Pular para o conteúdo principal

Não basta ser educado, é preciso ser gentil

Crescemos aprendendo a ser educados, ou seja, a utilizar as palavras mágicas licença, por favor, obrigado e desculpa (ou ao menos é o que deveria acontecer). Muitos usam as tais palavrinhas no modo automático, mas elas perdem todo o valor devido à maneira arrogante e fria com a qual são usadas. Isso porque junto delas não há uma atitude gentil. E é aí que eu queria chegar. Como diz o título deste texto, não basta ser educado, é preciso ser gentil. 

Falar por favor, obrigado ou desculpa com cara de bunda não é gentil, assim como estar em um ônibus ou em um lugar cheio e pedir licença já empurrando quem está na frente também não é. Ser educado só pra cumprir o protocolo porque você aprendeu isso na teoria não significa que você aprendeu algo sobre humanidade. Além disso, ainda podemos citar as pessoas que não dão bom dia nem pros colegas de trabalho que veem todos os dias, que dirá pros vizinhos, pro motorista do ônibus, ou para um desconhecido na rua. 


Sabe, eu posso estar cheia de problemas pessoais, triste ou de mal com a vida, mas eu não acho que as pessoas que nada têm a ver com isso precisam ser vítimas do meu mau humor. O dia pode estar cinza e chuvoso (como odeio), mas eu dou bom dia e sorrio até pra quem eu nunca vi. Eu simplesmente gosto de passar energia boa pras pessoas, eu acredito na gentileza. Se alguém puxa papo comigo na parada de ônibus, eu não ignoro, eu converso mesmo. Se vejo que alguém precisa de ajuda, eu não finjo que não vi, eu ajudo. Se eu vejo algum conhecido na rua, mas que não é tão próximo, eu paro pra dar um alô. Se acho uma característica de alguém marcante, logo elogio. Por que isso é tão sacrificante pra alguns?

De pensar que tem gente que não consegue ser gentil nem dentro de casa com a própria família, eu fico mais indignada ainda. Gente que grita por qualquer coisa, que critica pais e filhos por qualquer motivo, que é intolerante, que não dá beijo, abraço, bom dia e atenção, que nunca elogia. Caramba, isso é não é só falta de educação e gentileza, é falta de consideração pelas pessoas que estão ao seu lado desde que nasceu, lhe cuidando e protegendo.

O poder da gentileza é muito grande. Posso dizer tranquilamente que muitas vezes a melhor coisa do meu dia foi um desconhecido que me proporcionou. Dou exemplos. Há uma moça que mora perto do trabalho que sempre passeia com seu Golden no horário que estou chegando. Quando o cachorro me viu já veio logo me lambendo e fazendo festa. Constrangida, ela puxou o cão, mas eu disse pra que ela deixasse, pois eu amava cachorros. Ganhei aquele carinho gostoso do Golden e conversei bastante com ela sobre a diferença que esses seres fazem nas nossas vidas. Outra vez, a gentileza veio de uma menininha pequena que conheci quando fui jantar no apartamento do vizinho. Ela me olhou e perguntou meu nome. Eu respondi e ela disse: "Nossa, que nome lindo!". Veio também quando cheguei no condomínio depois de umas dez horas de trabalho e encontrei toda a turma de amigos dos meus pais na praça tomando chimarrão. Resolvi ignorar que eu estava cansada e com fome e fiquei mais uma hora do meu dia batendo papo com eles e rindo à toa. Em outras duas vezes recentes fui parada na rua para ser elogiada por senhoras. Uma elogiava o fato de eu andar pela rua lendo em vez de estar mexendo no celular. Ela achou a cena bonita. Outra disse que se encantou pelos meus cabelos cacheados.

Pois bem, essas pequenas gentilezas de pessoas é que me alegram num dia qualquer. Elas elogiam e isso faz bem pra elas e pras pessoas que recebem os elogios. Elas sabem o valor do calor humano. Elas sabem que nessa vida estamos todos no mesmo barco, que ninguém é melhor que ninguém e que pequenas atitudes fazem uma grande diferença.

Comentários

  1. Ah Tássia, como eu gosto das coisas que tu escreve. Sempre que posso (e me lembro) corro para dar uma passadinha aqui. Me identifiquei tanto com o texto, que houve situações na minha vida em que eu sei que não fui gentil, simplesmente por estar de mau humor, com algum problema pessoal na cabeça ou por estar em um dia ruim. Tempos depois fui perceber como isso me fazia mal e também como deveria incomodar as pessoas que estavam sendo gentis comigo. Agora, por pior que esteja sendo o dia, nada melhor do que algumas palavras de carinho e alguns sorrisos para te colocar la em cima! Bom demais ler o teu blog! Beijo enorme.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Feedbacks sinceros me interessam. Go ahead!

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…