Pular para o conteúdo principal

O velho “Mimimi” de sempre


Apesar de não estar no dicionário, tem uma palavrinha mágica que resume muito do que penso de algumas de nós, mulheres. A palavra é “mimimi”. Juntando definições de blogueiros, escritores e até filósofos que li, cheguei à seguinte: Mulher “mimimi” é aquela que reclama constantemente, de forma repetitiva e desnecessária. Faz alarde por nada e por tudo. Tem sempre uma desculpa na ponta da língua para justificar qualquer falha sua. É extremamente propensa a crises de toda ordem. Adora uma picuinha. E, geralmente, é aquela mulher que vai vir com “mimimi” pra cima de mim porque falei apenas de mulheres, como se não houvesse homens “mimizentos”. Respira! 

Agora pense: quantas amigas e inimigas (vida longa!) você tem com esse perfil? Sinceramente, todas nós somos um pouco “mimimi” (meu namorado que o diga). Mas sabemos que há mulheres que poderiam (se fossem bem autocríticas) usar a palavra “mimimi” para responder em um questionário de emprego ao item “principal característica”.

Apesar de simplória, a nova palavra engloba um comportamento cada vez mais recorrente nas mulheres da atualidade. São adolescentes que fazem manha para tudo. Qualquer favor solicitado pelos pais é uma tortura. São mães superprotetoras com os filhos que os colocam em uma redoma de vidro e não deixam que ele se defenda no mundo. Aquelas que vão à escola reclamar que o professor “humilhou” o filho na classe. E, já que falamos de trabalho por aqui, também são as mulheres que adoram as preposições “mas” e “porém”. Aquelas que dá uma vontade sobre-humana de dizer com todo respeito: “Flor, justifica menos e faz mais”. 

Essas mulheres que chegaram lá no tão almejado posto no mercado de trabalho, agora perdem toda compostura de “Yes, we can” e fazem beicinho quando algo não acontece como elas querem. Críticas? Detestam (alguém gosta?). Se acham infalíveis demais para receber um puxão de orelha. Têm dificuldade de assumir responsabilidades. Não por coincidência podem vir a ser aquelas mães que vão à escola reclamar que o coleguinha fez bullying com o filho porque chamou ele de “quatro olhos”. Pausa: juro que tenho saudades dos tempos que me chamavam de magrela, árvore, fósforo e que eu respondia à altura sem nunca ter choramingado para os meus pais. Deve ser por isso que hoje não tenho grandes problemas em ser criticada. Inclusive, quando sou, presto bem atenção para tentar não persistir no erro, até porque sou bem exigente em relação a mim mesma. Ah, e meus colegas tinham razão, eu era magrela mesmo. Na boa, é muito “mimimi” para pouca atitude. Gente, alguém uma vez disse que o que sabemos é uma gota e o que ignoramos é um oceano. Sendo assim, humildade para calar e ouvir, e até para falar, não acham? 

As mulheres “mimimi” têm uma tendência bem forte a se ofender com tudo. Se o marido falar um pouco mais grosso, se a chefe criticar, se a amiga falar a real sobre a atitude dela, ela vai lá e chora, borra a maquiagem, se exalta. E eu e minha mania de sei-lá-o-quê penso: “Caramba, vou dar um dos meus problemas para ela, afinal, para chorar por isso não deve ter problemas na vida pessoal”. Tá, desculpa a falta de sensibilidade minha aí. Whatever. 

Não sei se a origem da expressão “mimimi” vem do inglês, mas, de algum modo, me faz pensar em “me, me, me”. Ou seja, pessoas que só pensam em si mesmas. “Eu tô certa. Eu sei o que tô fazendo. Eu quero que funcione desse jeito. Eu, eu, eu”. O Eu é tão poderoso que essa pessoa não sabe viver sem elogios e agradinhos constantes. O problema todo é que o excesso de “mimimi” pode levar ao coitadismo, daí a pessoa assume o papel de vítima e chega no pior estágio: a dissimulação. Mas aí já é assunto para outro texto. 


Minha chefe costuma usar uma expressão que ando levando tanto para a vida profissional como pessoal: “Sofre menos”. Para ficar de acordo com a linguagem dessa coluna, eu poderia traduzir para: “Pare com o mimimi e foca na solução”. Acreditem, é um mantra que tem – se não resolvido -, minimizado muitos dos meus problemas.

Texto publicado na minha coluna no Negócio Feminino

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A chata existência dos chatos

Faz tempo que quero escrever sobre pessoas chatas, mas é meio difícil falar sobre elas. É que eu me irrito demais com pessoas chatas. Me irrito justamente porque elas são como são, chatas! Pior que isso, têm chatos que, muitas vezes, são legais e, portanto, você não pode ser estúpido com eles, pois se não, até nos momentos que eles deveriam ser legais, eles vão ser chatos. Complicado não?
Eu, que também devo ser chata pra algumas pessoas, não tolero determinadas chatices. Eu as engulo no osso. Muitas vezes, sou grossa, respondo, dou indiretas, ignoro. Mas o chato pós-graduado não percebe e continua me chateando. Vou dar um exemplo. Sou umas pessoa que detesta ser interrompida em qualquer circunstância (absolutamente qualquer circunstância). Não gosto de ser interrompida no banho, no telefone, quando escrevo, quando leio, quando trabalho e até quando não faço nada. Não gosto que me tirem o foco. Devo admitir que nesse sentido sou egoísta. Sempre acho que o que estou fazendo é mais inter…
Infância roubada

Crianças. Será que ainda existem? Em que momento a infância termina, nos dias de hoje? Eu deixei de ser criança parcialmente aos 12 anos, quando achei que as festinhas com a turma eram bem mais divertidas que as bonecas. Mas eu senti a chegada da adolescência normalmente. Percebi que meus interesses estavam mudando, assim como os da maioria dos meus amigos. Foi um processo natural e saudável. Mesmo virando adolescente nunca deixei de agir feito uma criança boba de vez em quando pra me divertir. O ideal é nunca deixarmos de ser crianças, nem que seja um pouquinho só. Mas esse foi o meu jeito de crescer. A maneira como as crianças crescem agora, é muito diferente.

As meninas largam as bonecas bem antes dos 12. Descobrem que é mais interessante maquiar a si mesmas do que maquiar rostos de plástico; As músicas que escutam não são mais ao estilo Chiquititas, Xuxa ou Balão Mágico. Agora a moda é ouvir Rebeldes (que não são órfãs vestidas de forma comportada, mas sim meninas q…

Gente que sabe escutar o outro

Sempre acreditei no poder da fala. No quanto é importante falarmos sobre aquilo que nos incomoda. Falarmos pros outros - amigos, terapeuta - ou pra quem está nos afetando. Talvez ainda acredite, mas apenas com as pessoas certas.
Gosto de falar naturalmente. Faz parte de mim. Assim como gosto de escrever. Além de escrever crônicas, contos e matérias, escrevo muitos emails. Os emails são as cartas que mando quando preciso conversar com quem não gosta de sentar frente a frente e olhar olho no olho. Não culpo, pois cada um tem suas fraquezas. O problema é que essas pessoas que leem minhas 'cartas' nem sempre respondem e, muito menos, as absorvem - o que é pior que não respondê-las. As que o fazem, respondem tão lindamente (mesmo quando a resposta não é o que eu esperava), que posso dizer que são pessoas raras e especiais, pois me deram 'ouvidos' (olhos) e pediram os meus. Sou grata a elas e guardo esses emails especiais com carinho, pois foram aprendizados pra mim.

Mas não e…