seios, pernas, nada mais era meu. Eu perdi o domínio sob meu corpo, pois outro, que eu não reconhecia mais, tinha posse dele, assim como da minha fala e das minhas lágrimas. Lágrimas de nojo, de humilhação, de dor.

Aquele homem que costumava mandar em mim sob outros aspectos, agora mandava na minha dignidade. Aquele homem que sentia dor, agora me causava dor. Ele que havia perdido sua esposa que ele amava tanto quanto eu. Ele que ignorou a dor que eu sentia por também ter perdido aquela que me deu essa vida tão doída. Nós dois sentíamos a dor da perda. Mas naquele momento perdi a mim mesma. Mais uma dor.

Tempos antes daquela tarde eu só tinha a ganhar. Uma nova vida no ventre da minha mãe daria um novo sentido à minha. Mas, no mesmo dia, duas vidas se foram. Uma vida que nem sequer teve a chance de viver a dor e a delícia de ser o que é. Outra vida que não tinha a vergonha de ser feliz.

Nesse dia meu pai começou a frequentar a terapia no consultório do morro, no qual o psicólogo era o garçom e o remédio era a bebida. No entanto, não esperava ele que eu fosse fazer o mesmo em busca do consolo para minha desilusão que ele causara de forma mais avassaladora. Covardes!

Os dias passam frios e escuros em pleno verão. Ele continua vendo em mim - rosto e corpo - a figura de minha mãe, tendo em conta nossa crescente semelhança. Eu continuo sangrando por dentro, com aquela dor de cabeça de ressaca e o corpo sujo todas as manhãs. Minha mãe permanece viva em mim para o meu pai todas as noites. E eu? Eu estou viva, porém não sei para quem e nem para quê. E então saio de casa, viro a esquina, entro no bar e repito a mesma frase de sempre: Mais tequila, por favor.


Texto produzido na Oficina Literatura e Criatividade, com Cássio Pantaleoni.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…